Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 04 Mai 2016 16:08

Um dia vermelho

Avalie este item
(0 votos)
Pedro Monterroso

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

[Pedro Monterroso] O nome dele era Carlos, acho, ou assim o batizou a minha conversa, que graças a deus, ateia, batiza caras e corações ao passo dos olhos com a imaginação. Trocamos umas palavras, chamou-me Portuga, pelo sotaque que lhe era familiar, também ele um, que por cá anda há 10 anos.


Carlos, contava-me que ali, no Görli, designação quase amorosa, de um parque que divide - na sombra os trabalhadores, ao sol os empregados de todas as classes -, há uma comunidade lusa muito grande, de guineenses, portugueses, brasileiros, mas também de turcos, árabes e outros passageiros, quase sem entidade nacional, toda a "malta" menos visível, mas não do mal. Bom, às vezes, do mal. É que a desigualdade conduz à margem da cidade.

Contudo, pediu que lhe tirasse uma foto, prometendo que aquilo que vislumbrávamos iria ser igual à da festa do Benfica, que ele carregava ao peito, ali no Görlitzer Park, onde os fumos e as batucadas da primavera celebravam o feriado igualmente vermelho - o 1º de Maio. O dia dos trabalhadores, mas não de todos - tal como os clubes de futebol, também o trabalho divide, embora, mais involuntariamente. Há os trabalhadores que ostentam a legalidade e os clandestinos que Carlos também conhece, contava-me, que também trabalham, às vezes mais, muito mais, mas não têm emprego, nem condições legais, em muitos casos, questão cada vez mais premente na rotina berlinense, são refugiados.

Trabalho mas sem emprego, fora dos sistema, a apanhar garrafas, a vender o que podem. O dia dos trabalhadores não lhes diz respeito, não diz respeito às subclasses, porque elas são invisíveis, e que não se vê, não existe. Mas são os inexistentes que mantêm a festa, que ajudam à celebração, e o trabalho, ou o dia do trabalhador deve ser de todos, e não dum sistema exclusivista como também é teu Benfica, Carlos, mas com uma grande diferença, é que quem quiser fazer parte dele, pode fazer, e fazer parte da tua torcida. Eu não ligo a futebol, mas se ligasse, nesse momento, meu caro, era do teu Benfica.

P 20160501 201013 1

 

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar