Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 09 Outubro 2016 20:52 Última modificação em Quinta, 13 Outubro 2016 17:33

Concluiu 17º Congresso da Federação Sindical Mundial (FSM): «Luta, Internacionalismo e Unidade»

Avalie este item
(1 Voto)
País: África do Sul / Laboral/Economia / Fonte: Abril Abril

Encerra hoje o 17.º Congresso da Federação Sindical Mundial (FSM), a decorrer na África do Sul. A situação dos trabalhadores no mundo e o reforço da intervenção sindical estiveram no centro da discussão.

Desde quarta-feira que mais de 1500 delegados e convidados, representando 111 países dos cinco continentes, estão reunidos no Centro Internacional de Convenções Inkosi Albert Luthuli, em Durban.

O lema «Luta, Internacionalismo e Unidade» dá o mote à iniciativa, complementado pelo grande tema «Vamos à luta pela realização dos trabalhadores e trabalhadoras, contra o desemprego a guerra e a pobreza gerada pela barbárie capitalista».

Na abertura, o grego George Mavrikos, secretário-geral da FSM, saudou os 71 anos da Federação e sublinhou os eixos do Congresso, lembrando que a FSM representa hoje cerca de 92 milhões de trabalhadores no mundo e que a estrutura sindical é orientada pelo «classismo, pelo internacionalismo e pela luta da classe trabalhadora».

O Congresso da FSM é um momento de definição de acções comuns e convergentes do movimento sindical de todo o mundo, na defesa dos interesses de classe dos trabalhadores, bem como de medidas para o reforço da intervenção da organização, da sua direcção e estrutura, tendo em vista ampliar a sua implantação, influência e prestígio ao nível nacional, regional e mundial.

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, também esteve presente na abertura desta iniciativa e recordou que os trabalhadores «enfrentam uma luta mundial para responder à crise do capitalismo global».

«Não é um exagero dizer que a desigualdade e a exclusão económica mundial se transformaram numa séria ameaça para a paz mundial, a estabilidade e o desenvolvimento económico», sublinhou Zuma.

O presidente sul-africano apelou à união dos trabalhadores para «responder eficazmente ao desafio do desemprego, da desigualdade e da pobreza no mundo, especialmente na África».

A CGTP-IN também marcou presença no congresso. O seu secretário-geral, Arménio Carlos, afirmou na tribuna do encontro que «é preciso que o movimento sindical junte forças e vontades, reforce a denúncia e sensibilize os trabalhadores e a opinião pública para a necessidade de se combater a política de agressão e ingerência dos EUA, da NATO e de alguns Estados da União Europeia em várias regiões do Norte de África, do Médio Oriente, da América Latina e do Leste da Europa».

Quanto à situação portuguesa, o dirigente sindical afirma que «é preciso ir mais longe, confrontando as pressões externas e internas do capital, que não aceita nem perdoa a ousadia de um povo que assumiu combater e romper com a política de exploração e empobrecimento», avisando que «o governo português tem de respeitar a vontade soberana do povo» e sublinhando que o país não pode continuar a ser massacrado com uma dívida impagável que o condena à dependência externa e impede o seu desenvolvimento».

Organizado pelo Congresso dos Sindicatos da África do Sul (Cosatu), o evento reconhece o papel e a combatividade das lutas sindicais neste país ao longo de sua história.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar