Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 08 Outubro 2018 00:53 Última modificação em Quarta, 07 Novembro 2018 16:54

71 ex-membros das Farc foram mortos após acordo de paz, diz ONU

Avalie este item
(1 Voto)
País: Colômbia / Antifascismo e anti-racismo / Fonte: Opera Mundi

Em nota, secretário geral da ONU responsável por missão na Colômbia afirmou que país ainda enfrenta "ameaça contra líderes sociais"; acordo entre guerrilha e governo completa dois anos em novembroEm nota, secretário geral da ONU responsável por missão na Colômbia afirmou que país ainda enfrenta "ameaça contra líderes sociais"; acordo entre guerrilha e governo completa dois anos em novembro

O secretário geral da ONU, António Guterres, informou nesta sexta-feira (05/10) que ao menos 71 ex-integrantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) foram mortos após o acordo de paz firmado em 2016.

O dado foi apresentado pelo representante diante do quarto informe da Missão de Verificação da ONU na Colômbia, ação internacional que fiscaliza eventuais problemas em assuntos de segurança nacional.

Segundo o texto, assassinatos e ataques contra ex-combatentes foram registrados em 12 dos 32 departamentos em todo o território colombiano.

“A Unidade Especial de Investigação ressaltou que três quartos dos assassinatos se concentram em cinco departamentos: Nariño (16), Antioquia (14), el Cauca (12), Caquetá (8), Norte de Santander (7)”.

Em sua conta pessoal no Twitter, Guterres disse que o acordo histórico entre governo e guerrilha, que encerrou uma disputa de mais de 50 anos, “não está isento de desafios”.

“O processo de paz não está isento de sérios desafios e ainda que tenha sido marcada por controversas políticas, a importância do acordo para o futuro do país tem ainda mais validade agora”, escreveu.

O texto também destacou que as mortes foram causadas por diferentes fatores, inclusive “defesa da terra e dos recursos naturais”. Por fim, o secretário lembrou que a ameaça aos direitos humanos ainda é um tema sob ameaça no país.

"Neste mesmo alerta destacamos os múltiplos fatores por trás desses assassinatos, incluindo a participação das vítimas na defesa da terra e dos recursos naturais", disse.

“Todas as fontes, incluindo a Oficina em Colômbia para o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (Acnudh), atestam que os assassinatos e ameaças contra líderes sociais e defensores dos direitos humanos não acabaram”.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar