Publicidade

Diário Liberdade
Terça, 25 Outubro 2016 01:16 Última modificação em Quarta, 26 Outubro 2016 13:31

Mineiros e galegos, trem bão!

Avalie este item
(4 votos)
Diego Bernal

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Segundo umha embaçada lembrança lisboeta, foi lendo um livro a caminho do trabalho, num comboio da linha Santa Apolónia-Castanheira do Ribatejo, que fiquei sabendo da fama de desconfiado e indeciso do povo mineiro.


Na hora, achei bem engraçada essa coincidência galego-mineira de sermos considerados povos receosos e hesitantes.

Pouco depois, recordo-me que sorri quando descobrim num Pingo Doce, popular supermercado português, que a couve mineira era conhecida em Portugal como couve galega. Também me lembrei de que tanto a culinária mineira quanto a galega eram muito conceituadas e apreciadas.

Quando aprendim que Minas Gerais (MG) era um território rural, com umha populaçom muito espalhada, que tinha proporcionalmente o maior número de municípios do país, com umha importante massa florestal de monocultura de eucalipto e era o principal produtor de leite do Brasil nom pudem deixar de continuar a fazer comparaçons.

A seguir, alguém me falou da política do café com leite. Assim batizada porque durante a República Velha, quer dizer, a 1ª República no Brasil, o poder era revezado entre a oligarquia paulista, produtora de café, e a mineira, produtora de leite. Um vasto número de presidentes brasileiros até hoje fôrom mineiros: Afonso Pena, Venceslau Brás, Delfim Moreira, Arthur Bernardes, Juscelino Kubitschek ou a última presidenta legítima do Brasil, Dilma Rouseff, vítima de um recente golpe de Estado.

Tentei fazer mais umha associaçom e cismei naquilo que diziam de que a guerra civil espanhola fora cousa de dous galegos, um da Corunha, Casares Quiroga, -melhor Queiroga- presidente da República, e outro de Ferrol, Francisco Franco, militar golpista. Pensei em Portela Valadares e mesmo no atual presidente do governo espanhol, Mariano Rajoi. Até reparei num dado curioso, os dous principais partidos da Espanha, o PSOE  e o Partido Popular, tinham sido fundados por galegos, Pablo Iglésias e Manuel Fraga. Eis o nosso particular café com leite.

Minas Gerais é também viçoso celeiro literário. Clássicos da literatura brasileira Guimarães Rosa, Drummond de Andrade, Darcy Ribeiro mas também contemporáneos, Rubem Fonseca, Ciro dos Anjos, Luiz Ruffato, Marcos Bagno tenhem em MG o seu berço. Martim Codax, Rosália de Castro, Curros Henriques, Pardo Bazán, Valle Inclám, Cunqueiro, Manuel Rivas ou Suso de Toro, som alguns dos principais escritores da literatura galego-portuguesa, galega e espanhola nascidos na Galiza. A Galiza é, aliás, dos poucos povos da península que tem um Prémio Nobel de literatura, Camilo José Cela. Catalisador da riqueza literária de ambos os povos, o multifacetado intelectual Paz Andrade escreveu A galecidade na obra de Guimarães Rosa

11356014 1623474514587200 1762623658 nMas as semelhanças nom ficavam por aqui. Assim que ouvim “arreda um pouquim” acabei por me convencer da necessidade de escrever este artigo.

Em Minas som corriqueiros os usos do verbo arredar, tam do gosto dos nossos galeguistas arredistas, e do sufixo –im no lugar de -inho, típico das falas do leste da Galiza, muito próximo para mim, cuja estirpe materna é do lugar de Lamas no concelho de Baralha, comarca dos Ancares. Ainda tivem tempo de ouvir com freqüência “vou ir” para surpresa de puristas que confundem língua portuguesa com língua-padrom.

Por último, nom queria deixar de chamar a atençom de o melhor cartunista galego, Miguelanxo Prado, ter dedicado um livro à capital de Minas Gerais, Belo Horizonte, nem esquecer que um dos melhores fotógrafos do mundo, o mineiro Sebastião Salgado, fotografou as mariscadoras das rias galegas no seu álbum Trabalhadores.

Unknown

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar