Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 24 Agosto 2016 11:11 Última modificação em Domingo, 11 Setembro 2016 21:41

Residentes de 11 países avaliam vida antes e depois do colapso da URSS

Avalie este item
(2 votos)
País: Rússia / Resenhas / Fonte: Sputnik

Conforme os dados da pesquisa Sputnik-Opinião, em 9 dos 11 países da antiga União Soviética a maioria dos residentes com idade superior a 35 anos pensam que a vida na URSS era melhor, comparada a vida depois do colapso.

Na Rússia, 64% dos participantes da pesquisa, que viveram na época da União Soviética, avaliaram a qualidade de vida na URSS como sendo melhor do que depois da desintegração do Estado socialista. Na Ucrânia esta opinião foi ecoada por 60% dos entrevistados. A percentagem mais alta foi destacada na Armênia (71%) e no Azerbaijão (69%). Os entrevistados que nasceram depois do colapso da URSS, com idade entre 18 e 24 anos, consideram que a vida melhorou depois de 1991 (ano da desintegração da URSS). Esta opinião foi expressa por 63% dos jovens entrevistados. Os dados foram recolhidos pelas empresas VTsIOM, M-Vector, Ipsos, Expert Fikri e Qafqaz em 11 países da antiga URSS a pedidos da agência de informações e rádio Sputnik.

Praticamente em todos os países, a população com idade superior a 35 anos considera que a vida na URSS era melhor se comparada a vida depois do colapso. Na Armênia, 71% contra 23%; no Azerbaijão, 69% contra 29%; no Cazaquistão, 61% contra 27%; na Ucrânia, 60% contra 23%; na Moldávia, 60% contra 32%; no Quirguistão, 60% contra 30%; na Bielorrússia, 53% contra 28%; na Geórgia, 51% contra 46%. Somente os entrevistados do Tajiquistão (39% contra 55%) e Uzbequistão (4% contra 91%), com idade superior a 35 anos, consideram que a vida tornou-se melhor depois do colapso da URSS.

vidamelhor

Os participantes da pesquisa com menos de 25 anos de idade e que nasceram depois ou pouco antes da desintegração da URSS acreditam que agora a vida é melhor. Na Armênia, foram 48% contra 47%; na Ucrânia, 39% contra 18%; na Rússia, 63% contra 25%; no Azerbaijão, 68% contra 14%; no Tajiquistão, 84% contra 13%; no Uzbequistão, 89% contra 5%. Somente os jovens da Moldávia têm uma opinião diferente: 69% consideram que a vida na URSS era melhor que agora (17%).

A pesquisa foi realizada pela empresa VTSiOM na Rússia, M-Vector no Quirguistão e Tajiquistão, bem como Ipsos, Expert Fikri, Qafqaz em 11 países da antiga União Soviética. Os dados foram coletados entre 4 de julho e 15 de agosto de 2016. A pesquisa contou com a participação de 12.645 pessoas: Armênia, Azerbaijão, Bielorrússia, Moldávia, Geórgia, Cazaquistão, Quirguistão e Tajiquistão contaram com a participação de 1.000 pessoas em cada país, 1.045 pessoas do Uzbequistão, 2.000 da Ucrânia e 1.600 da Rússia. Os dados da pesquisa levaram em consideração sexo, idade e geografia dos entrevistados. A margem de erro não supera os 3,1% e a probabilidade de acerto é de 95%.

O que é o Sputnik-Opinião?

Este projeto internacional de estudo da opinião pública começou em janeiro de 2015. As conhecidas empresas Populus e IFop são parceiras do projeto. No quadro da Sputnik-Opinião (Sputnik.Polls) são realizadas regularmente pesquisas em vários países da Europa e dos EUA sobre os temas sociais e políticos de maior atualidade.

A Sputnik é uma agência de notícias e rádio com representações e redações multimídia em dezenas de países. A Sputnik inclui sites (34 ao todo), emissões rádio analógicas e digitais, aplicativos para celular e páginas nas redes sociais. As feeds de notícias da Sputnik aparecem 24 horas em inglês, árabe, espanhol e chinês.

http://br.sputniknews.com/sociedade/20160817/6064276/opiniao-residentes-vida-urss.html

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar