Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 23 Dezembro 2019 17:52

Solidariedade Incondicional com a República Democrática da Coréia.

Avalie este item
(0 votos)
Mário Maestri

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

E nada de beijinhos e afagos com o Líder Celestial


Em 29 de novembro, o psolista Leonel Brizola Neto apresentou à Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro “Moção de Louvor e Reconhecimento” à República Democrática da Coréia.  Apoiava sua proposta no “esforço de seu povo e de seu Máximo Dirigente, Excelentíssimo Senhor Kim Jong-Un, na luta pela reunificação da Coréia e a necessária busca da paz mundial". A declaração foi entregue ao embaixador daquele país e publicada na agência estatal de notícias norte-coreana.  A iniciativa teve a quase nula repercussão habitual das inumeráveis outras moções de louvor apresentadas pelos édiles cariocas e nacionais, que homenageiam do time de várzea de seu município ao pedicure do vereador proponente. 
No dia 12, o jornal O Globo execrou a moção, servindo-se dela para mais um dos incessantes ataques ao Estado e à sociedade norte-coreana, apresentados como a quinta-essência da maldade do socialismo consubstanciada  no pequeno, cercado e atacado país. Imediatamente, em forma disciplinada, os vereadores do PSOL da Cidade Maravilhosa se dissociaram de Brizola Neto, criticando a moção que não fora “construída coletivamente pela bancada” e, portanto, não representaria a “posição do partido”. Parlamentares psolistas de todo o Brasil juntaram-se à “malhação do Judas” brizolista. 
Marcelo Freixo condenou a declaração do colega de partido propondo que, para ele,  a “democracia” é “um princípio inegociável”. O que causa espanto, já que, há poucos dias, aquele prefeiturávelvotou a favor do “pacote Mouro”, junto com os deputados golpistas, aprovando medidas repressivas, anti-populares e nada democráticas. No passado mês de agosto, registrou também ausência de purismo democrático quando de debate quase amoroso com a Bruxa do Impeachment
Fernanda Melchionna, que sonha com a prefeitura de Porto Alegre, companheira de Freixo na Câmara Federal e no apoio ao “Pacote Moro” e ao golpismo, em 4 de dezembro passado,  fez igualmente cara feia para Brizola Neto e a Coréia do Norte. Luciana Genro, companheira de Melchionna no MES, rejeitou altissoante qualquer apoio à RDC, por falta de democracia. Porém, no passado recente, ela negou o golpe de 2016, apoiou a prisão de Lula e rasgou elogios à Lava Jato e ao Juiz das Camisas Pretas. Tudo mui pouco democrático. 
Nós temos a força!
A República Democrática da Coréia nasceu de longa guerra de libertação contra a bestial ocupação colonial japonesa -1910-, dirigida pelo Partido dos Trabalhadores da Coréia. A ocupação estadunidense do sul da península e a formação de governos militares títeres levou à chamada Guerra da Coréia (1950-53). As tropas estadunidenses, no comando de coalisão internacional, realizaram arrasamento geral do norte da península. Para tal, serviram-se de quantidades monstruosas de Napalm. A seguir, organizaram assédio ininterrupto ao país, servindo-se dos governos ditatoriais sul-coreanos que se sucederam até fins dos anos 1980. 
O apoio que a RDC recebeu inicialmente da URSS e da China esmoreceu após a restauração capitalista na China, desde 1979, e na Rússia, em 1990. Então, a situação do país atacado tornou-se dramática.  Não contava mais com a proteção cabal dos grandes vizinhos e não podia acompanhar a corrida armamentista, devido à sua pequena dimensão territorial e populacional. A RDC possui  uns 26 milhões de habitantes e 120 mil km2, ou seja, menos da metade do do Rio Grande do Sul. O pequeno país livrou-se de invasão do imperialismo armando-se com a bomba atômica. Seu programa nuclear teria iniciado quando da dissolução da URSS, em 1989-90.
Em 2006, com os primeiros testes atômicos norte-coreanos, o imperialismo estadunidense impôs através da ONU, com a aquiescência da China e da Rússia, terrível bloqueio econômico à RDC, com o objetivo de obrigá-la a desarmar-se. Com isso, poderia implementar intervenção militar, ao igual do que no Iraque e na Líbia, sobretudo. As sanções votadas e aprovadas sucessivamente interromperam ou restringiram drasticamente o comércio internacional norte-coreano de petróleo, de carvão, de bens tecnológicos, de alimentos, de peixes, etc. Proibiu-se que os norte-coreanos trabalhassem no exterior. Diante da impossibilidade de intervenção militar em uma potência [mesmo pequena] atômica, o imperialismo procura fomentar crise econômica que leve ao desmoronamento interno das instituições coreanas, através de mais uma -“revolução de veludo”. O imperialismo procura restaurar a produção capitalista, reduzir o país à situação semi-colonial, aproximar-se das fronteiras chinesas. 
Os USA possuem 28.500 soldados e ogivas nucleares estacionados na Coréia do Sul. Assusta também aos  yankees, como ao Japão, uma reunificação da península, sob governo autônomo, que criaria uma grande potência na área, dispondo de armas nucleares. A China e a Rússia vêem também com desagrado o poder atômico da RDC e o desequilíbrio regional que a unificação da península criaria, com o surgimento de nação de quase oitenta milhões de habitantes e uma economia avançada. Com o acirramento da ofensiva dos USA contra a Rússia e a China, o bloqueio econômico à RDC tem sido contornado relativamente através do contrabando. A Coréia do Norte já declarou que compreenderá, como declaração de guerra, a tentativa dos USA de bloquear seu comércio marítimo.
Esquerda Faz de Conta
Sob a desculpa de dissociarem-se com o governo encabeçado por por Kim Jong-Un,  esquerdista como Marcelo Freixo, David Miranda, Sâmia Bomfim, Fernanda Melchionna, Luciana Genro aderem à campanha imperialista e neo-colonialista pela destruição da RDC. Posam de vestais ultra-democratas para bajular o eleitorado de classe média e média-alta. No passado, essa“esquerda faz de conta” apoiou os fundamentalistas islâmicos no Afeganistão; a restauração capitalista na URSS, na Iugoslávia, nos Estados operários do Leste Europeu, etc., propondo lhe serem desagradáveis os seus líderes e regimes autoritário e burocráticos. 
Defendiam, assim, a inferioridade de uma sociedade socialista, governada por ordem burocrática,  diante da superioridade da exploração capitalistas, no melhor dos casos, sob as aparências da democracia burguesa. Democracia formalmente representativa da qual dependem suas mordomias. Muitos desses transfugas do socialismo se definem ou se definiram no passado de trotskista. Apesar de León Trotsky ter dito sapos e lagartos dos “pequenos-burgueses” que apoiavam a destruição da URSS, sob a escusa de atacar a ditadura estalinista. Em defesa do marxismo, seu último e cintilante livro, antes de ser morto a mando do estalinismo,  foi escrito precisamente contra essa rendição oportunista ao grande capital.
Nos últimos anos, essa mesma esquerda que o capital gosta tem apoiado vivamente ataques imperialistas, não raro genocidários,  no Iraque, na Líbia, na Síria e agora no Irã, por torcerem o nariz aos regimes dessas nações, abraçando a retórica justificativa dos agressores.  Em geral, propõe a existência de movimentos revolucionários populares -quando não socialistas- lutando contra aqueles governo. Movimentos revolucionários que ninguém vê ou conhece, que são logo esquecidos quando os Estados e as nações ofendidas são destruídas. Fecham porém os olhos às tropas terroristas apoiadas e financiadas pelo imperialismo e seus aliados. 
No mesmo sentido, o revolucionário russo propunha a obrigação incontornável da defesa incondicional das nações e dos Estados atacados pelas potências imperialistas, seja qual seja seu regime - ditatorial, feudal, etc. Em setembro de 1937, em entrevista, propôs, como exemplo, o imperativo do apoio ao Brasil de Getúlio Vargas, que na época ele via como semi-fascista, contra um hipotético ataque imperialista da democratíssima Inglaterra. Essa foi sempre posição do marxismo revolucionário e da Internacional Comunista, até sua estalinização.
Nada de Beijo na Boca
Alguns intelectuais e democratas honestos, pequenas organizações políticas como o  PCB e o PCO, sítios de análise política como o Duplo Expresso saíram em defesa do direito à auto-determinação da RDC diante dos ataques do imperialismo, apoiados pela grande mídia. Dentre essas poucas vozes dissonantes, houve aquelas que foram mais longe e defenderam igualmente a organização econômico-social não-capitalista da RDC. Nas declarações desse último bloco, em alguns casos, expressou-se a contradição já presente na corajosa moção de apoio de Brizola Neto.
Voltando ao exemplo citado, Trotsky exigia a incondicional solidariedade a um país como o Brasil, sob regime ditatorial, no caso de ataque imperialista. Sem, porém, propor qualquer apoio ou defesa do regime getulista. Opor-se com unhas e dentes à destruição da autonomia da Iugoslávia, Iraque, Líbia etc. não significava dar carta branca a Slobodan Milošević, a Saddam Hussein e Muammar al-Kadafi. Entretanto, as críticas a esses dirigentes que não devem obscurecer o fato que morreram defendendo suas nações. Sustentar e celebrar em forma inarredável a reconquista total pelas tropas nacionais e seus aliados do território sírio, não implica adesão sem críticas a Bashar al-Assad e às instituições do país. Como a luta contra o golpe em 2016 e o impeachment podia ser feita, como foi feita por muitos, sem a defesa da ação do governo social-liberal de Dilma Rousseff.
A organização política norte-coreana, com o exótico caráter hereditário da direção do Estado e do Partido, não constitui forma de expressão do poder dos trabalhadores em um Estado socialista. Isso na RDC ou em qualquer outra parte do mundo. Aquela forma de governo não se trata de uma criação original, nascida de tradições nacionais orientais. Ela constitui a gestão de um Estado de economia nacionalizada e planejada por uma burocracia que se substitui aos órgãos soviéticos de poder. Ou seja, à gestão do Estado pelos trabalhadores. Em verdade, essa excrescência político-social, com seus privilégios inaceitáveis,  enfraquece a coesão interna e dificulta a defesa da RDC por seus apoiadores no exterior. 
Portanto, devemos nos juntar, todos, em torno da defesa plena e incondicional da autonomia da República Democrática da Coréia. E no caso dos que se propõem socialistas, da propriedade pública, do planejamento da economia, do monopólio do comércio exterior. Mas sem  beijinhos e afagos para com o Líder Celestial. [19.12.2019.]
Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar