Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 18 Dezembro 2016 11:34

A crise da ideologia keynesiana

Avalie este item
(0 votos)
Juliano Medeiros

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

No caso brasileiro, em que as promessas de “desenvolvimento” se viram frustradas pela triste realidade de nossa integração subordinada ao sistema-mundo, criticar a ideologia keynesiana torna-se mais do que uma necessidade: é uma obrigação entre aqueles que defendem uma nova forma de organizar a produção e a vida em sociedade.


Na extraordinária obra A crise da ideologia keynesiana, Lauro Campos demonstra toda a atualidade da perspectiva marxista sobre a economia política. E o faz tecendo uma crítica implacável ao que denominou ideologia keynesiana, cujo papel seria o de sustentar um Estado capaz de “preservar as relações capitalistas, evitar o crescimento das forças produtivas, fazer com que o capitalismo sobreviva a si mesmo”.

No entanto, desde que Lauro Campos desenvolveu sua crítica ao capitalismo keynesiano, no começo dos anos 1980, o Brasil e o mundo viveram profundas transformações. O desmonte dos sistemas de proteção social do chamado welfare State, na esteira da implantação do mais destrutivo neoliberalismo em diferentes países, gerou um colapso profundo do consenso keynesiano, fazendo ressurgir, diante dos efeitos nefastos da mundialização, certo “estatismo” entre aqueles economistas outrora identificados com a crítica radical desenvolvida por Marx ao caráter intrinsicamente capitalista do Estado sob a sociedade de classes. Quem, então, teria condições de sustentar um questionamento tão radical à perspectiva keynesiana num momento em que essa ideologia, frente à catástrofe neoliberal dos últimos anos, tornou-se uma enganosa porta de saída à crise que se abateu sobre o mundo, prometendo crescimento, emprego e segurança econômica? Apenas intelectuais como Lauro Campos conseguiriam, quase quatro décadas depois, ter sua obra reeditada com tanta atualidade.

No caso brasileiro, em que as promessas de “desenvolvimento” se viram frustradas pela triste realidade de nossa integração subordinada ao sistema-mundo, criticar a ideologia keynesiana torna-se mais do que uma necessidade: é uma obrigação entre aqueles que defendem uma nova forma de organizar a produção e a vida em sociedade.

Fonte: Blog da Boitempo

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar