Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 26 Mai 2019 18:10 Última modificação em Segunda, 10 Junho 2019 00:17

Venezuela: Estado social vulnerado

Avalie este item
(2 votos)
País: Venezuela / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Diário Liberdade

[María Alejandra Díaz*, Tradução de Anisio Pires] Demolir a capacidade da República para gerar ingressos em divisas, sob qualquer pretexto, tem sido parte do plano cupim neoliberal: diminuição da produção petroleira, ataque à moeda, bloqueio financeiro, pilhagem dos bens e contrabando. Assim, convertem esses ingressos em bens superescassos, obrigando-nos a recorrer a seus bancos, fundos abutres e ao FMI, escravizando-nos com uma nova dívida e reduzindo o tamanho do Estado a sua mínima expressão para dissolvê-lo.

Esse é o centro do conflito hoje em dia. De um lado, um Estado dono dos recursos naturais e obrigado constitucionalmente à partilha justa e equitativa das riquezas (para gerar igualdade material real de condições e oportunidades) e de outro, as ânsias desaforadas do neoliberalismo anglossionista. Por isso, a oligarquia parasitária nacional e a corporatocracia mundial decretaram guerra a todos os venezuelanos.

Pulverizando a relação do contrato salarial e destruindo o trabalhador como sujeito social, essa classe oligopólica empreende diretamente seu ataque contra o centro dinamizador da economia e da sociedade: o Estado Democrático, Social de Direito e de Justiça.

A chamada inflação induzida aplicada por Fedecámaras (equivalente venezuelana da FIESP) e Consecomercio (FECORMECIO no Brasil) é para nós uma hiperespeculação induzida que contrai o consumo, matando de fome os consumidores, gerando uma contração terrorista para satisfazer os mercados e as qualificadoras de risco. É um decreto de guerra até a morte da burguesia parasitária contra o povo venezuelano. Sintoma do conflito de classes entre o capital, cujo o preço é a taxa de ganância, e os trabalhadores, cujo preço é o salário.

Nosso Estado Social e de Justiça, subversivo frente à desigualdade real existente entre as classes e grupos sociais, deve propugnar a igualdade jurídica, sendo ele o instrumento de transformação social por excelência, cuja função histórica é liberar o ser humano da miséria, da ignorância e da impotência a que se vê submetido desde o começo da história.

Rebelar-nos frente a uma classe dominante que pretende apoderar-se da condução do Estado e proteger as classes dependentes que não têm acesso aos bens espirituais (educação), nem aos materiais (propriedade), é dever inelutável do governo nacional. O governo deve fazer possível para a classe desfavorecida a aquisição, gozo e desfrute dos bens, que se logram mediante uma reforma política de conteúdo social, utilizando um conjunto de medidas e leis que possibilitem, a todos os indivíduos, a aquisição desses bens através do trabalho. Estas ideias propugnam a harmonia social como desideratum do Estado Social. (Cabrera Romero)

(*) Advogada constitucionalista venezuelana, integrante da Assembleia Nacional Constituinte (ANC)

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar