Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Sábado, 13 Mai 2017 01:43 Última modificação em Quarta, 17 Mai 2017 17:49

Fumo de negro: A criminalização da Maconha

Avalie este item
(1 Voto)
País: Brasil / Antifascismo e anti-racismo, Batalha de ideias / Fonte: Diário Liberdade

[Rodrigo A. de Lima Araújo*]

O Sr. Coxinha pergunta: “Você defende a legalização da maconha?”

Essa é uma pergunta simples de responder: SIM EU DEFENDO A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA!
Porém, não é simples de justificar. Mas irei tentar!
Existem alguns pontos iniciais que gostaria de provocar antes de expor o centro da minha opinião.
Primeiro, o que é droga? Refrigerante poderia ser - salvo as suas proporções é evidente - escalado ao hall das drogas legais?
Agora dois mais óbvios, o álcool e o tabaco, porque ainda são permitidos?

MERCADO X LUTA DE CLASSES | Maconha: o ópio do proletário?

Essas drogas “legais” mobilizam um mercado bilionário no Brasil e no Mundo, aos custos, completaria, da exploração da força de trabalho do proletariado. Fora que o mercado publicitário das cervejas exploram a imagem da mulher com apelações quase – quase? – que sexuais. O mercado existe, para as drogas legais ou ilegais. O que acredito ser prioridade nesta discussão é a tentativa de acabar com o mercado ilegal da droga. No caso da maconha, por ser a maconha uma planta que já temos diversos estudos científicos e farmacêuticos que COMPROVAM as suas potencialidades clínicas, a saída mais viável seria a legalização. Os dados demonstram que o álcool e o tabaco matam, juntos, mais de 500 mil pessoas ao ano. Até hoje não se viu nenhum atestado de morte referindo-se ao uso da maconha. Mas não me atenho apenas a este argumento.

Não é porque o reacionário ex-presidente FHC, depois que saiu da presidência, começou a levantar bandeira da legalização da maconha que eu, socialista, não o apoiaria neste e único sentido. Se nos preocupamos com o mercado privado que pode monopolizar desde a produção à comercialização da mesma, então teríamos que dedicar esforços a pensar uma forma do Estado comandar, por assim dizer, este tipo de mercado. E ainda ir além, lutar para que tudo que for gerado como renda possa ir para setores prioritários da nossa sociedade. Como Educação por exemplo. Sou contra a criminalização do usuário de drogas e contra a chamada “guerra às drogas” da forma que encontra-se. É evidente que nenhuma das duas resolve o problema em questão. Mas a não legalização da maconha acaba colocando-a no mesmo patamar que a cocaína, o crack e a heroína – as drogas que mais matam, e matam mesmo, pessoas no mundo todo - direta e indiretamente. Maconha não mata, é um fato, mas o seu “mercado” sim.

Marx em a “religião é o ópio do povo”, defendia que a mesma seria um produto da superestrutura do sistema, utilizado pela classe dominante para justificar a condição de vassalo, a condição onde o servo(camponês) tinha uma fidelidade divina ao seu nobre. Sua condição de vida era justificada porque “Deus quis assim”, tronando o trabalhador indiferente para com a revolução. Não acredito que a maconha exerça esse poder sobre a classe trabalhadora, a não ser na condição que ela se encontra, a margem da legalidade. Nessa forma que está, ela só consolida a exploração da classe dominante para com a classe dominada. Se não existe legalidade, não temos como discutir questões como ‘descriminalização do usuário’ e nem combater o bom combate. Tornam-se ações vazias e ineficazes.

HISTÓRIA DO VENCIDO | A descriminalização é a solução

Confesso que não sou especialista no assunto, mas sou bastante curioso a respeito. Historicamente falando, a maconha é um elemento que foi discriminado por pertencer a uma cultura de derrotados. Utilizo da palavra derrotado, não no sentido pejorativo mas no sentido de um povo que perdeu guerras e acabou sendo colonizado pelos interesses mercantis europeus. A História que contamos é a História dos vencedores. Do homem branco europeu em pleno processo civilizatório. A “civilização” era a bandeira defendida, e ainda o é.

Todo tipo de cultura – aqui refiro-me ao tipo de língua, de costumes, de organização social, religião e entre outros elementos – que era associada ao derrotado foi esquecida, quando não conseguiram apagar da História tornaram-na ilegal e marginal. A maconha neste caso está no mesmo patamar que o candomblé, a acarajé, a dança de roda, o axé e outros elementos da cultura africana. Oras, se o processo histórico fosse o contrário, ou seja, fossem os negros à ditarem o que é civilização, muito provavelmente eu não estaria tendo que responder a essa pergunta pois o ato de fazê-la não faria nenhum sentido lógico.

Descriminamos o que não conhecemos e nos achamos no direito de categorizar o que é legal ou ilegal pelo simples fato de pertencer ou não a nossa cultura. Pensamento mais reacionário que esse, eu desconheço. Essa seria a minha resposta sobre a legalização da maconha. Não sou o dono da razão, mas acredito que não temos coerência quando discutimos sobre a questão das drogas enquanto colocamos em nossas mesas produtos cheios de venenos. Sendo assim, recomendo a leitura da dissertação de Mestrado de uma mulher muito pragmática, Luísa Saad, com o título “Fumo de Negro: a criminalização da maconha no Brasil (1890-1932)”.

* Perfil do Facebook: https://www.facebook.com/lima.araujo.7

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar