Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 27 Agosto 2018 13:13 Última modificação em Quinta, 30 Agosto 2018 23:30

Migrantes venezuelanos, guerra econômica e manipulação midiática

Avalie este item
(1 Voto)
País: Venezuela / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Abril Abril

É notícia diária o fluxo migratório de venezuelanos. As autoridades bolivarianas não negam as dificuldades no país, que enfrentam no contexto de guerra econômica e midiática.

Nos últimos tempos, é certo que, num canal de TV nacional, passe um peça sobre os migrantes venezuelanos. Encontrar, nos mesmos órgãos de comunicação, algo do gênero – e, se possível, com maior qualidade jornalística – sobre os retrocessos sociais e econômicos no Brasil pós-golpe, sobre a matança diária de dirigentes sociais e defensores dos direitos humanos na Colômbia atual ou sobre a miséria na Argentina de Macri parece coisa do mundo da fantasia.

Já a Venezuela é certa. Distorcida, num ritmo diário, em peças que, frequentemente, apelam às emoções, centrando-se no "lado humano e pessoal" de quem padece o fenômeno migratório, mas que, de enquadramento político e econômico pouco ou nada têm.

E sobre os nossos, a geração troikenta que passou fome ou outras necessidades aqui e acolá, não lhes ocorre nada, até porque, na versão nossas TV passam, para os Tugas emigrar é uma festa, uma espécie de turismo, com muitos copos, cenas filmadas em restaurantes com bons pratos e palavras novas para aprendermos, uns e outros. Uma troca feliz, um encontro. E tanto que se falava de remessas, do bom que era, como que a darem razão a quem tinha mandado a malta daqui para fora. Tudo bom, tudo indolor.

Todo o oposto dos venezuelanos, miseráveis e sofridos e fustigados pela Revolução Bolivariana. É um dia sim e o outro também, nas nossas TV. É a "crise dos migrantes venezuelanos".

"Todos os que regressarem são bem-vindos"

Lembra a Prensa Latina, numa peça hoje publicada, que, na passada quinta-feira, Filippo Grandi, diretor do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), e William Lacey Swing, diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM), pediram maior apoio para os países que recebem refugiados e migrantes venezuelanos – Colômbia, Brasil e, sobretudo, Equador e Peru.

De acordo com estas organizações, mais de 1,6 milhões de pessoas emigraram da Venezuela nos últimos três anos, 90% das quais estão em países da América do Sul. Indicaram ainda que, no total, há 2,3 milhões de venezuelanos vivendo no estrangeiro.

Ainda no dia 23, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Venezuela, Jorge Arreaza, recebeu o novo representante do Alto Comissariado da ACNUR no país sul-americano, Matthew Crentsil, que se comprometeu a trabalhar em coordenação com o governo de Caracas.

Na véspera, o vice-presidente venezuelano da Comunicação, Cultura e Turismo, Jorge Rodríguez, exortou os seus compatriotas emigrantes a regressar ao país e a participar no programa de recuperação econômica que o governo promove, nomeadamente através da criação de uma nova moeda, um novo sistema de câmbio, a fixação de preços para bens de primeira necessidade, a fiscalização rigorosa da especulação de preços e uma reforma tributária e fiscal.

Por outro lado, o executivo continua a dar primazia aos programas sociais, como o Gran Misión Vivienda Venezuela, criado em 2011 e no âmbito do qual foi entregue, esta quinta-feira, a casa número 2 187 335, no Distrito Capital, segundo informou o Correo del Orinoco. A meta do governo venezuelano é chegar a cinco milhões de fogos entregues antes do final de 2025.

"Aos venezuelanos que se foram embora digo-lhes que serão sempre bem-vindos aqui; dentro de pouco tempo veremos os resultados positivos do programa de recuperação econômica", disse ainda Jorge Rodríguez, que é também o ministro venezuelano da Comunicação e da Informação.

Sobre o tema da emigração, que alguns países da região, organismos internacionais e imprensa internacional – como a nossa – catalogam como "crise", disse Rodríguez: "Curiosamente ninguém falou da migração de colombianos e brasileiros, que têm saúde e educação gratuita na Venezuela".

Os problemas existem, e gringos na parada também

Repudiando o aumento de "agressões políticas, xenófobas e midiáticas" contra o país, Jorge Rodríguez lembrou a situação que se vive na fronteira com a Colômbia, onde há redes criminosas a levar da Venezuela produtos de primeira necessidade, combustível e outras mercadorias.
A Colômbia foi, em anos recentes, o país vizinho de onde chegou mais gente à Venezuela, fugindo à guerra e procurando melhores condições de vida. Quando Hugo Chávez chegou ao poder, em 1999, foram criados programas especiais de apoio para os colombianos.

Se Chávez denunciou a ingerência estrangeira e a guerra econômica movida contra o seu país, Nicolás Maduro e o seu executivo continuam a fazê-lo, enfrentando sanções de caráter econômico, comercial e financeiro, ações hostis a nível diplomático, ameaças de intervenção externa e campanhas de manipulação midiática.

A forte pressão financeira internacional, conjugada com a tradicional dependência das importações em setores vitais para o país, deixa a Venezuela exposta às grandes transnacionais e às ameaça de novas medidas discriminatórias decretadas em Washington ou Bruxelas.

Em Maio, a vice-ministra da Saúde, Indhriana Parada, afirmou em Genebra (Suíça) que aqueles que pedem canais humanitários para a Venezuela são os mesmos que bloqueam a possibilidade de aquisição de medicamentos e alimentos para o povo venezuelano.

Parada explicou que, para adquirir 25 medicamentos de tipo oncológico e, assim, atender às necessidades de 135 crianças nas áreas de Oncolongia e Hematologia, a Venezuela teve de recorrer ao Uruguai, porque as grandes transnacionais farmacêuticas se recusam a vender ao seu país, que, por outro lado, enfrenta todo o tipo de dificuldades para efetuar operações bancárias, em virtude do bloqueio financeiro a que é submetido.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar