Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 23 Julho 2018 22:37 Última modificação em Sexta, 27 Julho 2018 20:30

O trabalho de difusão 'cultural' da CIA contra a URSS

Avalie este item
(2 votos)
País: Estados Unidos / Cultura/Música / Fonte: Café Central

O Washington Post só agora descobriu que a CIA publicou e distribuiu o romance épico de Boris Pasternak, Doutor Jivago, para debilitar moralmente a URSS, mas para os historiadores da Guerra Fria e os que viviam do outro lado da Cortina de Ferro, é uma notícia muito velha.

Desde a sua origem em 1947, a CIA compreendeu que para derrubar a União Soviética, para além das bombas, eram necessárias pinturas, sinfonias e prosa.

Nos finais da década de 1940, no apogeu da Guerra Fria, a CIA começou a dar-se conta que a Revolução de Outubro tinha conquistado muitos artistas, escritores e cientistas da Europa Ocidental.

Em 1950 criou o Congresso para a Liberdade da Cultura com o objectivo de minar o prestígio da URSS e ganhar os corações e as mentes dos intelectuais progressistas europeus.

A intelectualidade europeia sabia que os Estados Unidos era uma sociedade capitalista, comercial e filisteia que carecia de tradições culturais, o que Hugh Wilford, autor de vários livros sobre operações secretas da CIA durante a Guerra Fria, qualifica como “prejuízos culturais antiamericanos”.

Os livros eram uma arma e «Doutor Jivago» foi um dos que foram subsidiados. O seu autor foi promovido ao nível mais alto, alcançando o Prémio Nobel da Literatura graças à espionagem, enquanto vetavam outros novelistas como Gorki.

“Creio que «Arquipélago Gulag» foi ainda mais importante que «Doutor Jivago», como exemplo de propaganda de sucesso do ponto de vista norte-americano”, disse Sergei Khrushchev, filho do ex primeiro-ministro soviético e membro do Instituto Watson de Estudos Internacionais da Universidade de Brown.

"E eu também diria que as «20 cartas a um amigo» de Svetlana Alliluyeva [filha de Stalin] foi a mais dolorosa na era Brezhnev", acrescenta Khrushchev. Svetlana recebeu quase um milhão de dólares pelo seu romance.

O Congresso para a Liberdade da Cultura financiou numerosas revistas literárias e culturais, incluindo a revista britânica «Encounter» e, com pleno conhecimento de causa, a «Revue de Paris». Foi a sombra por detrás de concertos patrocinados, como a actuação de uma orquestra sinfónica de Boston em Abril de 1952 num festival de música de Paris.

A escolha da música para interpretação não é acidental. A CIA coroou Igor Stravinsky, um dos mais famosos compositores da sua época e um crítico declarado da URSS.

A CIA financiou a versão animada do «Triunfo dos Porcos» (Animal Farm) de George Orwell.

Para financiar estas actividades, a CIA lavou dinheiro através de uma variedade de organizações ‘culturais’ na América e Europa.

A CIA gastou milhões de dólares para subsidiar o movimento artístico nova-iorquino dos anos 50 conhecido como “expressionismo abstracto”, um estilo de pintura praticado por Mark Rothko e Jackson Pollack, artistas pouco apreciados pelos norte-americanos naquela época, e organizando exposições de pintura por toda a Europa, ajudando a difundir a “arte abstracta” como uma tendência mundial. A difusão do expressionismo abstracto ajudou a que a intelectualidade europeia progressivamente passasse a inclinar-se para o lado do imperialismo durante a Guerra Fria, afirma Hugh Wilford, professor de história na Universidade pública da Califórnia.

Hoje, é difícil imaginar os mestres espiões americanos como patronos da arte, mas "na época, havia alguns tipos bastante sofisticados navegando na CIA", diz Wilford.

"Provavelmente apreciavam o papel dos patronos culturais porque foram treinados numa espécie de escola preparatória, as classes da Ivy League que incluíam pessoas como Nelson Rockefeller e [o editor do New York Herald Tribune] John Hay Whitney."

"Então, era lógico que essa organização, então bastante aristocrática, a CIA, fizesse isso", diz Wilford.

O Congresso para a Liberdade da Cultura, que chegou a ter gabinetes em 35 países e cerca de 300 funcionários, foi encerrado nos anos sessenta.

Fonte: Resistencia Popular

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar