Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 15 Outubro 2017 21:14 Última modificação em Sábado, 21 Outubro 2017 02:20

Incompetência, política florestal e tempo seco levam o desastre à Galiza

Avalie este item
(6 votos)
País: Galiza / Consumo e meio natural / Fonte: Diário Liberdade

[Atualizado às 13:00 de 16.10.2017] Milhares de hectares queimados em poucas horas, duas pessoas falecidas em Nigrám, umha em Carvalheda de Ávia e outra em Vigo sintetizam os efeitos de fogos devastadores em numerosos pontos da Galiza.

A situaçom era grave nos últimos dias, mas neste domingo chegou ao extremo: núcleos urbanos atingidos, incluindo Vigo, edifícios queimados e numerosas famílias fugindo dos seus lares, enquanto o presidente da Galiza culpabilizava "Portugal" e "o tempo seco". Omitia que, há só 15 dias, o seu governo despediu meio milhar de brigadistas anti-incêndios contra o critério do sindicato maioritário, a CIG.

A situaçom é gravíssima ainda na altura de redigirmos estas linhas, de madrugada. Só a açom direta da vizinhança em numerosas regions da Galiza evitou um desastre ainda maior, protegendo bens públicos e particulares, assi como a segurança em hospitais, gasolineiras e outros pontos sensíveis de diversas cidades, com destaque para Vigo. Um número indeterminado de estradas ficou cortado polos incêndios, pondo em risco a segurança de pessoas que conduziam polas mesmas.

A total impotência de umha Junta ultrapassada polos acontecimentos levou-na a derivar culpas para "as condiçons climáticas", como se fosse umha novidade após um mês de outubro de altas temperaturas e nengumha chuva. Apesar disso, quase 500 brigadistas fôrom dispensados, desprezando os protestos do pessoal da empresa e do sindicato. A maioria absoluta do PP garantiu que a "poupança" em tempos de crise descuidasse um ámbito básico como o florestal, que situa a Galiza junto a Portugal como área mais afetada polos incêndios na Europa.

Monoculturas florestais ao serviço de umha papeleira todo-poderosa

Entre as causas evidentes, umha política florestal ao serviço de ENCE, umha papeleira que funciona como poder na sombra ditando ao PP as diretrizes sobre extensom do eucalipto para baixar os preços e ter pasta barata para umha indústria que destrói outras potencialidades dos montes galegos.

Para além da ruína económica que para a maioria da sociedade supom, a estratégia papeleira está a destruir ambientalmente o rural galego, tal como o do norte português. Desta vez, houvo que lamentar também duas mortes, o que provavelmente nom mudará o rumo da criminosa política florestal do PP à frente da Junta.

Mobilizaçons convocadas de urgência

É a atuaçom das populaçons que estám a evitar, até este momento, que instalaçons sensíveis e perigosas, como depósitos de combustível, hospitais, etc. se tenham visto atingidas polo fogo devastador, pois os efetivos anti-incêndios ficárom muito aquém das necessidades básicas.

Contra semelhante desastre nacional, já houvo umha concentraçom do pessoal da CRTVG contra o "vergonhoso" tratamento informativo do canal público de TV e Rádio Galega, assi como para reclamar a demissom do secretário-geral da Corporaçom, Alfonso Sánchez Izquierdo.

Para a tarde desta segunda-feira dia 16 de outubro fôrom convocadas mais de umha dúzia de concentraçons em diferentes cidades e vilas galegas. Som estas, às 20 horas:

Ourense, nas Casas de Chocolate
Vigo, na Diante do Marco
Corunha, no  Obelisco
Compostela, na Praça do Toural
Lugo, no Edifício Multiusos da Junta

Ponte Vedra, na Praça da Peregrina
Ferrol na praça de Amada Garcia
Cangas, na praça do Concelho
Monforte, na praça de Espanha
Carvalhinho, na praça Maior

Ribeira, na praça do Concelho
Cambados, na praça do Concelho

Lalim, na praça da Lóriga

Pontes, diante do Concelho
e no Barco, diante do Concelho

Todas às 20h. exceto a do Barco, às 19h. 2ª-feira

Desastre ainda maior em Portugal: 27 pessoas mortas!

Como dixemos, nom só a Galiza lidera as áreas com maior número de incêndios e hectares queimados nas últimas décadas. Portugal também vive estes dias devastadores incêndios, com um pano de fundo idêntico: extensom incontrolada de eucaliptais.

O número de mortes em Portugal é já de 27, com dúzias de feridas e mais de 20 estradas cortadas polo fogo. Para além dos montes, zonas industriais como a de Tocha fôrom seriamente afetadas. Quase meio milhar de incêndios estendêrom-se polo norte e centro do país ao longo do domingo, nalgusn casos rodeando núcleos urbanos, inclusive cidades como a de Braga.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar