Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 18 Dezembro 2017 18:55

Gerações sem memória

Avalie este item
(1 Voto)
Ilka Oliva Corado

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

O que está acontecendo na América Latina agora, deve ser de vital importância para gerações de esquecimento. Todo mundo com 40 anos e menos é considerado parte da geração do esquecimento.


Todo mundo que nasceu durante as ditaduras ou pós-ditaduras foi injetado com o gene da ignorância e do esquecimento coletivo. Nós pertencemos à geração de negação. Somos o produto de um plano baseado nesse objetivo: criar gerações vencidas, chambonas, ineptas, egoístas, consumistas e insensíveis. Alguns abalos em toda a extensão da palavra.

Eles nos distraem com o grosseiro, porque somos incapazes de pensar, de nos perguntar, de duvidar, de destruir conceitos ou definições que nos foram sistematicamente impostas. Incapaz de formular nossos próprios critérios e pior ainda, incompetente para debater e totalmente apático para agir. Somos as gerações perfeitas para um sistema mutilante, patriarcal, misógino e capitalista. Isso nos esmaga todos os dias porque somos incapazes de levantar a cabeça, nascemos olhando para baixo e não ousamos perguntar o que aconteceria se olhássemos para cima, endireitássemos nossas costas e avançássemos. Se levantássemos a nossa voz e acordássemos da sonolência para nos tornarmos entes de mudança.

Gerações que negam suas raízes, sua origem, que se atrevem a esfaquear nas costas, que sonham em ser de outro lugar, que sonham com o que o capitalismo lhes disse que a vida é: ser preenchido com coisas materiais, mesmo que tenham que viver de aparências, esmagando qualquer pessoa para escalar e ser reconhecido (por outro igual ou pior), porque o importante é a vitrine e não a essência, e não o humano, nem a solidariedade. Porque o importante é tudo o que pode ser obtido com dinheiro, com traições e poder.

Essas gerações vencidas são resgatáveis? Sim. Contra todas as probabilidades, eles são. O ser humano tem a capacidade de reivindicar, mudar o caminho quantas vezes quiser, começar de novo quantas vezes for necessário.

Para que essas gerações encontrem a maneira como é necessário que os anciãos sejam candil, para aqueles que acendem o fusível, aqueles que bombardeiam com perguntas no ar, aqueles que desafiam, aqueles que promovem, aqueles que falam sobre a outra verdade, sobre o a verdade que esconde o sistema, a verdade que esconde a impunidade, a verdade que foi inventada para manter sedutoras e ignorantes as gerações do esquecimento. Com isso, eles encontrarão seu próprio caminho sozinhos, mas precisam de alguém para provocá-los.

Quem irá dizer-lhes onde eles estão e por que, sabendo que eles vão procurar seu lugar na história sozinho. Essas gerações precisam saber que elas são vendadas, que a verdade lhes foi proibida, que elas são o resultado de um produto estrutural que corresponde aos interesses das oligarquias e dos intervencionistas que quer dizer; interesses do imperialismo contra uma América Latina que não desista.

É obrigação de gerações de esquecimento, estar com sede, alimentar dúvidas, duvidas, auto-análises e coletivamente. É obrigação deles buscar informações por si mesmas, continuar a pesar da fadiga, não desistir: insistir, insistir, insistir, até que a estrutura patriarcal, classista, racista, misógina, homofóbica e colonial que nos impusessem desmoronasse. Até a sensibilidade despertar e temos a capacidade de observar e perceber com os nossos cinco sentidos a injustiça de um sistema que nos oprime e fazer algo para erradicá-lo!

Porque é inútil saber se nada é feito para mudar o que nos fez objetos de consumo. E o que nos faz odiar um ao outro e sentir vergonha de nossas origens. E negar a nossa herança ancestral, sonhando em ser de outro lugar e sobrepondo quem quer que não nos perspica, nos atinge, nos torturas, nos assiste e nos desapareça.

As gerações do esquecimento são resgatáveis e se eles sabem que estão proibidas, se houver um catalisador que as guie, eles saberão como encontrar o caminho para a liberdade dos povos.

Agora, as perguntas são: quem quer ser um catalisador, mesmo que esteja cansado de lutar e está desmoralizado e deu tudo? Quem quer procurar o caminho para a liberdade, com a humildade daqueles que não conhecem e querem aprender, passar da passividade para a ação, sabendo o que colocará em risco?

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar