Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Quarta, 25 Outubro 2017 23:04 Última modificação em Quarta, 25 Outubro 2017 23:07

Pessoal da CelCat, em Sintra, não abdicam da sua dignidade

Avalie este item
(0 votos)
País: Portugal / Laboral/Economia / Fonte: Abril Abril

Os trabalhadores da multinacional americana General Cable CelCat, em Sintra, iniciaram mais uma greve parcial às 0h30 desta quarta-feira, com uma adesão de cerca de 90%. Vítimas de repressão, denunciam o horário ilegal imposto pela empresa.

Este é já o sexto protesto que os trabalhadores da Celcat se vêem obrigados a fazer este ano, mas nem por isso a adesão diminuiu. Luís Santos, dirigente do Sindicato das Indústrias Eléctricas do Sul e Ilhas (SIESI/CGTP-IN), fala de uma «unidade extraordinária», vincando que os trabalhadores «não arredam pé».

A decisão de avançarem para a greve parcial foi novamente tomada em plenário. Desde as 0h30 de hoje até à mesma hora do dia 28 de Outubro, haverá paralisações de quatro horas por turno – duas horas ao início e duas horas ao fim de cada turno.

Entre as dificuldades que os trabalhadores enfrentam, e que servem de suporte ao protesto, está a exigência de aumentos salariais. Luís Santos denuncia que, fazendo o somatório dos pequenos aumentos verificados ao longo de dez anos, não se consegue contabilizar 20 euros.

Os trabalhadores acusam, no entanto, a empresa de discriminação, pelo facto de a política de aumentos reduzidos não se ter aplicado a «um grupo restrito» de funcionários.

Por outro lado, contestam a ilegalidade do horário praticado, de seis dias com laboração de sete horas seguidas no primeiro turno, sem pausa para descanso ou refeição. «Já sabemos a penosidade que é trabalhar no turno da madrugada, mesmo assim ainda trabalhamos mais um dia e sem pausa para refeição», denuncia Luís Santos.

O dirigente sindical revela que a ilegalidade do horário de trabalho motivou a apresentação de uma queixa à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) em 2014. A ausência de resposta obrigou a nova queixa no início deste ano.

«Entretanto, já tivemos uma reunião e, apesar de não nos terem dado ainda o parecer, já nos transmitiram que os trabalhadores têm razão e que a empresa vai ser autuada porque está em incumprimento», revela.

A discussão entre a CelCat e o seu pessoal decorreu ao longo do último ano no Ministério do Trabalho. Perante a impossibilidade de chegarem a um consenso, os trabalhadores esperam agora que a ACT seja rápida a anunciar o parecer para que, admite Luís Santos, «se a empresa não alterar o horário de trabalho, possamos utilizar as ferramentas que estiverem ao nosso alcance».

A revisão de cláusulas referentes a férias, o pagamento do trabalho complementar, subsídios de alimentação e anuidades contidas no Acordo de Empresa integram também o conjunto de reivindicações.

«Está a ver o tipo de repressão que a gente sofre»

Além de não verem respeitados os direitos laborais, os trabalhadores da empresa de cabos eléctricos vêem-se a braços com uma série de repressões que por sua vez motivam a entrada de acções em tribunal.

Hoje foi dia de vitória para um dos funcionários, que havia sido penalizado com falta injustificada e com perda salarial por causa do tempo investido na comissão de trabalhadores. «Por mais que a gente tenha dialogado com a empresa, ao fim de um ano tivemos que ir para tribunal. Hoje chegaram a acordo, tiveram que pagar ao trabalhador e retirar a falta injustificada», frisa Luís Santos.

Acrescenta que existem outros casos pendentes em tribunal, designadamente o de um trabalhador da comissão sindical que também foi penalizado. «A acção já entrou em tribunal e vamos lá no dia 2 de Novembro». Esclarece o dirigente sindical que, «no dia da greve, no ano passado, retiraram-no da laboração contínua, ficando com uma penalização de 30% no ordenado, e retiraram-no também da máquina onde trabalhava há 16 anos».

O caso mais recente aconteceu aquando da greve realizada em Setembro. Luís Santos conta que o director fabril foi «à casa de banho abrir as portas e chamar os trabalhadores que lá estavam», ou seja, aqueles «com vínculo precário, que não são efectivos e que por isso não fizeram greve». «Está a ver o tipo de repressão que a gente sofre», conclui.

«QUEM É QUE A CELCAT QUER ENGANAR?»

Num abaixo-assinado entregue em Abril, os trabalhadores recordavam que, apesar de a direcção ter argumentado dificuldades financeiras para impor pequenas actualizações dos salários, que não fizeram face ao aumento do custo de vida, no início de 2016, a empresa distribuiu seis mil milhões de dólares pelos seus accionistas.

Na sua página online, a empresa apresenta-se como «um dos maiores fabricantes de fios e cabos na Europa & Mediterrâneo».

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar