Publicidade

Diário Liberdade
Terça, 20 Dezembro 2016 11:19 Última modificação em Quinta, 22 Dezembro 2016 11:40

Concentraçons em dez cidades e vilas galegas contra o terrorismo machista Destaque

Avalie este item
(0 votos)
País: Galiza / Mulher e LGBT / Fonte: Diário Liberdade

Em resposta ao novo atentado machista, coletivos feministas convocárom concentraçons de denúncia para hoje, 20 de dezembro, todas elas às 20 horas. Serám nas seguintes localizaçons: Vigo (Marco), Corunha (Obelisco), Compostela (Praça 8 de Março), Ferrol (Cámara Municipal), Lugo (CÁmara Municipal), Ourense (Castaleira), Ponte Vedra (Audiência Provincial), Vila Garcia (Praça da Galiza), Bertamiráns (Praça da Amaia) e Riba d'Ávia (Cámara Municipal). 

Reproduzimos a seguir o texto da convocatória, difundido pola Plataforma Feminista Galega:

Hoje estamos de volta aqui para denunciarmos as violências na Galiza, mas também para lembrar que no que vai de ano foram assassinadas 102 mulheres no estado. Na Galiza foram 6 as mulheres assassinadas, mulheres que hoje estariam em suas casas, em seus trabalhos, com as suas famílias e amizades. E não estão porque foram aniquiladas pelos criminosos machistas.

Ana Enjamio e Elena Mihaela Marcus foram assassinadas pelas suas ex-parelhas. Foram assassinadas só por serem mulheres e tropeçarem com um homem machista na sua vida e a sociedade não pode nem deve consentir mais maus-tratos, mais assassinatos machistas. Porque a humilhação, os insultos, o controle e a manipulação de um maltratador não devem ser toleradas.

A violência machista é uma violação dos direitos humanos das mulheres e a passividade das instituições e da sociedade ante as mulheres assassinadas desesperam-nos... Onde está a indignação social, política e mediática?!

Por acaso estamos demasiado acostumados e acostumadas a que um ex-namorado, ex-marido, namorado, marido ou conhecido mate uma mulher? Será que se normalizou o feminicídio? Como pode uma sociedade que se diz «avançada» pensar que é natural que os homens andem a assassinar às mulheres?

Desde o movimento feminista denunciamos:

 - que estes assassinatos têm um nome: feminicídio e que se produzem no marco desta sociedade machista e patriarcal na que as mulheres somos agredidas pelo fato de o sermos.

 - que a violência contra nós vê-se intensificada pelas medidas de cortes em políticas de igualdade do governo misógino do Partido Popular. Não queremos minutos de silêncio, queremos recursos e medidas concretas para rematar com os assassinatos machistas!!

- denunciamos os modelos de masculinidade e feminidade hegemónicos e tradicionais que são parte da estrutura que produz a violência machista. A educação patriarcal que adoutrina as crianças mediante pautas que preparam às mulheres para sermos submissas enquanto eles são educados em valores de força e domínio sob tudo o que lhes rodeia.

Continua a se por o foco nas vítimas e não nos culpados, segue-se-nos a obrigar a nós a ter cuidado com o que fazemos e não se lhes ensina a eles a não violar. Duvida-se da nossa palavra ainda quando vão 102 assassinadas no que vai de ano e as mulheres violadas e maltratadas crescem a cada dia ante o olhar impune do governo e da sociedade.

- denunciamos o papel dos midia que contribuem à normalização do feminicidio. As informações sobre os assassinatos machistas abordam-se coma se forem um acidente ou um fato casual e a situação é tão surrealista que segundo a maioria dos midias as mulheres aparecemos mortas. Não, senhores e senhoras da imprensa, não aparecemos mortas como se duma epidemia de gripe se tratar, somos assassinadas: a-ssa-ssi-na-das! Cumpram de uma vez com os protocolos que têm assinado sobre o tratamento da violência machista.

O movimento feminista galego sai hoje mais uma vez à rua para berrar que estamos desesperadas, cansas, indignadas, fartas... de sermos agredidas, violadas, assassinadas e um dia destes a nossa raiva será incontrolável!!

Porque as mulheres não somos cidadãs de segunda. É tempo de organizarmosmos a resistência feminista, tomemos as ruas e paremos o terrorismo machista. Avante a luita feminista!! Se tocam a umha, respostamos todas!

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar