Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 17 Agosto 2016 18:22 Última modificação em Sexta, 26 Agosto 2016 17:34

'Se BRICS renunciarem ao dólar isso pode levar a consequências geopolíticas catastróficas' Destaque

Avalie este item
(0 votos)
/ Laboral/Economia / Fonte: Sputnik Brasil

Segundo Wolff, a economia da Rússia está no caminho de recuperação. A situação russa é melhor que no Brasil ou África do Sul.

Os países dos BRICS – o Brasil, a Rússia, China, Índia e África do Sul – já são atores sérios na economia global. Consequentemente, o dólar está sob pressão. As consequências geopolíticas desse fato podem ser dramáticas.

Na opinião do especialista, os países BRICS possuem um grande potencial em termos de recursos humanos e naturais, mas a maior parte deste potencial é usado não por estes países, mas por grandes consórcios que retiram as receitas das commodities para fora do país. O interesse principal das grandes corporações internacionais é ter mão-de-obra barata.

"O problema principal é que o lucro, passando através destes consórcios, volta para os países desenvolvidos. Isso significa que o potencial destes países está todos os dias sendo sugado", explicou Wolff.

Quanto à economia chinesa, o especialista concorda que é impressionante, mas afirma que é difícil compará-la com outras.

"Agora a China é o maior parceiro comercial de 170 países. Em comparação, os EUA são o maior parceiro somente de 70 países. Mas a China está dependente das exportações. O que é também importante é que o crescimento de sua economia depende completamente de créditos. E o nível da economia de créditos na China é mais duvidoso que o nosso. Além disso, a China sofre de muitas lacunas, por exemplo, no mercado imobiliário <...>", disse ele en entrevista à Sputnik Alemanha.

Apesar de tudo isso, disse o especialista alemão, nos últimos anos a China provavelmente atingiu os EUA em termos de poder econômico.

Segundo Wolff, a economia da Rússia está no caminho de recuperação. A situação russa é melhor que no Brasil ou África do Sul. O preço do petróleo é muito importante para a Rússia.

"O que é também importante para a Rússia é que realiza uma política externa ponderada, intensifica as relações comerciais com a China e outros países. Graças a tudo isso, a sua posição nos mercados melhorou muito", destacou o economista.

Na opinião de Wolff, o Brasil está passando pela pior crise econômica nos últimos 100 anos.

"O país está em recessão já por três anos, os salários estão caindo, o desemprego é de 11%. Todos estes problemas sociais não surgiram do nada. Graças à Olimpíada, a realidade social está um pouco suavizada. A realidade que está por trás disso no Brasil não parece ser boa", afirmou.

Quanto ao Novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS, o especialista em finanças sublinhou que a entidade começa a ganhar peso na economia mundial e que os norte-americanos já estão insatisfeitos com isso.

"O problema é que o Novo Banco de Desenvolvimento funciona no sistema do dólar. Há que lembrar que o sistema financeiro mundial é o sistema do dólar. A única organização em todo o mundo que tem o direito de imprimir dólares é o Banco de Reserva Federal dos Estados Unidos. Durante os últimos anos os norte-americanos conseguiram submeter todo o mundo".

Wolff explicou que a criação de outro sistema financeiro é o pior pesadelo dos EUA e eles por isso tentam evitar que isso aconteça. Os norte-americanos fazem tudo preservar o seu sistema.

"Houve algumas tentativas de sair fora deste sistema e elas acabaram em derramamento de sangue. Saddam Hussein, por exemplo, queria vender o petróleo não em dólares mas em euros. Muammar Kadhafi queria introduzir uma moeda coberta por reservas de ouro. Isso levou o que ambos já não estejam entre os vivos", disse Wolff.

Além disso, o especialista comentou os progressos em relações russo-turcas. No encontro em São Petersburgo, disse Wolff, os dois líderes acordaram realizar comércio em rublos e liras. É um tipo de declaração de guerra contra os EUA parecida com a de Hussein e Kadhafi. As consequências devem ser interessantes, concluiu o especialista alemão.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar