Publicidade

Diário Liberdade
Sábado, 16 Julho 2016 12:03 Última modificação em Terça, 19 Julho 2016 12:53

Golpe de Estado falido na Turquia deixa 90 mortes e mais de mil pessoas feridas

Avalie este item
(0 votos)
País: Turquia / Reportagens / Fonte: Sermos Galiza

A noite da sexta feira, umha parte do Exército turco sublevava-se e anunciava a tomada do poder no país. Declarava entom a lei marcial e o toque de recolher.

As primeiras notícias chegavam através das redes sociais e aos poucos foi-se conhecendo como os tanques e helicópteros tratavam de fazer-se com o controlo total ao atacar edifícios do governo em Ankara.

Passada a meia-noite conhecia-se o bloqueio de aeroportos e de pontes sobre o Bósforo para garantir o colapso. Enquanto isso acontecia, o dirigente do país, o polémico Tayyip Erdogan, tratava de arribar a Estambul do seu retiro de férias, na cidade turca de Bodrum. O mandatário, ao nom poder acessar a cidade mais povoada da Turquia, dirigiu-se à Alemanha e pediu assilo político, que lhe foi denegado. Obrigado a ir face ao Irá, regressou ao país após neutralizado o golpe.

Muitas eram as vozes que perguntavam por Erdogan logo de o Exército sublevado emitir o comunicado de imprensa no que dava conta do golpe.

O dirixente turco, que num primeiro momento se cria detido, interveu, via vídeo-chamada, ao vivo na CNN, canal estadunidense que durante a madrugada do sábado se dedicou a transmitir umha sólida defesa de Erdogan.

Reaçons após as declaraçons de Obama

Conforme passavan as horas, chamava a atençom o silêncio da ONU, que nom emitiu um comunicado até passada á 1h da madrugada. A ONU pronunciou-se após a mensagem de apoio ao Governo de Erdogan de Barack Obama. Esta condea ao golpe provocava un regueiro de reaçons idénticas no seio da UE.

Entretanto, as redes sociais ardiam entre as pessoas partidárias e as detratoras de Erdogan, ao que se acusava de alentar o povo a sair para a rua na defesa do governo, enquanto impede a realizaçom de manifestaçons pacíficas; de censurar e fechar meios de comunicaçom e o próprio uso das redes sociais e de aceitar a deportaçom de pessoas refugiadas sem garantir a sua proteçom. Precisamente, muitas eram as internautas que se perguntavam polos milhares de refugiadas, que se encontram em zonas a que o governo nom permite aceder os meios de comunicaçom.

Conforme passava o tempo todo parecia indicar que o golpe fracassara. A raíz do reestabelecimento da televiom pública turca, os meios internacionais começárom a se referir ao golpe como falido. Erdogan, fortalecido após a intentona, advertia de que os golpistas recebiriam o seu merecido e, na manhá do sábado, o Governo turco dava por concluído o golpe e anunciava a destituiçom de cinco generais e 29 coroneis e a detençom de maais de 1.500 soldados.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar