Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Terça, 09 Janeiro 2018 23:03

Adeus, “nação valente”: Sinais de uma visita da CIP a Bruxelas

Avalie este item
(1 Voto)
País: Portugal / Institucional / Fonte: Jornal Mudar de Vida

[Manuel Raposo] Quando em Novembro passado se ultimava o Orçamento do Estado para 2018, falou-se pouco de uma deslocação dos dirigentes da CIP a Bruxelas onde foram “queixar-se” das medidas propostas no documento.

Naturalmente, o sr. Saraiva e consortes dizem ter ido “apresentar os seus pontos de vista”. Porém, não é nas exigências da CIP, já conhecidas e sempre as mesmas, que reside o interesse do caso, mas sim no posicionamento político, que a visita revela, do capital industrial no quadro da “Europa Unida”.

Em boa verdade, a CIP foi tentar em Bruxelas que o OE não passasse por bom e, se possível, fosse chumbado. Foi portanto lá fora pedir ajuda para o que não conseguia cá dentro. Teve a acolitá-la internamente o inevitável Passos Coelho, mesmo já reduzido a uma fantasmagoria, e a frenética Cristas, animada pelo estado comatoso do PSD.

Os frutos foram escassos para tanto esforço: a Comissão Europeia apenas voltou a dizer o que tem dito desde 2016 — que as contas passam mas que o “défice estrutural” (leia-se a necessidade de reduzir as despesas de carácter social) não está bem. É, em todo o caso, uma meia vitória da direita, na medida em que a espada dos cortes sociais continua em condições de desferir o seu golpe sobre a cabeça dos assalariados portugueses.

Mas a diligência dos industriais mostra sobretudo como esta burguesia se sente irmã das burguesias europeias e vê nas instituições de Bruxelas as instituições capazes de defender os seus interesses de classe. A Assembleia da República, o debate parlamentar, a posição dos partidos nacionais, a aprovação pelo presidente da República — estão reduzidos à condição de formalismos por enquanto inevitáveis. As grandes forças e as grandes jogadas são lá fora, junto dos pares europeus.
E repare-se que a CIP não fala apenas em nome do grande capital: expressa também a posição do (para não ir mais longe) médio capital, que está hoje igualmente dependente dos laços europeus urdidos nos últimos 30 anos.

O capital industrial revela assim o seu entrosamento com o capital europeu, do qual é parte integrante e com o qual se encarrega de levar a cabo a exploração comum dos assalariados portugueses. Estamos, pois, longe de uma burguesia “nacional” em conflito com o capital “internacional”, longe de uma suposta “colonização” do capital português pelo estrangeiro. Esta burguesia, portuguesa de nascimento, faz parte desse capital internacional e os conflitos que possa ter com as demais burguesias não põem em causa a sua pertença a uma mesma família.

A consonância do PSD e do CDS com a CIP neste episódio do OE apenas traduz o facto de — a par de uma fusão de interesses entre o capital português e europeu — se ter criado também, necessariamente, no plano da representação partidária, uma corrente política “europeia” para a qual os interesses próprios do país só contam na medida em que se integrem nos grandes desígnios do capital europeu.

Efeitos da “integração europeia”. Nada de admirar se, cada vez mais, a burguesia portuguesa for queixar-se a Bruxelas. E se os Passos Coelho e as Cristas cuidarem de se aperfeiçoar como altifalantes dos Schäuble e dos Juncker.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar