Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 31 Mai 2019 01:06 Última modificação em Terça, 18 Junho 2019 00:51

EUA arriscam-se a perder fornecimento de terras-raras na guerra comercial

Avalie este item
(0 votos)
País: China / Laboral/Economia / Fonte: Diário do Povo

Ao avançar para uma guerra comercial contra a China, os EUA arriscam-se a perder o fornecimento de materiais vitais à manutenção da sua capacidade tecnológica.

A China produz a maioria das terras-raras do mundo – elementos químicos com propriedades magnéticas usados num alargado leque de produtos eletrônicos e de consumo.

Embora relativamente desconhecidos, os elementos das terras-raras são os materiais que ajudam a iluminar o seu celular, tornam possíveis os raios-x e asseguram o uso seguro de reatores nucleares.

Enquanto maior fornecedor mundial de tais materiais, a China sempre defendeu os princípios de abertura, coordenação e partilha no desenvolvimento da sua indústria de terras-raras.

Apesar da resposta à demanda doméstica ser prioritária, a China está disponível a tentar satisfazer a demanda mundial por terras-raras, contanto que o seu uso se deva a motivos legítimos.

“Estamos felizes por constatar que as terras-raras e materiais relacionados podem ser usados para todo o tipo de produtos avançados que possam ajudar a melhor satisfazer a demanda por uma vida melhor por parte de pessoas de todo o mundo”, disse um oficial da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma.

No entanto, se alguém procurar usar as terras-raras contra a China, o povo chinês não o irá aceitar.

Ao tomar ações unilaterais para conter o desenvolvimento tecnológico de outros países, os EUA parecem ter omitido um fato: a cadeia de fornecimento internacional está de tal modo interligada que nenhuma economia pode sobreviver por si só.

De acordo com um inquérito geológico dos EUA, entre 2014 e 2017 os EUA importaram 80% das suas terras-raras da China.

Com o avanço da revolução tecnológica e industrial, as terras-raras deverão ser aplicadas em mais áreas, e o seu valor estratégico tornar-se-á mais proeminente, disse o oficial.

A China reiterou a sua posição na promoção do multilateralismo e tentou evitar uma guerra comercial que ponha em causa os interesses públicos.

Porém, se necessário, a China tem várias cartas que pode colocar em jogo.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar