Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 19 Novembro 2018 12:17 Última modificação em Segunda, 19 Novembro 2018 12:55

O Imperialismo vai nu

Avalie este item
(0 votos)
Zillah Branco

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

O Imperialismo serviu-se, primeiro, da nação norte-americana. Ai forjava-se a democracia entrosada com o desenvolvimento industrial.


Mas, a expansão do sistema capitalista privilegiou a propriedade privada dos bens de produção e do capital, o domínio da organização social para favorecer uma elite e explorar os trabalhadores, e o mercado interno e internacional para acumular os lucros.
Durante todo o século XX, confundiu-se o Império com a nação que tem o nome globalizante do continente, Estados Unidos da América - EUA. A partir da Grande Guerra, o Império pretendeu englobar sob o seu controle os países da Europa. Foram os encontros em Bilderberg onde o FMI "assessorou" o que veio a ser a Comunidade Económica Europeia - CEE.

Mas, já existia um bloco socialista, a União Soviética, que era contrário aos princípios individualistas do poder e da apropriação capitalista dos recursos sociais que deveriam beneficiar democraticamente todo o povo. Diante da ameaça expansionista da Alemanha fascista, os "aliados" europeus e os EUA viram-se forçados a recorrer ao exército Vermelho, da URSS, para vencer o inimigo, o que bloqueou a expansão imperialista que já se iniciara por via das relações financeiras e do mercado externo.

A partir de então os europeus decidiram criar uma organização dos Estados Unidos da Europa, a União Europeia - UE - capaz de defender os países capitalistas do continente diante da cobiça dos EUA enquanto império. Estavam unidos pelo mesmo sistema capitalista, mas independentes. Eram aliados e, para combater o socialismo que atraia todos os povos que se viam explorados e colonizados, e as forças de esquerda nos países europeus que despertavam o interesse dos que defendiam a classe oprimida nas suas nações, deram início à guerra fria para minar o sistema socialista. Consolidaram os laços que os unia ideológicamente contra o inimigo comum, mantendo-se independentes (com o FMI colado à Troika e ao Banco Central).

Conseguiram na década de 90, fazendo uso das modernas tecnologias aplicadas à comunicação social exercer uma forte pressão sobre o comportamento e a formação mental das populações que acreditaram ter um sistema de ensino, saúde e previdência social justo, como preconizava o socialismo da URSS, além de uma legislação do trabalho, sem perceberem que tudo isso estava sob o controle do Estado com os orçamentos que a elite aprovava segundo os seus próprios interesses de classe.

A comunicação social, servindo-se das palavras religiosas medievais que impunham a
submissão dos mais pobres aos mais ricos, dos menos instruidos aos que podem fazer cursos superiores, convenceram os povos de que deveriam aceitar o comando das elites e as restrições impostas pelo Estado por ela dirigido, como uma fatalidade, recebendo os
benefícios de um incipiente serviço social acompanhado por leis relativas ao trabalho, mas sempre e quando os patrões aprovavam

Durante todo o século XX, os partidos de esquerda lutaram por conquistas graduais de benefícios sociais e as elites foram mudando a sua linguagem autoritária de "donos do poder" para parecerem democráticos e humanistas através de pequenas concessões que aliviam a miséria da classe explorada mas não permitem a sua ascenção social e econômica de acordo com a sua capacidade de produção.

Cresceram as diferenças entre os povos de países ricos e pobres, e dos considerados desenvolvidos e os subdesenvolvidos (que passaram a ser referidos como "em desenvolvimento", para disfarçar a miséria real). No entanto, tais cedências, mesmo pequenas, reduzem os lucros e ameaçam o poder que o sistema capitalista quer aumentado. E sem alcançar os lucros pretendidos, o sistema capitalista entrou em crise, os bancos quebraram, as empresas financeiras decretaram falência levando de roldão as poupanças que uma classe média, de pequenos proprietários, perdesse o que guardara para a velhice.

A contradição de um sistema planeado para aumentar o capital nas mãos de uma elite com uma distribuição de rendimentos democrática, para promover o desenvolvimento das nações e satisfazer as necessidades do povo, é insuperável. Os Impérios passaram a usar a força para destruir os Estados democráticos ou as forças políticas que resistem para que a crise não atinja os trabalhadores e suas famílias.

Organizam não apenas uma mídia hegemônica para divulgar mentiras que convençam a população a se sacrificar pelo país, mas forças militares e policiais para invadirem nações e provocarem o exodo de milhões de refugiados (como foi feito pela NATO no Oriente Médio e na África, e agora na América Latina - AL) ou, como tem ocorrido nos países latino-americanos e africanos, ou da Indonésia, invadirem residências, escolas, manifestações populares. Financiam e estimulam a formação de grupos terroristas para desestabilizarem sociedades tranquilas e exercerem a prática de crimes, distribuição de drogas, exploração sexual, pedofilia, corrupção de funcionários do Estado e das empresas de serviços públicos. Criam uma cultura perniciosa que fomenta o egoismo e a alienação social, multiplicam os filmes e shows com cenas de violência e falta de pudor que corrompem a educação familiar.

Mais recentemente, passaram a implantar departamentos junto aos governos para "assessorar o planeamento económico e social", "formar os responsáveis pela segurança pública" e "estabelecer as condições para recuperar as finanças à custa da austeridade popular", abrindo às portas para a privatização da saude e do ensino, enquanto reduzem os orçamentos dos sistema públicos, provocando desemprego, cortes salariais, de modo a minar as instituições democráticas responsáveis pelo Estado Social e o sistema judicial e de segurança nas nações que, assim, perdem a sua soberania e são desorganizadas por um caos social incontrolável.

Minam as instituições democráticas que ainda existem para poderem eleger como Presidentes pessoas incapazes e perversas que acabam com a justiça e impõem a ordem ditatorial correspondendo ao desejo desesperado de eleitores insatisfeitos com a vida caótica que é fomentado pelas "fake news" repetidas através da moderna tecnologia virtual manipulada pela mídia global e religiões medievalistas.

Hoje o Imperialismo norte-americano utiliza abertamente as forças militares e de inteligência fiscal dos EUA, nesses departamentos de "assessoria" aos governos fracos, ou envolvem os militares da Europa através da NATO e de acordos com os países que pertencem a UE, para invadir países do Oriente Médio e da África, e provoca distúrbios nos vários continentes vitimados pelo subdesenvolvimento resultante da velha colonização europeia. Começa a oferecer até aos governos de nações europeias o sistema, (usado junto aos paises em desenvolvimento) de "assessoria" a partir do FBI, CIA, DEA, que ficam implantados como virus dentro dos Estados. A missão desses "assessores", dos apregoados "empreendedores", além de invadirem o sistema nacional é de produzirem planos de desenvolvimento económico e social que imponha a dependência em relação ao Império que vai usufruir da decadência implantada às nações de todo o mundo. Este é o pretendido remédio para a crise de um sistema falido - o caos globalizado.

Este quadro foi desvendado no Brasil onde um governo democrático como o do PT (Partido dos Trabalhadores), fez grandes transformações benéficas ao povo e ao desenvolvimento nacional criando condições para o seu fortalecimento a nível internacional, mas foi minado pelas "assessorias" norte-americanas que se infiltraram como células cancerígenas destruindo o tecido político do país,

O modelo de Presidente para servir a este nefasto papel de destruidor dos Estados modernos é o de uma personalidade paranóica, com ambição de poder absoluto, sem qualquer princípio ético e humanista, frio e calculador, servidor de um comando como o dos bonecos de ventríloquos, absolutamente desumanizado. Assim é Trump nos EUA e Bolsonaro no Brasil, e outros que vão a caminho mas ainda têm algum antídoto europeu.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar