Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 04 Setembro 2016 15:37 Última modificação em Terça, 06 Setembro 2016 01:07

CDF no PT do BR Destaque

Avalie este item
(5 votos)
Diego Bernal

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Comecemos por sublinhar que as línguas som complicadas. 


Cheguei à Universidade Federal de Viçosa, no Brasil, com a segurança que dá ter os dous diplomas mais importantes da língua portuguesa, o DUPLE e o CELPE-BRAS. E mesmo assim, nas minhas primeiras conversas, fiquei numha saia justa:

-Nesse semestre não tem aulas no DLA, vai dar aula no PVA.

-Ah, tá –respondim com cara de agonia.

-Fica na frente da BBT.

Sorriso mudo de desespero.

-A BBT fica à altura do MU e por trás da BBT cê já vê o PVA. Se preocupa não, é pertinho do DLA.

-Ah! Beleza então. Desculpe, você é de onde? Achei seu português meio diferente –disse com ironia.

-De BH!

Saím com vontade de tocar fogo nos meus diplomas.

Na verdade, tinha esbarrado com mais um traço identitário do português brasileiro: O uso corriqueiro de siglas e acrónimos.

As siglas e os acrónimos som um fenómeno lingüístico típico do século XX, resultado de um processo de criaçom lexical a partir de cada grafema inicial dos termos principais de uma expressom complexa. Nas siglas a palavra é pronunciada soletrando o nome de cada letra. Exemplos de siglas seriam UE  (Uniom Europeia) ou EUA (Estados Unidos da América). Os acrónimos, porém, som pronunciados sem soletraçom das letras que os componhem, OVNI (objeto voador nom identificado) ou LASER (Light Amplification by Stimulated Emission Radiation). Ambos ocorrem freqüentemente em tecnoletos ou como abreviaturas de organizaçons: partidos políticos, movimentos sociais, associaçons culturais...

Exemplos de siglas comuns no português do Brasil som FHC, polo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso; BH, por Belo Horizonte, capital do estado de Minas Gerais; CDF, sigla de cu de ferro, para quem é muito estudioso –em Portugal seria marrão/marrona-; MPB, Música Popular Brasileira, género musical surgido na década de 60; PF -prato feito-, típico na culinária brasileira, costuma ser económico e consiste normalmente num pedaço de carne acompanhado por arroz, feijom, batata frita e salada; TPM é a sigla de Tensão Pré-Menstrual, as mulheres no Brasil a combatem comendo o famoso brigadeiro; PT (Partidos dos Trabalhadores), partido governista no Brasil até ser afastado recentemente por um golpe de Estado; a PM, é a polícia militar e a UPP, Unidade de Polícia Pacificadora, postos da polícia nas favelas do Rio de Janeiro.

Acrónimos usados em português podemos citar os PALOP, Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, ou os nomes das provas de português língua estrangeira antes referidos, o DUPLE (Diploma Universitário de Português Língua Estrangeira) e o CELP-BRAS (Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros). O professor português Marco Neves no livro Doze Segredos da Língua Portuguesa informa-nos de que é habitual em Portugal, tanto na escrita quanto na fala informais, o acrónimo de origem inglesa Lol (Lots of Laughs). No Brasil, talvez um dos mais usado seja o acrónimo BOPE, Batalhão de Operações Policiais Especiais, mundialmente conhecida polos filmes Tropa de Elite 1 e 2.

De resto, a internet generalizou o uso de siglas para os países. Pt (Portugal), Br (Brasil), Gz/Gal (Galiza), Mz (Moçambique), Ao (Angola).

Por último, apontar que no Brasil som usadas com muita freqüência na escrita as siglas de cada um dos 26 estados brasileiros: RJ (Rio de Janeiro), MG (Minas Gerais), SP (São Paulo), PR (Paraná), BA (Bahia), GO (Goiás)…  

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar