Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 24 Mai 2019 14:21

O perigo bonapartista continua presente

Avalie este item
(0 votos)
Valério Arcary

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Mais uma vez: “quem não sabe contra quem luta não pode vencer”.


A convocação de manifestações da extrema direita para o domingo dia 26 de maio confirma que a ala bolsonarista é neofascista. Devem ser levados a sério. Mais uma vez: não podem ser subestimados. A iniciativa da marcha é, provocativamente, bonapartista.

Tudo indica que é uma iniciativa precipitada, desastrosa, atrapalhada. Mais um grave erro de Bolsonaro. Por várias razões. Mas estamos diante de um governo muito perigoso. O perigo de um inverno siberiano continua presente.

A publicação da nota em que Bolsonaro apoia a denúncia de que “o Brasil é ingovernável” não deve ser interpretada como uma advertência de possível renúncia. Não sinaliza recuo, mas ofensiva. Anuncia disposição de reagir, de disputar, de avançar.

A questão central é que a corrosão da ala bolsonarista tem sido muito acelerada. Mas são audaciosos, arrogantes, violentos e, ao se descobrirem ameaçados, preparam um contra-ataque. Ameaçados, em primeiríssimo lugar, pela força social e política de impacto das mobilizações do passado 15M em defesa da educação pública. A esquerda recuperou, claramente, a hegemonia nas ruas. Os neofascistas decidiram medir forças.

Mas, ameaçados, também, pela articulação dos partidos do Centrão que forçaram a convocação de Weintraub para demonstrar força, e são indispensáveis para o encaminhamento da Reforma da Previdência e do Pacote Moro, além da votação das Medidas Provisórias que têm prazo de validade. Ameaçados pela investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro que cerca a vida financeira de Flávio Bolsonaro e seus funcionários da Assembleia Legislativa. Ameaçados, mas não encurralados. Precisamos manter o sentido das proporções.

Mas mudou, também, a relação social de forças, e se abriu uma nova conjuntura. O 15M foi o início de uma resistência de massas. Pode se transformar em uma onda na preparação do #30M e, mais importante, no desafio do #14J. Mas não mudou ainda a situação. São dois níveis de análise distintos, em graus de abstração diferentes. Não é incomum que haja dissonâncias. A mesma situação atravessa conjunturas variadas. O tempo rápido das conjunturas não deve ser confundido com o tempo mais longo das situações. Sem uma vitória não é possível uma inflexão na relação social de forças. A ofensiva ainda está nas mãos da classe dominante. A força da classe dominante não equivale à força do governo. É muito maior. E a burguesia ainda não está disposta a romper com Bolsonaro. Quer enquadrá-lo.

No contexto maior está o agravamento da crise econômica. Os resultados do primeiro trimestre foram um banho de água fria. Há dois anos a economia brasileira anda de lado, depois do mergulho de 2015/16 que sacrificou mais de 7% da capacidade produtiva instalada. E agora imbicou. Uma contração. Os mais otimistas adiam para 2024 a retomada do patamar de 2014. Uma década perdida.

A crise do capitalismo brasileiro é grave. Ela é econômica e social. Os primeiros quatro meses e meio de governo Bolsonaro indicam que ela tende a transbordar em crise política de governo. Muitos pensam que o maior problema do Brasil é a estagnação. Não é, embora ela seja dramática, gravíssima. O maior problema persiste sendo a pobreza que sacrifica o dia a dia de mais de muitos e muitos milhões. O que explica este drama não é a estagnação. É a desigualdade social que não parou de crescer. A burguesia defende que a saída da crise passa pela retomada do crescimento para, no futuro, reduzir a miséria. A esquerda deve defender que a riqueza seja dividida para poder voltar a crescer.

Fonte: Revista Fórum.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar