Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Quinta, 24 Novembro 2016 07:14 Última modificação em Sábado, 26 Novembro 2016 22:15

Professorado português exige resolução das ilegalidades

Avalie este item
(2 votos)
País: Portugal / Língua/Educaçom / Fonte: Diário Liberdade
[João Nelson Ferreira] "O Ministério da Educação tem a obrigação de respeitar os direitos dos professores", sublinhou  Mário Nogueira na tribuna da concentração que, ao fim da tarde desta quarta-feira, 23 de novembro, decorreu na Av. 5 de Outubro, em Lisboa, para exigir a resolução das ilegalidades no posicionamento na carreira docente, "o Ministério da Educação tem a obrigação de respeitar os direitos dos professores" .

A concentração juntou docentes de vários pontos do país e terminou com a entrega de uma moção no ME, aprovada por unanimidade e aclamação.

Lembrando que esta concentração ("um protesto contra a falta de vontade e a indiferença demonstrada pelo ME") foi o início de uma luta mais ampla dos docentes portugueses em defesa das suas carreiras, que estão congeladas há seis anos consecutivos,  o Governo quer que, assim se mantenha em 2017, a FENPROF recusa esse novo adiamento do descongelamento da carreira.

23112016 L1026030

Cumprir a lei!

É ao Ministério da Educação e ao Governo que aqueles docentes reivindicam a tomada de medidas necessárias (e urgentes!) para resolver a ilegalidade que os continua a afetar.

"A resolução daqueles problemas não constitui um favor, pois estamos perante situações de ordem legal", observou Mário Nogueira. Como afirmou o Secretário Geral da FENPROF às equipas de reportagem que se deslocaram à "5 de Outubro","o que está na lei tem que ser cumprido". Um tema que Mário Nogueira retomaria na intervenção de encerramento desta concentração, na qual voltou a alertar para as insuficiências do Orçamento de Estado para a educação, tendo afirmado ainda que o Ministro omite no seu discurso a situação dos professores.

Os professores estão preocupados com as suas carreiras e decididos a defender o retorno à normalidade, não aceitando continuar a ser penalizados, depois de anos a ser tão fortemente sacrificados como foram.

Nesta concentração, vários professores empunharam cartazes denunciando as suas situações específicas, com as verbas que já perderam (centenas de euros por mês a multiplicar por anos de bloqueamento, totalizando milhares de euros), cartazes esses que a FENPROF levará para a reunião co o Ministro na próxima sexta-feira, às 11h00.

23112016 L1026003

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar