Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 10 Março 2017 11:39

As migrantes em trânsito

Avalie este item
(1 Voto)
Ilka Oliva Corado

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Saem de suas casas: em aldeias, povoados, rincões, fazendas, arrabaldes... sem rumo fixo, como folhas secas arrastadas pelo vento, mortas em vida, caluniadas, golpeadas, abusadas, rechaçadas e estigmatizadas.


Pouco se sabe delas; as invisibilizam, o Estado as marginaliza, as marginaliza a sociedade, o classismo, o racismo e as macula o patriarcado. Seu país as obriga ao abandono e à migração.

Se vão pelas linhas dos trens, em furgões, em vagões, entre colinas e montanhas, dormem nos bancos, nos lixões, atravessam desertos, rios, cercas de arame. Correm sem descanso: angustiadas, com o medo atravessando-lhes a maçã do rosto, com a boca seca, com a pele puída, com o olhar perdido, com a decisão firme e com o poder de párias.

Com o sangue empapando suas pernas, com os mamilos leitosos, com a mesma roupa, com os sapatos quebrados, com fome, com sede. Descobertas, assustadas e aturdidas. Migram aos montes, centenas todos os dias.

No caminho tornam a estigmatizá-las, tornam a violá-las, a golpeá-las, a marginalizá-las. Dupla angústia, se aprofunda a ansiedade, a paranoia se instala no sangue e palpita como taquicardia em seus corações insubornáveis.

Deixam sua terra, o ninho, seus filhos, seus sonhos. Arrastam suas dores, desilusões e frustrações, como carga obrigatória, como o lastro ancestral das mulheres marginalizadas.

Vão em busca de vida, vida para seus filhos. Vão em busca de ar, de terra firme, de uma oportunidade. Poucas o conseguem, poucas conseguem chegar no final da viagem; no transcurso muitas são desaparecidas, assassinadas, enterradas em fossas clandestinas, derretidas em ácido, queimadas com gasolina. Abusadas no tratamento de pessoas para fins de exploração sexual, laboral e tráfico de órgãos. Meninas, adolescentes e mulheres terminam seus dias em bordéis, bares e armazéns, como serviço ao cliente; onde as pegam e violam até matá-las.

Outras morrem nos desertos, na seca, entre ossos de outros que também tentaram chegar, entre cactos e tempestades de areia. Se afogam nos rios e boiam como desperdícios que ninguém vê, ou que veem e não se importam. Ficam nas linhas dos trens quando caem dos vagões ou são jogadas pelos bandidos depois de estes as terem assaltado e estuprado.

Sobre elas pouco se fala, só existem se conseguem chegar ao outro lado e se transformam para se converter em remessas, então as classificam por números, por datas de envios e por depósitos. Lhes arrebatam novamente, tal como fez o país de origem: sua dignidade, sua essência de pessoas, de seres humanos e também novamente as transformam em objetos, na mão de obra barata que na diáspora também é uma pária a mais, como as milhares que migraram, estão migrando e migrarão.

A elas, minha reverência no Dia Internacional da Mulher. Louvor às migrantes em trânsito.

Ilka Oliva Corado

08 de março de 2017, Estados Unidos.

Tradução do Diário Liberdade

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar