Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 14 Novembro 2018 16:57 Última modificação em Domingo, 18 Novembro 2018 21:48

Guerra sul-sudanesa custou quase 390 mil vidas, revela estudo

Avalie este item
(0 votos)
País: Sudão / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Prensa Latina

Além dos sofrimentos, a devastação e as deslocações forçadas, o conflito civil em Sudão do Sul custou a vida a 382.900 pessoas, revela um estudo conhecido hoje.

A pesquisa, realizada por uma organização internacional, cifra o número de vítimas acima das registradas na guerra na Síria e sua circulação coincide com o comunicado de um painel da ONU sobre violações do embargo de armas a este país, imposto pelo Conselho de Segurança da instituições em julho passado.

Em Sudão do Sul existem níveis alarmantes de violência sexual, fome e violações dos direitos humanos, diz o comunicado do grupo de experientes da ONU os quais investigam também a presença de elementos de assinaturas privadas que treinam à Polícia e o Exército.

As chamadas empresas de segurança privada são companhias que contratam a ex-membros das forças especiais em particular dos Estados Unidos e Grã-Bretanha os quais atuam como mercenários em países nos quais seus governos têm interesses e eludem se envolver de maneira direta.

O caso mais notório de ação destes alegados contratadores é o da empresa Blackwater, acusada de matanças coletivas no Iraque no início deste século.

Assim o informe dos especialistas menciona 'o transporte de armas para o Sudão do Sul' e destaca que o governo deste país deslocou tropas para custodiar os campos de petróleo no estado de Unity enquanto soldados ugandeses fazem o mesmo nos de Equatória Oriental e Equatória Central.

Em setembro passado o presidente sul-sudanês, Salva Kiir, e sua ex-vice-presidente primeiro Riek Machar, assinaram um acordo de paz o qual estabelece a incorporação ao governo de quatro vice-presidentes e a reintegração do segundo a seu cargo com a missão de organização eleições gerais no prazo de oito meses.

A conflagração sul-sudanesa começou em 2013 quando o presidente, da etnia minoritária dinka, acusou Machar, da majoritária nuer, de organizar um complô para assassiná-lo e usurpar o poder.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar