Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Quinta, 28 Setembro 2017 00:24

Armas nucleares: Portugal deve estar do lado da paz

Avalie este item
(0 votos)
País: Portugal / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Abril Abril

O CPPC lançou uma petição em que, além de exigir a eliminação das armas nucleares e a sua não proliferação, reclama às autoridades portuguesas que assinem e ratifiquem o Tratado de Proibição das Armas Nucleares adoptado a 7 de Julho numa conferência das Nações Unidas.

A petição «Pela assinatura por parte de Portugal do Tratado de Proibição de Armas Nucleares – Pela paz, pela segurança, pelo futuro da Humanidade!» foi lançada recentemente pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) com o objectivo de que o destinatário – as autoridades portuguesas – assine e ratifique o Tratado de Proibição das Armas Nucleares.

O acordo foi adoptado a 7 de Julho deste ano, no âmbito de um conferência da Organização das Nações Unidas, «para negociar um instrumento legalmente vinculativo que proíba as armas nucleares, levando à sua eliminação total». O objectivo, partilhado pelos 122 estados promotores, «dá expressão à aspiração dos povos de um mundo livre de armas nucleares», frisa o texto da petição.

Desde 20 de Setembro, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares está aberto à assinatura e ratificação pelos diferentes estados-membros das Nações Unidas. Neste sentido, os promotores da petição defendem que Portugal, respeitando o consagrado no artigo 7.º da Constituição da República Portuguesa – que preconiza «o desarmamento geral, simultâneo e controlado» –, deve estar «do lado da paz e das iniciativas que a promovem», como o tratado referido.

Lembrando que «as armas nucleares são a mais grave ameaça que pende sobre a Humanidade», na medida em que «a sua utilização provocaria a morte e destruição generalizadas», e tendo em conta «a dimensão e potência dos arsenais nucleares actualmente existentes», bem como o contexto internacional, marcado por uma tensão crescente, o documento salienta que a exigência do desarmamento nuclear se coloca «com acrescida urgência».

Dia Internacional para a Eliminação Total das Armas Nucleares

Num comunicado emitido ontem, por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação Total das Armas Nucleares, o CPPC lembra que este dia foi declarado pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em Dezembro de 2013, tendo «como objectivo contribuir para a consciencialização e a educação sobre a ameaça que as armas nucleares representam para a Humanidade e para a necessidade da sua destruição».

Recordando que «o horror nuclear fez a sua tenebrosa aparição em Agosto de 1945 com os bombardeamentos de Hiroxima e Nagasáqui pelos Estados Unidos da América», o texto salienta que, na actualidade, «uma guerra nuclear não se limitaria a replicar o horror vivido nas duas cidades japonesas, antes o multiplicaria», em virtude «da dimensão e do poderio dos arsenais nucleares existentes».

Neste contexto, o comunicado lembra que, desde a década de 1950, com a campanha internacional em torno do chamado Apelo de Estocolmo, promovido pelo Conselho Mundial da Paz, «grandes mobilizações populares e a acção de alguns estados forçaram a celebração de compromissos visando a não-proliferação, o desanuviamento e o desarmamento, com vista ao fim das armas nucleares».

O Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, firmado em 1968, procurou «prevenir a disseminação deste tipo de armamento, ao mesmo tempo que apontava o "desarmamento geral e completo", incluindo a total eliminação das armas nucleares, sob "controlo internacional estrito e efectivo", objectivo que – salienta o CPPC – continua, ainda hoje, por cumprir».

Mais recentemente, em Julho deste ano, foi adoptado o Tratado de Proibição de Armas Nucleares – após um longo processo negocial e no âmbito de uma conferência das Nações Unidas –, que visa «negociar um instrumento legalmente vinculativo que proíba as armas nucleares e conduza à sua eliminação total».

O CPPC recorda, a este título, que os EUA se opuseram a esta conferência – e promoveram o boicote contra ela – e que a NATO se declarou contra a assinatura e a ratificação do tratado que dela emanou, «procurando impedir a existência de um instrumento jurídico internacional que pugne pela abolição deste armamento de destruição massiva».

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar