Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 23 Agosto 2018 12:45 Última modificação em Segunda, 27 Agosto 2018 22:54

Por que os EUA são a principal ameaça para a América Latina e o Caribe como zona de paz?

Avalie este item
(2 votos)
País: América Latina / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Granma

[Yisell Rodríguez Milán] Em 2018, o governo dos EUA intensificou sua intervenção na América Latina e no Caribe. Para 2019, Trump aprovou um orçamento recorde de 716 bilhões de dólares para a Defesa.

Mais de 76 bases militares na América Latina, apoio a golpes militares e judiciais contra presidentes, a tentativa de assassinato contra Nicolás Maduro, sanções e bloqueios econômicos, o uso de organizações como a desacreditada OEA contra governos progressistas e a aplicação de métodos subversivos com base no consumo cultural através da mídia e a Internet e o apoio a figuras ultraconservadoras da direita em sua ascensão a altas posições políticas, são algumas das estratégias e ações aplicadas pelos Estados Unidos na América do Sul e no Caribe em sua ânsia de reverter, de maneira total, as vitórias alcançadas pelos governos progressistas nas últimas décadas.

Em janeiro de 2014, a 2ª Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) proclamou a região como Zona de Paz, mas as diferentes administrações dos EUA parecem determinadas a desmantelar esse consenso, especialmente durante este ano.

Pelo menos três emissários do poder dos EUA percorreram a região com mensagens contrárias aos princípios de não-interferência, solução pacífica de controvérsias para banir o uso e a ameaça do uso da força neste hemisfério, a promoção de uma cultura de paz e a obrigação de não intervir, direta ou indiretamente, nos assuntos internos de qualquer outro Estado, todos contidos nos documentos assinados pelos membros da Celac.

Rex Tillerson, que em fevereiro atuou como secretário do Estado dos EUA, antes de iniciar sua turnê mensal pela região, anunciou que 2018 seria «o ano das Américas» e deixou claro que eles procurariam encorajar a divisão e submissão entre os países e governos da América Latina.

Em junho, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, também fez uma turnê com a clara intenção de criar alianças para sancionar a Venezuela. «O objetivo é fortalecer a segurança regional com nossos aliados no hemisfério (...) ameaçados pelo (...) governo da Venezuela», disse a porta-voz, Alyssa Farah.

O primeiro passo no itinerário de Pence foi estabelecer vínculos com o líder golpista Michel Temer e garantir que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva permanecesse na prisão. No Equador, por outro lado, anunciou uma doação de 1,5 milhão de dólares para lutar «contra a corrupção e fortalecer a sociedade civil», como símbolo de um novo capítulo nas relações bilaterais, com Lenin Moreno ao leme daquela nação.

Agora é o secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, que visita o Brasil, Argentina, Chile e Colômbia, que, levando em conta os princípios da estratégia de defesa nacional norte-americana, leva os analistas a pensar que a região do Caribe está se tornando uma área de futuros conflitos.

OS FACTOS VALIDAM A TESE:

- O presidente da Bolívia, Evo Morales, acaba de denunciar uma «invasão encoberta» contra a América Latina por meio do envio, pelos Estados Unidos, de uma embarcação capaz de transportar helicópteros de guerra. A desculpa: precisa fornecer ajuda humanitária aos venezuelanos que vivem na Colômbia.

- As capacidades do Comando Sul são fortalecidas, com sua rede de bases militares, incluindo a 4ª Frota.

- Culturalmente: o grande capital movimenta importantes meios de comunicação, igrejas e empresas de tecnologia, a fim de desmobilizar a juventude politicamente e promover a alegada não viabilidade do socialismo ou a aplicação de políticas de justiça social do Estado.

- A Doutrina Monroe é revitalizada. A Estratégia de Segurança Nacional de 2017, a Estratégia Nacional de Defesa e as declarações de altos funcionários do governo Trump confirmam isso.

- Os Estados Unidos continuam promovendo iniciativas não-governamentais, a articulação de campanhas antissistêmicas na mídia e a cooperação entre os poderes judiciais com organizações controladas por Washington, para desenvolver uma guerra seletiva e brutal contra a esquerda na região.

- Os empresários são promovidos como atores políticos e os programas e formas de luta de muitos partidos são atualizados, baseados em parâmetros neoliberalizantes.

Essas estratégias estão alinhadas aos esquemas de «mudança de regime», que exigem milhões de vítimas em várias partes do mundo e promovem a violência, a guerra, as crises humanitárias e a instabilidade a qualquer custo.

Nada está mais longe dos preceitos da Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, que o governo dos Estados Unidos insiste em desconhecer, ignorar e não afirmar, já que seus interesses hegemônicos nada têm a ver com respeito, compreensão, cooperação e coexistência pacífica entre nossos povos.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar