Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 30 Outubro 2017 11:01

O ataque aos companheiros anarquistas é o início de ofensiva fascista do Estado brasileiro

Avalie este item
(0 votos)
Mário Maestri

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Sábado, passado, dia 28 de outubro, Florence e eu fomos até o Colégio Municipal Porto Alegre, no Centro Histórico de Porto Alegre, onde se realizaria a 8a Feira do Livro anarquista. Sobretudo, estava a procura da edição em português do livro A grande revolução: 1789-1793, do príncipe russo Piotr Kropotkin [1842-1921], destacado militante e intelectual anarquista de sua época.


Tenho uma paixão enorme por esse trabalho, que li, de uma patada, em dezembro de 1973, no parque Chapultepec, na cidade do México, onde desembarcara escapado do golpe de Estado no Chile. O livro me foi presenteado por velho combatente catalão também ali aportado, após a derrota na Espanha, certamente para minorar meu abatimento pela derrota terrível que o povo chileno vivera.

O livro me marcou fundo. O tenho lido e relido. Era a Revolução Francesa analisada, nos seus fluxos e refluxos, a partir da luta dos oprimidos. Mais tarde soube que León Trotsky tinha a obra em grande estima e a teria relido ao escrever sua obra magna, A Revolução Russa.

Tenho o livro em italiano, francês e espanhol, mas não em português. O livro encontra-se na Estante Virtual. Porém, preferi buscar na Feira e pingar meus pilas no bolso dos jovens companheiros libertários, que fazem trabalho belíssimo em Porto Alegre, ao lado dos oprimidos e do movimento social.

Para enorme surpresa, Florence e eu nos deparamos com as portas cerradas e lacônico comunicado colado ao muro: "Na manhã de ontem (25/10) a Polícia Civil Gaúcha cumpriu em Porto Alegre (RS) e na região metropolitana uma dezena de mandados de busca e apreensão em espaços libertários e casas de indivíduos que identificaram como anarquistas. Os mandados são parte de uma investigação que está acontecendo há mais de um ano."

No Sul, o comunismo libertário nasceu com o movimento operário rio-grandense, nos anos imediatos à proclamação da República. A bandeira negra anarquista participou e dirigiu as grandes lutas sociais sulinas, com destaque pelas oito horas de trabalho, contra a carestia, pela educação operária e popular. Após 1917, com o prestígio da Revolução Russa, boa parte dos militantes libertários migraram para o marxismo, em verdade, sem terem muito idéia do que estavam abraçando.

Nos últimos anos, o comunismo libertário tem-se organizado através do Brasil, em forma pouco visível, pois constitui característica do movimento a negativa a qualquer participação nas eleições municipais, estaduais e federais, fixação obsessiva da esquerda que se reivindica do marxismo no Brasil. Os libertário denunciam as eleições como farsa burguesa, convenhamos, com boa dose de razão. Propõem sobretudo a organização dos oprimidos.

Mesmo em sua nova fase, o comunismo libertário constitui no Sul e no Brasil movimento pequeno de, salvo engano, no máximo, algumas centenas de militantes nos principais estados do país.

Foi grande portanto minha surpresa ao saber que a Polícia Civil investia dezenas de seus agentes e imensos recursos - tão escassos, segundo nosso desgoverno estadual -, na preocupação com a saúde do bem-pensar da população porto-alegrense e rio-grandense. População ameaçada e aterrorizado, quem sabe, pelos eflúvios deletérios da terrível pregação libertária que quer um mundo - cruz credo! - sem deus, sem patrão e sem pátria! Ou seja, onde os oprimidos e explorados sejam seus próprios senhores, nesta e na outra vida!

Porém, a questão por si já inaceitável, é muito mais séria,.Junto com a ofensiva policial multitudinária contra a bandidagem do mal-pensar subversivo [segundo os donos da riqueza e do poder de nosso país], a grande mídia está lançando, nacionalmente, com a indefectível Rede Globo, na cabeça, campanha de criminalização da militância libertária, identificando-a com a desordem, com a violência e, logo, com o terrorismo.

E, convenhamos, não é difícil tal iniciativa, contra um movimento que propõe a "Anarquia", no nível de controle total da mídia e da desinformação da população nacional, potenciado pela atuação ininterrupta do golpismo institucional em marcha, com o apoio dos chamados três poderes nacionais. Fora os de fora! Certamente não se explicará para a população que anarquia, do grego, significa uma ordem sem o governo dos patrões, através da confederação dos trabalhadores e assalariados.

A ofensiva contra as magras mas aguerridas hostes libertárias sulinas e brasileiras tem certamente objetivo maior. Trata-se do início da criminalização de toda a proposta de resistência política e social contra a ditadura impiedosa do capital sobre o mundo do trabalho e a população em geral. Agora, é a vez dos anarquistas. Muito logo, dos marxistas, dos socialistas, dos comunistas, dos trabalhistas, dos democratas, de todos os que pretendem pensar com sua cabeça e agir segundo sua consciência..

Agora, é contra os anarquista. Logo, logo, será contra ti.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar