Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Sábado, 09 Dezembro 2017 02:30 Última modificação em Domingo, 17 Dezembro 2017 19:47

Bloco central de acordo na militarização da UE

Avalie este item
(1 Voto)
País: Portugal / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: AbrilAbril

Os projectos de resolução do PS, do PSD e do CDS-PP foram aprovados ao final desta manhã, com os votos dos três partidos e a oposição do BE, do PCP e do PEV. Os dois primeiros apresentaram iniciativas de rejeição da associação de Portugal à CEP, chumbados pelos grupos parlamentares que defendem a submissão dos interesses nacionais às prioridades definidas em Bruxelas, em articulação com a NATO, em matéria de Defesa.

Ainda ontem, no debate quinzenal com o primeiro-ministro, Hugo Soares (PSD) e Assunção Cristas (CDS-PP) se queixavam de que o PS tinha votado contra todas as suas propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2018. Um dia depois, e sobre uma matéria de soberania nacional, os três partidos facilmente se colocaram de acordo.

O acordo foi alcançado depois de o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ter pressionado o entendimento.

Defesa Nacional submetida a ditames de Bruxelas, que será corrente de transmissão de ordens de Washington

A CEP pretende concretizar a constituição de um «braço europeu» da NATO, acentuando a militarização da União Europeia (UE) – tanto pela constituição de estruturas comuns de comando como através da submissão dos interesses nacionais em matéria de Defesa às necessidades definidas por Bruxelas, em articulação com a Aliança Atlântica ou com os EUA, sua potência dominante.

Portugal, por exemplo, pode vir a ser condicionado a não investir na aquisição ou construção de navios para patrulha da sua costa oceânica, ou de meios aéreos de combate a incêndios, em detrimento de meios que sejam considerados necessários para a participação nacional em missões decididas por Bruxelas e Washington.

O País fica mesmo sujeito a um controlo próximo ao que já existe em questões orçamentais, com metas definidas pelas instituições da UE, que depois vão fiscalizar a sua implementação, em questões como o investimento na investigação e desenvolvimento de meios militares operacionais.

Senhores da guerra lucram com destruição de países

Recorde-se que os estados-membros onde se concentram os maiores interessados em capitalizar com a CEP – o complexo militar-industrial – são a Alemanha, a França e o Reino Unido, com a Itália, a Espanha e a Suécia a terem igualmente bastante interesse em beneficiar com a venda de material para as forças armadas dos países signatários.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, tem sido um dos principais defensores do reforço da militarização da UE, usando como argumentos o terrorismo e as guerras junto às fronteiras externas da União. No entanto, a destruição da Líbia (em que participaram não só os estados-membros da UE que também são membros da NATO, mas outros, como a Suécia), cujas consequências permanecem muito visíveis, contradiz os argumentos do luxemburguês.

A participação de países da UE, dentro ou fora do quadro da NATO, em numerosos conflitos na Europa (como na Jugoslávia, na Geórgia e na Ucrânia), no Médio Oriente (como no Afeganistão, no Iraque e na Síria), ou em África (como na Líbia, no Mali e na República Centro-Africana) tem sido um dos principais focos de desestabilização e insegurança, dentro e fora do continente europeu.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar