Publicidade

Diário Liberdade
Terça, 24 Mai 2016 22:50

A memória, esse capital simbólico

Avalie este item
(0 votos)
Ramiro Vidal

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Num debate na canle de ámbito autonómico V Televisión Diego Gago, atual Presidente de Novas Xeracións de Galicia dixo umha cousa que nom pode aceitar nengumha pessoa que se mova numha órbita anti-fascista e democrática.


Algo assim como que, a respeito da repressom fascista, “cada caso é singular, seguramente houvo casos injustos...” Umha afirmaçom que provocou a lógica indignaçom dos seus interlocutores.

Relativizar a repressom fascista é inaceitável, além de que, a argumentaçom do Diego Gago parte da premissa de que a açom repressiva dos fascistas continha algumha justiça ou perseguia fazer justiça, e que o problema dessa repressom é que na procura dessa justiça se cometiam “erros”. Vamos que se tratava de fazer justiça e às vezes os fascistas erravam.

Nem que dizer tem que essa relativizaçom o que pretende é umha justificaçom. Voltar a esse argumento de que, por muito que doesse, aquilo foi inevitável, ou, como dim alguns, “fazia falta”.

Para mim, anti-fascista convencido que jamais procurará pontos de encontro com doutrinas fascistas ou teses revisionistas, nom cabe a menor dúvida de que individualizar os casos de repressom é um absurdo. Nom pode haver justiça em práticas que derivam de atos ilegítimos, neste caso, de umha sublevaçom militar. A repressom brutal infligida polos fascistas contra milhons de pessoas no estado espanhol foi a vingança terrível contra um povo que nom só nom apoiou essa sublevaçom militar, mas que se levantou em armas contra ela.

O do Diego Gago nom foi um desliz, nom foi um erro, nem foi umha frase sustraída do seu contexto. O contexto está claríssimo; um debate televisivo num momento concreto em que se tocava a memória histórica; umha questom incómoda para o Partido Popular. O problema nom é o Diego Calvo; o problema real é o PP e resulta insuportável já que no ano 2016 ainda nom condenasse o golpe de 36 e tudo o que veu depois. O Partido Popular nom condena e eu diria que nem sequer lamenta a repressom fascista. Matar o mensageiro pode ser umha boa puniçom para o Diego Gago, mas nom arranja o problema de fundo.

O problema de fundo é a memória como capital histórico, político, simbólico. Essa memória é a que nos fai compreender que chamar fascistas aos vultos do PP é mais do que umha desqualificaçom. É umha definiçom. Eles nom vam colocar aos pais, avós e bisavós no lugar dos carrascos e, naturalmente, nom lhe vam conceder aos seus inimigos de classe a condiçom de luitadores pola liberdade. Por passiva, trata-se de legitimar a Franco e a sua cohorte, já para sempre. Fechar feridas, chamam-lhe eles a isso...em realidade é perpetuar o incubo do fascismo para que sempre acabe ressurgindo. Franco foi mais um chefe de estado, um de tantos, “fai parte da história da Espanha” e é portanto natural que se lhe rendam honores de todo tipo, que se mantenham em pé as suas estátuas, que perdurem as suas condecoraçons e nomeamentos oficiais. Isso é o que pretendem que interioricem as geraçons do futuro.

A memória é essa arma que nos fai visualizar todo o processo de regressom em direitos e liberdades experimentado no estado espanhol nos nossos dias como um processo golpista. Por isso a memória é importante. E a memória é a que nos fai identificar ao Diego Gago como um fascista que milita num partido fascista. Por isso a memória é perigosa para eles.

Por isso também tenho afirmado muitas vezes, que a memória nom pode ser gerida apenas polas instituçons. É a nossa ferramenta mais poderosa para constroirmos um futuro melhor.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar