Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 29 Janeiro 2017 19:18 Última modificação em Terça, 31 Janeiro 2017 16:50

Protestos contra política de imigração de Trump que discrimina pessoas procedentes de 7 países do Médio Oriente

Avalie este item
(0 votos)
País: Estados Unidos / Migraçons / Fonte: Abril Abril

A medida aprovada por Donald Trump, que veta a entrada a pessoas de sete países, motivou uma onda de protestos nos principais aeroportos dos Estados Unidos.

Foi na passada sexta-feira que o novo presidente dos EUA assinou uma ordem executiva para suspender a entrada de refugiados no país por, pelo menos, 120 dias e impedir a entrada de viajantes oriundos do Irão, Iraque, Líbia, Somália, Síria e Iémen durante os próximos três meses.

A concretização da promessa proferida durante a campanha eleitoral foi justificada numa alusão ao terrorismo, com destaque para o 11 de Setembro, mesmo que nenhum dos envolvidos no ataque às torres gémeas, em 2001, fosse oriundo destes países.

«Vamos ter uma proibição muito, muito severa e vamos ter verificações completas, o que já devíamos ter neste país há muitos anos», anunciou.

A entrada em vigor da medida, na sexta-feira à noite, apanhou de surpresa as pessoas que já estavam no avião e prontas para seguir viagem, mas os defensores dos imigrantes conseguiram, entretanto, uma primeira vitória.

Ontem, a decisão de uma juíza do Tribunal do Distrito Federal de Brooklyn (Nova Iorque) impediu as autoridades de procederem à deportação de cidadãos dos sete países de maioria muçulmana, que foram autorizados a entrar e chegaram aos EUA. A decisão chegou depois de mais de uma centena de passageiros terem sido detidos ao chegarem aos aeroportos e ameaçados de expulsão.

Na manhã de ontem, várias associações tinham desafiado na justiça a nova medida de Donald Trump, por considerarem que se trata de uma medida discriminatória. Acrescentam que é igualmente anti-constitucional, uma vez aplicar-se aos cidadãos com os documentos em dia.

Outro juiz federal da Virgínia anunciou uma decisão semelhante, desta vez visando os passageiros detidos no aeroporto de Dulles, perto de Washington.

Os principais aeroportos dos EUA foram palco de manifestações contra a medida sem precedentes na história recente deste país, entre eles o John F. Kennedy (JFK) em Nova Iorque, mas também em Washington, Chicago, Minneapolis, Denver, Los Angeles, São Francisco e Dallas.

Entretanto, companhias aéreas como a holandesa KLM, a Air France e a Qatar Airlines já começaram a agir em função do decreto de Trump, impedindo passageiros dos países visados de viajarem para os Estados Unidos.
Realizador iraniano não participa nos Óscares

Por causa do veto presidencial, o National Iranian American Council confirmou na noite de ontem, em Washington, que o realizador de O vendedor, o iraniano Asghar Farhadi, não poderá entrar nos Estados Unidos para assistir à cerimónia de entrega dos Óscares da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, no dia 26 de Fevereiro.

Farhadi venceu o Óscar de melhor filme estrangeiro, em 2012, com o drama Uma Separação.

A protagonista d' O vendedor, a actriz iraniana Taraneh Alidoosti, já havia dito na quinta-feira que se recusaria a ir aos Estados Unidos, para assistir à cerimónia dos Óscares, em protesto contra a proibição de entrada de refugiados provenientes de países como o Irão e o Iraque.
Uma bola de pingue-pongue

Segundo anunciou, ontem, o ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohamad Javad Zarif, «depois da decisão insultuosa dos Estados Unidos respeitante aos cidadãos iranianos», o Irão vai proibir a entrada de norte-americanos.

De acordo com Javad Zarif, o impedimento de entrada a cidadãos norte-americanos durará pelo mesmo período (90 dias) ou enquanto se mantiver o fecho de fronteiras por parte dos Estados Unidos.

Considerou ainda que, «apesar de reclamar estar a lutar contra o terrorismo e a manter seguros os norte-americanos, a decisão (de Trump) ficará para a história como uma prenda para os extremistas e seus apoiantes».

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar