Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Domingo, 31 Dezembro 2017 14:56

Forte adesão à greve na Somincor perante lock-out ilegal

Avalie este item
(0 votos)
País: Portugal / Laboral/Economia / Fonte: Abrl Abril

Os trabalhadores da mina de Neves-Corvo, em greve pela segunda vez esta semana, denunciam que a Somincor está a reprimir ilegalmente o protesto, recorrendo a coacções, ameaças e até a um lock-out.

Depois das greves realizadas de 3 a 7 de Outubro, de 6 a 11 de Novembro, com deslocação ao Ministério do Trabalho no dia 10, e de 22 e 27 de Dezembro, os trabalhadores da mina de Neves-Corvo, em Castro Verde, estão novamente em greve esta sexta-feira por 24 horas, iniciada às 6h.

As paralisações foram divulgadas pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM/CGTP-IN), que acusa a empresa de «fazer de conta que não entende a natureza do conflito que ela própria criou, nem as medidas que tem de tomar para o resolver».

Os trabalhadores da Somincor, pertencente ao grupo canadiano Lundin Mining e concessionária da mina, acusam ainda a administração «de optar pela ilegalidade» em vez da «via da negociação».

A greve em causa regista uma «adesão enorme» mas tem notado uma escalada no tom de repressão proveniente da empresa, que «já em Novembro recorreu à GNR para furar o piquete».

Em comunicado, divulgado pela Fiequimetal, o STIM denuncia que a administração «ameaçou não proceder ao pagamento dos dias intercalados em que os trabalhadores não realizam greve» e avançou hoje «com lock-out», acto proibido constitucionalmente, tendo denunciado o caso à Autoridade para as Condições no Trabalho (ACT), que já está no terreno.

Os trabalhadores reivindicam o fim da laboração contínua no fundo da mina e a implementação de «horários humanizados», de segunda a sexta-feira, assim como «a antecipação da idade da reforma dos trabalhadores adstritos às lavarias, pastefill, backfill e central de betão».

É ainda reivindicada a reparação das discriminações aos trabalhadores que rejeitaram a laboração contínua, atribuindo as progressões e «demais direitos que lhes foram sonegados», uma «justa e adequada» progressão nas carreiras, a «justiça» na atribuição dos prémios e o fim da «pressão e repressão» sobre os trabalhadores.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar