Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 25 Agosto 2016 09:30 Última modificação em Sábado, 27 Agosto 2016 17:08

Terremoto age sobre construções precárias e deixa centenas de mortes na Itália

Avalie este item
(0 votos)
País: Itália / Consumo e meio natural / Fonte: Diário Liberdade

Um terremoto de intensidade e duração normais para a região, mas que deixa já 247 de pessoas mortas e um número indeterminado de desaparecidas devido à péssima qualidade as construções e nula adaptação às condições geológicas.

O forte terremoto que abalou o centro da Itália na madrugada da quarta-feira deixou pelo menos 247 mortes, segundo informou Proteção Civil. A zona destruída, entre Lácio e Umbria, é muito turística, e as autoridades italianas não quiseram fornecer dados oficiais sobre pessoas desaparecidas. Contodo, falam em "dezenas", mas sabe-se que só em Pescara já são mais de 100.

As tarefas de resgate continuam e o número de mortes aumentará com total certeza.

As vilas mais afetadas pelo sismo de 6.2 graus são Amatrice, Norcia e Accumoli. O Presidente do primeiro desses municípios, Sergio Pirozzi, explicou: "Amatrice já não existe (...) abalaram edifícios, isto é um drama autêntico. (...) Ouvem-se vozes entre as ruínas, a situação é dramática." 70% das construções abalaram, e unicamente em Amatrice houve mais de 190 mortes.

As fatais consequências do sismo, contodo, não foram devidas a uma duração ou intensidade excepcionais, segundo as e os especialistas, porquanto o movimento registado entra dentro da normalidade na região central italiana. Em vez disso, temos que ir ao capitalismo e ao lucro como prioridade para encontrar como um terremoto normal para essa região europeia pode causar centenares de mortes. Raúl Madariaga, sismólogo entrevistado hoje pela comunicação social e investigador da área geográfica atingida esta madrugada desde 1979, explicou hoje que lá "costuma haver muitos mortos (...) porque no centro da Itália encontramos edifícios muito velhos e de péssima qualidade. São construções que nunca foram pensadas para resistir terremotos".

Em vez de agir sobre essa realidade através de intervenções urbanísticas sobre os prédios em perigo - apesar das frequentes tragedias, a última em L'Aquila em 2009, com mais de 300 pessoas mortas -, o capital, como é sabido, escolhe quem sobrevive e quem morre através de processos como a gentrificação.

O Primeiro Ministro italiano, Matteo Renzi garantiu ontem "que não deixaremos qualquer família sozinha, e qualquer município à sua sorte". No entanto, a última vez que a zona sofreu um fenómeno parecido, em 2009 em L'Aquila, o estado burguês italiano - com Silvio Berlusconi à cabeça - fez exatamento o contrário.

Com informações de Vilaweb e mais.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar