Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Sábado, 19 Outubro 2019 23:35 Última modificação em Sábado, 09 Novembro 2019 12:09

Protestos avançam no Chile; Santiago está em estado de emergência Destaque

Avalie este item
(0 votos)
País: Chile / Reportagens / Fonte: Vermelho

[Isabela Vargas] O presidente do Chile, Sebastian Piñera, decretou na noite desta sexta-feira (18) estado de emergência na capital Santiago e em Chacabuco.

A medida foi uma resposta aos grandes protestos contra o aumento da tarifa do metrô. As manifestações começaram na segunda-feira (14 ), quando estudantes começaram a entrar nas estações do metrô sem pagar, pulando as catracas. Alguns dias depois, ficou claro que tinham apoio da população.

Com o lema “Evadir es una forma de lucha”, várias pessoas de todas as idades passaram a imitar a ação dos estudantes e protegê-los da polícia e dos funcionários da empresa Metrô Santiago. Na sexta-feira, o conflito chegou ao nível máximo de tensão, já que o governo respondeu com reforço no policiamento dentro do metrô. O resultado: incêndios, panelaços e confronto direto entre manifestantes e os carabineiros (integrantes da força policial no Chile).

Se durante a semana a empresa tentou contornar situação fechando as portas e interrompendo os serviços em algumas estações, na sexta – à medida que os conflitos se acirravam – mais e mais estações suspendiam os serviços até que linhas inteiras ficaram sem funcionar. O metrô suspendeu totalmente os serviços, e as pessoas tiveram de ir para casa de ônibus, carro e bicicletas. Muitas delas caminharam por horas. A cidade ficou um caos com muita gente desorientada, sem saber o que fazer.

Um panelaço no fim do dia foi a forma que os santiaguinos encontraram para serem ouvidos pelos governantes. Enquanto se escutavam as buzinas e as panelas, o governo preparava uma nova surpresa para a população. Pouco antes da meia-noite, o presidente fez um pronunciamento à nação e, enquanto a TV transmitia seu discurso, um novo panelaço tomou conta da cidade. Piñera declarou estado de emergência. Mas o que significa isso?

É um mecanismo usada em caso de grave alteração da ordem pública ou de ameaça à segurança nacional. Uma vez declarado, as regiões ficam sob o comando da Defesa Nacional. As forças armadas já estão nas ruas e cabe a elas autorizar reuniões em locais públicos e manter a ordem quando elas acontecerem. Também controla a entrada e saída de pessoas nas regiões que estão sob estado de emergência – no caso, a Grande Santiago.

Nesse momento, o metrô não está funcionando e, com os danos ocasionados, ficou claro que será impossível retomar a normalidade na próxima segunda-feira – ainda mais com o exército nas ruas. Muitas pessoas veem a medida do governo Piñera como um ato desesperado, diante do apoio da população aos protestos. Recorrer às forças armadas ajuda a relembrar um período sombrio que ainda amedronta muita gente no Chile: a ditadura militar (1973-1990).

Ainda é cedo para avaliar se a decisão realmente terá o efeito desejado pelo governo. O certo é que os protestos dos estudantes deixaram claro que no Chile ainda existe uma sociedade extremamente dividida, injusta e descontente com a estrutura social.

O valor da passagem no metrô na hora do pique (hora punta) foi reajustado a CLP 830 (R$ 4,77). No ônibus, a tarifa agora custa CLP 710 (R$ 4,11). Desde março de 2018, o atual governo já reajustou três vezes as tarifas, utilizando uma polêmica fórmula de cálculo. Antes, considerava-se o preço do combustível, o aumento do custo da mão de obra, o valor do dólar e o Índice de Preços ao Consumidor (IPC). Agora, foi incluído o custo de energia elétrica, sob a justificativa de que a cidade utiliza ônibus elétricos para complementar o serviço do metrô.

Alguns especialistas indicam que o aumento, na realidade, seria justificado pela inauguração de novas e modernas linhas (3 e 6), entregues recentemente. Elas funcionam há menos de dois anos. A própria ministra dos Transportes, Gloria Hutt, chegou a declarar que, em 2021, quando o atual subsídio para transporte público na capital terminar, a passagem de metrô pode chegar a CLP 1.000.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar