Publicidade

Diário Liberdade
Sábado, 09 Junho 2018 14:51 Última modificação em Quarta, 13 Junho 2018 21:30

Direita xenófoba vence eleições na Eslovênia

Avalie este item
(1 Voto)
País: Eslovénia / Antifascismo e anti-racismo / Fonte: Vermelho

Mais um país europeu vira a direita. Na semana passada, os eleitores da Eslovênia elegeram um partido populista liderado por um ex primeiro-ministro radical, Janez Jansa. O Partido Democrático do país teve apenas 25% dos votos, de acordo com sua Comissão Eleitoral. Agora, a Eslovênia é mais um país europeu a eleger a direita ou extrema-direita, junto com a Itália, Áustria, Hungria, Ucrânia e Polônia

A legenda anti-imigração Partido Democrático Esloveno (SDS) conquistou a maior parte dos assentos, mas sem conseguir uma maioria parlamentar. O presidente esloveno, Borut Pahor, irá se reunir ainda nesta semana com o líder do SDS, Janez Jansa, que recebeu o maior número de votos na eleição de domingo (4), informou uma porta-voz presidencial. Jansa centrou sua campanha no discurso contra a imigração.

Opositor do sistema de cotas desenhado pela Comissão Europeia para que todos os Estados-membros acolhessem alguns dos refugiados que desde 2015 chegaram na Grécia e na Itália, o SDS quer gastar o dinheiro que seria usado nesse processo para investir nas forças de segurança do Estado.

Poucos dias depois da formação do governo da Itália, liderado por um partido de extrema-direita, nacionalista e fortemente anti-imigração, a Liga, de Matteo Salvini, as semelhanças de seu discurso com o de Jansa ficam óbvios. “Acreditamos que hoje se deu o primeiro passo para que a Eslovênia se torne um país que ponha o bem-estar e a segurança dos eslovenos em primeiro lugar”, afirmou Jansa.

“Italianos primeiro”, foi o slogan com que Salvini se tornou no líder da direita italiana, depois de uma campanha centrada na violência e na insegurança que o dirigente atribui aos imigrantes. Desde o dia primeiro de junho, Salvini é o vice-presidente do governo e ministro do Interior.

Com as últimas eleições, a Eslovênia, um país membro da União Europeia desde 2004 que adotou o euro como moeda a partir de 2007, pode se alinhar politicamente à Hungria, que reelegeu o populista de direita Viktor Orbán como primeiro-ministro em abril, e a Áustria, em que um partido de extrema-direita surgiu como uma poderosa força política. Jansa já se aproximou pessoalmente de Orbán.

Mas ainda que o partido de Janez Jansa tenha vencido as eleições, ele pode ter dificuldades em formar governo, uma vez que a maioria dos líderes partidários rejeitou a possibilidade de coalizão — o que dá força à hipótese de um período de incerteza e a convocação de novas eleições.

Desde a independência da Iugoslávia comunista em 1991, a política na Eslovênia tem tido uma tendência conservadora, mas partidos de centro e esquerda dominaram as coalizões de governo na maior parte das vezes. A mudança para o espectro populista acontece desde a crise migratória de 2015 e 2016, embora essa alteração não tenha sido tão forte quanto na vizinha Itália, em que um governo antissistema foi empossado na semana passada.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar