Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 31 Julho 2017 09:06 Última modificação em Quinta, 03 Agosto 2017 20:51

Grave erro novo do Partido Comunista chileno

Avalie este item
(0 votos)
País: Chile / Batalha de ideias / Fonte: Blog de Breno Altman

[Breno Altman] Após o golpe de Estado ocorrido em 1973, os comunistas tiveram a coragem política e a honestidade de fazerem uma profunda autocrítica de sua política anterior, atribuindo a essa orientação – em grande medida – as fragilidades da esquerda local em resistir à insurgência militar dirigida por Pinochet, o imperialismo e a burguesia chilena.

A decorrência disso foi a chamada linha de rebelião popular, vigente nos anos 70 e 80, com a construção da Frente Patriótica Manuel Rodriguez (braço armado do PCCh até 1987), a formação de uma frente com o MIR e a esquerda do PS, além de setores católicos e independentes, o esforço em todas as trincheiras por uma alternativa democrático e popular à ditadura pinochetista.

Nos anos 90 e no início do século atual, com a debandada dos socialistas para um acordo com a democracia-cristã, sob a égide da Concertação, o PCCh manteve a estratégia de construir um bloco popular independente, inclusive no plano eleitoral, apresentando candidaturas próprias a presidente.

Mas há alguns anos, possivelmente esgotados do longo período de marginalização institucional, pois o sistema eleitoral binominal herdado da ditadura interditava a vitória de candidatos comunistas ao parlamento, os herdeiros de Recabaren deram um giro em sua política e ingressaram na coalizão centrista de socialistas e democratas-cristãos, denominada Nova Maioria, que elegeu Michelle Bachelet para um segundo mandato como presidente.

Os comunistas puderam, então, eleger uma meia dúzia de deputados, pela aliança a qual se somavam, mas se comprometeram com um governo atolado nos marcos do neoliberalismo, incapaz de enfrentar com firmeza os entulhos da ditadura e amarrado aos interesses do grande capital.

Mesmo que, verdade seja dita, Bachelet tenha tentado ir algo além de políticas compensatórias, com o apoio dos comunistas, incluindo acenos para a convocação de uma Assembleia Constituinte (a Constituição chilena ainda é a da era Pinochet, imposta em 1980!), sua administração é ancorada em uma aliança político-social aprisionada pela lógica do capital financeiro e suas expressões políticas, como a própria DC e setores socialistas alinhados ao ex-presidente Ricardo Lagos, uma espécie de FHC local.

Próximos a novas eleições presidenciais, os chilenos assistem o crescimento de uma candidatura que, pela esquerda, ameaça romper com a polarização entre a direita e o campo da antiga Concertação.

Trata-se de Beatriz Sánchez, da Frente Ampla, apoiada por vários dos antigos aliados comunistas anteriores à adesão do partido ao esquema de poder do PS com a DC.

Mas o PCCh, que poderia ser uma força decisiva para ampliar as chances de uma alternativa progressista, segue amarrado a Nova Maioria, como uma corrente secundária e subordinada, passando ainda a vergonha de pertencer a um governo que ataca diuturnamente a revolução bolivariana e o governo venezuelano.

O partido ganhou algum conforto depois do rompimento da DC com a antiga coalizão, ocorrido há alguns meses, o que permite vender a hipótese de que a Nova Maioria poderá sair do pântano e assumir posições mais à esquerda.

Mas o fato triste é que o heroico PCCh, coluna vertebral do governo Allende e da resistência, novamente atolou em uma política que retira da classe trabalhadora independência, protagonismo e capacidade de confrontação.

O erro é novo, de fato, mas a matriz talvez seja antiga. A mesma que foi severamente criticada depois da derrota de 1973.

Após o golpe de Estado ocorrido em 1973, os comunistas tiveram a coragem política e a honestidade de fazerem uma profunda autocrítica de sua política anterior, atribuindo a essa orientação – em grande medida – as fragilidades da esquerda local em resistir à insurgência militar dirigida por Pinochet, o imperialismo e a burguesia chilena.

A decorrência disso foi a chamada linha de rebelião popular, vigente nos anos 70 e 80, com a construção da Frente Patriótica Manuel Rodriguez (braço armado do PCCh até 1987), a formação de uma frente com o MIR e a esquerda do PS, além de setores católicos e independentes, o esforço em todas as trincheiras por uma alternativa democrático e popular à ditadura pinochetista.

Nos anos 90 e no início do século atual, com a debandada dos socialistas para um acordo com a democracia-cristã, sob a égide da Concertação, o PCCh manteve a estratégia de construir um bloco popular independente, inclusive no plano eleitoral, apresentando candidaturas próprias a presidente.

Mas há alguns anos, possivelmente esgotados do longo período de marginalização institucional, pois o sistema eleitoral binominal herdado da ditadura interditava a vitória de candidatos comunistas ao parlamento, os herdeiros de Recabaren deram um giro em sua política e ingressaram na coalizão centrista de socialistas e democratas-cristãos, denominada Nova Maioria, que elegeu Michelle Bachelet para um segundo mandato como presidente.

Os comunistas puderam, então, eleger uma meia dúzia de deputados, pela aliança a qual se somavam, mas se comprometeram com um governo atolado nos marcos do neoliberalismo, incapaz de enfrentar com firmeza os entulhos da ditadura e amarrado aos interesses do grande capital.

Mesmo que, verdade seja dita, Bachelet tenha tentado ir algo além de políticas compensatórias, com o apoio dos comunistas, incluindo acenos para a convocação de uma Assembleia Constituinte (a Constituição chilena ainda é a da era Pinochet, imposta em 1980!), sua administração é ancorada em uma aliança político-social aprisionada pela lógica do capital financeiro e suas expressões políticas, como a própria DC e setores socialistas alinhados ao ex-presidente Ricardo Lagos, uma espécie de FHC local.

Próximos a novas eleições presidenciais, os chilenos assistem o crescimento de uma candidatura que, pela esquerda, ameaça romper com a polarização entre a direita e o campo da antiga Concertação.

Trata-se de Beatriz Sánchez, da Frente Ampla, apoiada por vários dos antigos aliados comunistas anteriores à adesão do partido ao esquema de poder do PS com a DC.

Mas o PCCh, que poderia ser uma força decisiva para ampliar as chances de uma alternativa progressista, segue amarrado a Nova Maioria, como uma corrente secundária e subordinada, passando ainda a vergonha de pertencer a um governo que ataca diuturnamente a revolução bolivariana e o governo venezuelano.

O partido ganhou algum conforto depois do rompimento da DC com a antiga coalizão, ocorrido há alguns meses, o que permite vender a hipótese de que a Nova Maioria poderá sair do pântano e assumir posições mais à esquerda.

Mas o fato triste é que o heroico PCCh, coluna vertebral do governo Allende e da resistência, novamente atolou em uma política que retira da classe trabalhadora independência, protagonismo e capacidade de confrontação.

O erro é novo, de fato, mas a matriz talvez seja antiga. A mesma que foi severamente criticada depois da derrota de 1973.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar