Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Sábado, 17 Junho 2017 23:21

MLT denuncia invasão do MTST sobre acampamento

Avalie este item
(1 Voto)
País: Brasil / Resenhas / Fonte: Diário Liberdade

Movimento de Luta pela Terra (MLT) denuncia em um comunicado alegada invasão violenta do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MTST) sobre acampamento. Reproduzimos a seguir o comunicado:

NOTA DE REPÚDIO SOBRE O ACAMPAMENTO SOL NASCENTE

O Movimento de Luta pela Terra vem a público manifestar-se e repudiar a invasão realizada pelo MST – Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, no acampamento Sol Nascente no Estado do Paraná.

O MLT é um movimento que originou-se em 1993, no Estado da Bahia, num contexto de crise econômica que assolou o Estado e resultou em cerca de 100 mil desempregados naquela região.

O desemprego provocou substanciais mudanças nas relações de trabalho. E assim, o movimento nasceu com princípios e práticas de desenvolvimento de um projeto popular. A piora das condições de vida tem sua raiz na forma como está organizada a sociedade e a política adotada pelos governos de cada época.

Nesse sentido, o objetivo do MLT é colocar o trabalhador/trabalhadora como sujeito coletivo e demonstrar que os problemas do Povo não são culpa dos indivíduos. 

O MLT se implantou em várias cidades e hoje encontra-se presente em 16 Estados da Federação mais o Distrito Federal, recriando as formas de luta (ocupações, assentamentos, marchas, grupos de famílias) e com significativas conquistas econômicas e avanços organizativos. 

Hoje o movimento tem mais de 18 mil trabalhadores organizados entre acampados e posseiros em todos Brasil  e cerca de 30 mil  assentados.

A luta do MLT passa de maneira transversal pelos pilares da luta pela terra, da luta pela Reforma Agrária, da luta pela a democracia inclusive entre movimentos sociais  e acampados e na  luta de classes, contra o capital escravagista, pela sustentabilidade ambiental, por uma sociedade mais justa e fraterna, mas principalmente pelo respeito mútuo por cada companheiro e companheira de lutas e movimentos sociais.

O movimento entende que para a conquista de uma sociedade socialista e democrática que nasce de um projeto popular é imprescindível que estruturas, organizações e movimentos estabelecidos devam ser respeitados. De forma contrária é que se deram os diversos golpes de estado na democracia do nosso país. Pela imposição arbitrária de seu poder e de suas ideologias.

Foi o que aconteceu no 06/06/2017 no acampamento Sol Nascente, onde violentamente, com aplicação de técnicas de tortura e utilização de armas de fogo o MST invadiu e tomou para si o acampamento Sol Nascente coordenado pelo MLT.

Vale ressaltar ainda que o crime foi orquestrado por pessoas já beneficiadas com a política de assentamentos da Reforma Agrária. Nada justifica o ocorrido!

A coordenação do acampamento Sol Nascente, bem como um menor, tiveram suas casas invadidas, foram amarrados torturados, ofendidos moral e fisicamente, foram sequestrados, roubados e furtados em todos os seus pertences. Ficaram na rua desprovidos de qualquer dignidade da pessoa humana. Tudo registrado nos autos do inquérito policial n. 79357/2017 da 52ª Delegacia Regional de Polícia de Peabiru.

No campo, os latifundiários e o agronegócio contratam pistoleiros e jagunços para matar, prender, torturar, amedrontar e expulsar os camponeses e tradicionais das terras. Essa prática NÃO pode ser dar de um movimento contra o outro para ter direito à terra. 

A Comissão Pastoral da Terra divulga todos os anos relatório de Conflitos no Campo do Brasil. É inadmissível que o MST entre para essa estatística como autor destes crimes. O trabalhador/a do campo já sofre demais com o agronegócio que representa o poder das classes sociais hegemônicas.

É inadmissível que um movimento como o MST, que constantemente repudia atos de violência das forças opressoras do Estado em processos de reintegração de posse, atue de forma tão violentamente quanto a de seus algozes. 

Há de ressaltar que ainda temos vítimas com bala alojada no corpo, vítima de tentativa de homicídio, que ainda não foi possível ser removida.

Essa prática de desrespeito à outros movimentos, não condiz com a luta dos movimentos de luta pela terra. Invadir área declaradamente ocupada por algum movimento é crime e os responsáveis devem responder.

Muito pertinente que essa invasão tenha ocorrido em momento próximo à conquista da terra e a concretização dos sonhos daquelas famílias acampadas. Pertinente e conveniente para seus interesses próprios de querer assentar suas famílias a todo custo sem se importar com pactos de ética moral. De certo souberam que a área logo será destinada a implementação efetiva do assentamento e resolveram a todo custo toma-la para si. Pois reafirmamos, NADA JUSTIFICA O OCORRIDO.

O acampamento Sol Nascente é uma luta de 4 anos do MLT que despendeu toda sua energia ao longo desses anos com cerca de quase 200 famílias para que elas pudessem ter seus sonhos realizados.

O MST não apenas usurpou um acampamento que não lhe pertence, como também está expulsando os ocupantes legítimos da área e adentrando com outros ocupantes, com o objetivo de descaracterizar uma ocupação consolidada há anos.

Por fim, diante das diversas tentativas infrutíferas de diálogo com o MST, o MLT denúncia os crimes cometidos, incluindo uma tentativa de homicídio e repudia esse tipo de invasão com companheiros de luta. Essa prática não condiz com a luta travada pelos movimentos de direito à terra.

O MLT reafirma seu compromisso com suas lutas e com os acampados do Sol Nascente. Não seremos coniventes com esse tipo de prática e para que a paz no respeito e ética entre os movimentos se perpetue como sempre ocorreu, o MLT reivindica a retirada e o recuo imediato do MST em querer estear sua bandeira numa luta que não lhe pertence, mas que pertence sim ao MLT que já se arrasta por duros 4 anos naquela ocupação.

MLT, a luta é pra valer! Não aceitaremos retrocessos!

 

MLT – Movimento de Luta pela Terra

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar