Publicidade

Diário Liberdade
Terça, 21 Agosto 2018 06:46 Última modificação em Segunda, 03 Setembro 2018 01:03

Bases militares dos EUA na América Latina e no Caribe: o plano da América do Sul Destaque

Avalie este item
(2 votos)
País: América Latina / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Granma

[Raúl Capote Fernández] Os Estados Unidos têm cerca de 800 bases militares em todo o mundo, incluindo mais de 76 na América Latina. Entre as mais conhecidas, destacam: 12 no Panamá, 12 em Porto Rico, 9 na Colômbia e 8 no Peru, com o maior número concentrado na América Central e no Caribe.

Em março de 2018, o Comando Sul dos EUA tornou pública uma informação sobre sua estratégia para a nossa região, nos próximos dez anos, os principais «perigos» ou «ameaças» identificadas e a maneira de enfrentá-las. Nelas mencionou Cuba, Venezuela, Bolívia, «a luta contra o narcotráfico», redes regionais e transnacionais ilegais, maior presença da China, Rússia e Irã na América Latina e no Caribe, assistência perante desastres — lembre-se a «ajuda» dada ao Haiti, quando do terremoto — bem como o papel atribuído às forças de segurança de cada país em diferentes áreas relacionadas com a segurança interna, regional e internacional1.

O atual Comandante do Comando Sul, almirante Kurt Tidd, apresentou em fevereiro de 2018 ao Congresso os cenários planejados para o continente, objetivos, meios e estratégias de acordo com a Estratégia Nacional de Defesa (2018) e a Estratégia Nacional de Segurança (2017- 2018)2.

«Em termos de proximidade geográfica, comércio, imigração e cultura, não há outra parte do mundo que afete mais o cotidiano dos Estados Unidos do que a América Central, a América do Sul e o Caribe»3, afirma-se.

Os desafios para a hegemonia, afirma o almirante dos EUA, serão defrontados por meio de uma «Rede de Redes», operada pelo Comando Sul em parceria com as agências dos EUA e os aliados. Três Forças-Tarefas Conjuntas atuarão nesse plano: Força-Tarefa Conjunta-Bravo (na base aérea de Soto Cano, em Honduras); a Força-Tarefa Conjunta em Guantánamo e a Força Tarefa Interinstitucional e Conjunta-Sul (Key West, Flórida).

A resposta em casos de contingências inclui: Defesa do Canal do Panamá e da área do Canal do Panamá; Operações de controle de migração; Assistência humanitária e resposta a desastres; Operações militares unilaterais, bilaterais ou multilaterais realizadas pelas forças em resposta a qualquer crise4.

Segundo o relatório do almirante Kurt Tidd, Cuba continua ameaçando os interesses dos Estados Unidos na região, por meio de atividades de vigilância e contrainteligência em vários países. O exemplo mais claro é sua influência na Venezuela (serviço de inteligência e forças armadas).

A Colômbia é o ator-chave na região, depois de seu novo relacionamento com a OTAN. A Colômbia investiu 3,1% do seu PIB em gastos militares, em 2017, equivalente a US$ 9,7 bilhões (9.713.000.000). O investimento desse país é o segundo mais alto da região sul-americana, de acordo com o total de gastos militares, apenas abaixo do Brasil. O terceiro país com mais recursos destinados aos seus exércitos é a Argentina, com US$ 5,6 bilhões (5.680.000.000), o equivalente a apenas 0,9% de seu PIB.

No México, os gastos militares aumentaram consideravelmente nos últimos dez anos, atingindo 47,5% (seis bilhões de dólares), o que representa pouco mais de 2,5% do PIB. Esse aumento ocorre paralelamente a cortes substanciais em ciência e tecnologia, saúde e educação.

A instalação de uma base militar dos EUA em Neuquén, na Argentina, nos oferece um fato interessante: a empresa YPF encontrou um enorme campo de petróleo em Neuquén em 2011, e em 2018 os EUA anunciam que vão construir uma base de ajuda humanitária naquele local.

Os Estados Unidos dividem o mundo em nove comandos para a América Latina e o Caribe. O Comando Sul, com sua rede de bases militares, incluindo a Quarta Frota, que é em si um conjunto de bases altamente operacionais, com grande capacidade de deslocamento, constitui uma séria ameaça.

Essas bases não são apenas militares, embora todas sejam em sua essência. Existem bases que funcionam como centros de guerra midiática e ciberguerra, o Comando Sul trabalha em conjunto com a NASA, a Agência de Inteligência Geoespacial e as Forças Armadas brasileiras — e outros países — em um projeto para a criação de um satélite para a Iniciativa Cyber-Container Sul: análise de redes para detectar atividades maliciosas na rede. Desenvolvido em conjunto com o Departamento de Segurança Nacional (DHS), o Departamento de Defesa e o Bureau Federal de Investigações (FBI)5.

À recente visita do almirante Kurt W. Tidd, à Colômbia, se acrescenta a reunião multinacional de segurança marítima efetuada em Miami. Nesta segunda reunião — a primeira foi em dezembro de 2017 — foi assinada uma carta de intenções entre os Estados Unidos, a Colômbia e o México, para «proteger a soberania das águas territoriais e das zonas econômicas exclusivas de cada nação». Esta «segurança marítima» cobriria o Golfo do México, parte da América Central e do Caribe colombiano.

Nos últimos anos, o Peru também se tornou um ator importante na implantação militar dos EUA na região, com a instalação de bases na floresta peruana e os Centros Regionais de Operações de Emergência (COER).

Enquanto o almirante Kurt W. Tidd visitava a Colômbia, o ministro da Defesa, Oscar Aguad, e a ministra da Defesa, Patricia Bullrich, do governo argentino, reuniram-se nos EUA com funcionários do Departamento do Estado, o FBI, a DEA e com a liderança do Comando Sul. A Argentina autorizou os Estados Unidos a instalarem uma base militar na Tríplice Fronteira, entre seu território, Paraguai e o Brasil, enquanto Bullrich assinou um acordo para criar um Centro Regional de Inteligência em Usuhaia (Patagônia Argentina).

No início de janeiro de 2018, ocorreu a chegada de militares dos EUA ao território panamenho, uma força militar que permaneceria até depois das eleições realizadas em abril na Venezuela. A desculpa: «a defesa do Canal do Panamá».

O cerco se estreita, a guerra que os Estados Unidos estão travando contra a Venezuela precisa de uma força regional que intervenha não apenas econômica e politicamente, mas também militarmente.

A renovada interferência direta e indireta nas Forças Armadas, a Polícia Nacional e a soberania nacional do Equador, facilitada pelo governo de Lenin Moreno, que inclui treinamento, inteligência, troca de informações e acesso a escolas militares, onde oficiais militares do Equador poderão «treinar», a presença de soldados norte-americanos em solo equatoriano, sob o pretexto de combater o terrorismo e o tráfico de drogas, constitui um grave perigo. O vice-comandante do Comando Sul, Joseph P. DiSalvo, em uma visita ao Equador, reuniu-se com as mais altas autoridades para «coordenar ações».

«Precisamos pensar em uma nova estratégia que mais do que um Plano Colômbia seja um plano Sul-americano, onde todos possam combinar seus esforços e, assim, lutar contra isso», disse DiSalvo em uma entrevista à mídia equatoriana.

O renascimento da Doutrina Monroe, evocada por Tillerson quando advertiu sobre a ameaça que representa para os «nossos valores democráticos» a presença comercial da China e da Rússia na região, mostra um renascer do pior curso de ação do pensamento imperial.

O objetivo do império é aumentar a presença militar na região, a fim de garantir seus interesses hegemônicos no hemisfério, consolidar um front contra a Venezuela e perpetuar seu controle sobre os imensos recursos econômicos da América Latina e do Caribe.

A frase de Bolívar parece adquirir mais valor hoje do que nunca: «Os Estados Unidos parecem destinados pela Providência a encher a América da miséria, em nome da liberdade».

Notas de rodapé

1www.southcom.mil/Portals/7/Documents/USSOUTHCOM_Theater_Strategy_English_(FINAL) .pdf? Ver = 2017-10-26-124307-193 & timestamp = 1509036213302

2 www.southcom.mil/Portals/7/Documents/Posture%20Statements/SOUTHCO ...

3 www.southcom.mil/Portals/7/Documents/Posture%20Statements/SOUTHCO ...

4 www.defense.gov/Portals/1/Documents/pubs/2018-National-Defense-S ...

5 Estratégia do teatro 2017-2027 Comando Sul dos EUA uu

www.resdal.org/ultimos-documentos/usa-command-strategy.pdf

www.defense.gov/Portals/1/Documents/pubs/2018-National-Defense-Strategy-Summary.pdf

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar