Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 04 Abril 2018 15:39 Última modificação em Terça, 10 Abril 2018 17:24

Comunistas da África do Sul lamentam morte de Winnie Madikizela-Mandela

Avalie este item
(1 Voto)
País: África do Sul / Institucional / Fonte: Vermelho

O Partido Comunista da África do Sul (SACP, sigla em inglês) lamentou profundamente a morte da "mãe" Winnie Mandela, figura chave na luta contra o apartheid e pela libertação sul-africana.

“Winnie era uma resoluta ativista pela igualdade de gênero e uma revolucionária democrática nacional. O Partido Comunista da África do Sul está profundamente preocupado com o fato de que a revolução sul-africana está perdendo seus veteranos que contribuíram imensamente para nossa luta contra a opressão colonial”, disse em nota o partido comunista sul-africano. O partido ainda enviou condolências aos familiares e amigos de Winnie, e também para toda a aliança nacional pela libertação e para todos os sul-africanos.

"A África do Sul ficou mais pobre após sua partida do mundo dos vivos", declarou a nota, que lembrou a importância de se preservar a memória de Winnie para as pessoas jovens e para as gerações futuras. "Um relato preciso de onde vem nossa sociedade é crucial para nossa visão nacional de uma África do Sul não racista, não sexista, democrática e próspera baseada na emancipação social".

"A contribuição que a camarada Winnie fez à revolução sul-africana, seus sacrifícios durante o curso e, por outro lado, as reações reacionárias, repressivas e torturantes que sofreu no regime do apartheid, podem produzir volumes de livros de história, humanidades e ciências sociais", continuou o partido, que reiterou sua convicção da necessidade da criação de um movimento progressista de mulheres em memória de Winnie. "O movimento deve, inspirando-se em sua [de Winnie] vida e época revolucionárias, dedicar seu foco para acabar com o patriarcado em nossa sociedade e resolver os problemas sistêmicos de desigualdades de classe, nacionais e de gênero, desemprego, pobreza e insegurança social".

A classe trabalhadora, em particular as mulheres, estão na ponta do abismo do sistema capitalista. O movimento, e de fato todos os sul-africanos amantes da paz, devem pegar a lança, avançar e aprofundar a segunda fase radical de nossa transição do colonialismo e seu legado", conclui a nota.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar