Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Quarta, 08 Fevereiro 2017 07:27 Última modificação em Terça, 14 Fevereiro 2017 21:34

Olga Benário não foi assassinada por ser judia, mas por ser comunista

Avalie este item
(1 Voto)
País: Brasil / Antifascismo e anti-racismo / Fonte: Diário Liberdade

A historiadora Anita Leocádia Prestes lançará este ano livro sobre Olga Benário, sua mãe, com informações inéditas recolhidas de mais de 2 mil páginas dos arquivos da polícia secreta nazista, a Gestapo, recentemente digitalizados.

Os documentos foram disponibilizados graças a um acordo entre a Rússia – que detinha o material confiscado desde a 2ª Guerra Mundial – e a Alemanha, e demoraram um ano para serem traduzidos do alemão.

Em entrevista à revista CULT, a filha de Olga e de Luiz Carlos Prestes revelou que sua mãe foi a pessoa mais documentada pela Gestapo, mesmo entre os acontecimentos da 1ª e da 2ª Guerra e envolvendo diversos partidos comunistas pelo mundo.

Ela ficou impressionada pela forma como Olga encarava as forças de repressão alemãs, segundo os relatos inéditos. “Há uma frase em que ela diz: 'Se houve gente que virou traidora, eu jamais o serei'”, deu a conhecer a historiadora. Para ela, esse foi, sem dúvida, um dos motivos do assassinato de sua mãe, e que motivou as autoridades nazistas a não permitir sua libertação.

“Estavam muito mais preocupados com a atividade dela como comunista do que com o fato dela ser judia. Ela não foi assassinada por ser judia, embora isso pudesse pesar. O fundamental é que ela era comunista, tinha participado das atividades do Comintern e era mulher de Luiz Carlos Prestes”, ressaltou Anita.

Se não fosse a pressão internacional, com mensagens de toda a Europa e EUA exigindo a libertação das duas, Anita conta que seria levada a um orfanato e perderia seu nome, ao invés de voltar ao Brasil.

Ela nasceu em 1936 em um campo de concentração nazista, ao qual sua mãe fora levada no mesmo ano, já grávida, após ser entregue pelo governo brasileiro por causa de sua militância política. Olga, alemã de nascimento, morreu como prisioneira em 1942, anos depois de se separar de sua filha.

O livro que será lançado em 2017 pela Boitempo foi escrito para que o público conheça a personalidade de Olga “mas também saberem o que era a Gestapo, o horror que foi o nazismo”.

Comentando também sobre a situação atual no Brasil, Anita criticou a atuação dos partidos de esquerda, que se “desgastaram” e se “desmoralizaram”, e afirmou que a a exploração capitalista sentida pelas massas populares terá de ser superada através da luta.

“E aí elas vão começar a lutar, se organizar, procurar caminhos. E o caminho para levar à vitória vai ser o caminho da revolução socialista, não tenho a menor dúvida disso”, garantiu, apesar de acreditar que no Brasil o processo será longo e difícil.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar