Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Quinta, 13 Abril 2017 19:58 Última modificação em Quinta, 13 Abril 2017 20:00

É preciso acabar com a penalização das longas carreiras contributivas

Avalie este item
(0 votos)
País: Portugal / Laboral/Economia / Fonte: CGTP

O Governo apresentou recentemente um documento sobre as reformas antecipadas, protecção das carreiras longas, onde para além de reafirmar as posições anteriores, acrescentou informação mais detalhada em relação às penalizações e bonificações.

A CGTP-IN considera que, independentemente da eliminação do factor de sustentabilidade, permanecem um conjunto de problemas que, a não serem superados, continuarão a penalizar as longas carreiras contributivas. Neste sentido, importa ter presente:

  1. Mantém-se o factor de penalização de 0,5% ao mês – 6% ao ano;
  1. A bonificação das longas carreiras contributivas terá o seguinte figurino:

-        4 meses por ano para as carreiras contributivas compreendidas entre os 40 e os 43 anos;

-        5 meses por ano para os 44 anos de carreira contributiva;

-        6 meses por ano para as carreiras de 45 e 46 anos;

-        7 meses para os 47 anos de carreira contributiva.

  1. A conjugação destes dois factores, aliados à evolução da idade de reforma, de acordo com o aumento da esperança de vida, teria em 2017 para os trabalhadores com 40 anos de contribuições e 60 anos de idade as seguintes consequências:

CARREIRA

IDADE DE REFORMA

EM 2017

PENALIZAÇÃO

40 anos

66 anos e 3 meses

37,5%

41 anos

65 anos e 11 meses

35,5%

42 anos

65 anos e 7 meses

33,5%

43 anos

65 anos e 3 meses

31,5%

44 anos

64 anos e 10 meses

29%

45 anos

64 anos e 4 meses

26%

46 anos

63 anos e 10 meses

23%

47 anos

63 anos e 3 meses

19,5%

48 anos ou mais

63 anos e 3 meses

Sem penalização

  1. Tal como os dados e os números apresentados no quadro anterior demonstram, a última proposta apresentada continua a penalizar os trabalhadores. Daqui resulta que o Governo para tratar desta questão com a atenção e o cuidado devido, tem de reformular urgentemente a sua proposta e de ter em conta a justeza das reivindicações da CGTP-IN, designadamente:

-        A eliminação do factor de penalização (05 %/mês – 6%/ano);

-        A opção do acesso à reforma dos trabalhadores com longas carreiras contributivas iguais ou superiores a 40 anos, sem qualquer redução no valor da sua pensão;

-        A definição legal da reforma aos 65 anos.

  1. Relativamente aos desempregados de longa duração não houve até ao momento nenhuma proposta de alteração. Estamos perante um número significativo de trabalhadores que dificilmente encontrarão uma alternativa para regressar ao mercado de trabalho e que, na sua maioria, se desejar passar à situação de reforma, tem uma forte penalização. Também aqui é preciso que o Governo tenha a sensibilidade social para resolver este problema.
  1. Com a abertura da discussão das longas carreiras contributivas, a CGTP-IN defende que idêntica atitude deve ser seguida para com os trabalhadores da Administração Pública. Para tal é necessário que o Governo estabeleça um plano devidamente calendarizado para proceder a esta discussão com a Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública.
  1. O documento apresentado pelo Governo aborda ainda o "faseamento" da entrada em vigor da solução que entretanto vier a ser encontrada. Apesar de solicitado a fazê-lo, o Ministro do Trabalho não esclareceu a situação. Esta é objectivamente uma questão que a CGTP-IN quer ver clarificada, dado que não aceita que a entrada em vigor das medidas seja protelada no tempo, com todos os prejuízos que daqui resultam para os trabalhadores.
  1. Num quadro político, económico e social em que importa reforçar a solidariedade intergeracional e a sustentabilidade financeira da segurança social, a ruptura com o modelo de baixos salários e trabalho precário constitui uma prioridade de todos quantos lutam contra as discriminações, as desigualdades e a pobreza laboral. A rotação da precariedade do emprego com o desemprego, para além da instabilidade, insegurança e redução de rendimentos, reflecte-se também negativamente na carreira contributiva e no futuro do valor das pensões de reforma, particularmente das gerações mais novas. Esta é outra das questões que tem, necessariamente, de ser abordada e resolvida, considerando que a CGTP-IN não aceita que as gerações mais jovens venham a ter piores condições de vida relativamente às que as precederam. Também aqui a valorização do trabalho e dos trabalhadores, a estabilidade do emprego e o aumento dos salários, constituem elementos centrais para assegurar o futuro da sustentabilidade financeira da segurança social e melhores reformas para os trabalhadores de todas as gerações.
  1. Para a CGTP-IN, este é o tempo de corrigir os erros do passado e assegurar reformas dignas para os trabalhadores de todas as gerações.

DIF/CGTP-IN

Lisboa, 10.04.2017

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar