Publicidade

Diário Liberdade
Terça, 25 Dezembro 2018 22:40 Última modificação em Domingo, 13 Janeiro 2019 13:55

Discurso de Díaz-Canel, presidente de Cuba Socialista: “Vamos seguir adiante e continuar vencendo”

Avalie este item
(0 votos)
País: Cuba / Institucional / Fonte: PCB

Discurso pronunciado por Miguel M. Díaz-Canel Bermúdez, Presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, no encerramento do Segundo Período Ordinário de Sessões da IX Legislatura da Assembleia Nacional do Poder Popular, no Palácio de Convenções, em 22 de dezembro de 2018, “Ano 60 da Revolução”.

(Versões Taquigráficas – Conselho de Estado)

Querido General do Exército Raúl Castro Ruz, Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido;

Companheiros Machado e Lazo;

Deputadas e deputados;

Compatriotas:

Nossas primeiras palavras no Dia do Educador para felicitar e reconhecer os professores cubanos, aqueles que nos dedicam, mais que suas horas, o sentido de suas vidas.

O ano de 2018 quase termina e voltamos a nos reunir para o tradicional abraço e a avaliação de um período crucial na história da Revolução Cubana.

O ano do qual hoje nos despedimos ficará em nossa memória nacional como aquele em que uma nova geração, de maneira gradual e paulatina, em clara expressão de continuidade, começou a assumir tarefas principais de direção, com a sorte de manter a orientação da Geração Histórica, em particular do General do Exército Raúl Castro Ruz, Primeiro Secretário do Partido Comunista de Cuba.

Durante os meses transcorridos desde as sessões da Assembleia em abril, contamos com essa orientação ante os mais duros e inesperados desafios e encontramos em sua confiança e na direção coletiva os recursos fundamentais para chegar hoje aqui e prestar-lhes contas, comprometidos com a solução dos problemas que mais preocupam o povo, que são os que absorvem cada minuto de nossos dias e cada partícula de nossas energias.

Fazendo um balanço dos esforços e resultados, devo falar, em primeiro lugar, da profunda satisfação que nos deixa a discussão popular sobre a nova Constituição que hoje se aprova.

Com esse debate, não só enriquecemos nossa cultura política, o sentido de pertencimento de uma nação e o futuro do país. Nos aproximamos mais das preocupações e demandas de nossa gente, objetivo fundamental da Revolução do qual sempre tentaram nos distrair os adversários, empenhados em fraturar e dividir a sociedade cubana, conscientes de que a unidade é sua mais cara fortaleza.

Gostaria de dizer que foi um ano de incentivo para o governo eletrônico e por uma maior eficiência na gestão econômica, porém, se trata somente do primeiro escalão em uma tarefa de demandas infinitas que para 2019 deverão começar a dar seus primeiros frutos.

E é preciso dizer que também passamos por provas realmente duras, como as inundações que assolaram as províncias centrais e a queda de um avião que deixou um doloroso saldo de 12 mortes e uma só sobrevivente, que há poucos dias enviou uma bela mensagem de agradecimento a seus compatriotas e, em especial, à equipe médica que a manteve com vida.

Cumprida a triste tarefa de reviver a pior notícia deste ano para Cuba, retomo a mais estimulante.

Esta sessão da Assembleia Nacional conclui com uma decisão transcendente para a vida da nação: a aprovação da nova Constituição da República que em fevereiro será submetida a Referendo.

Chegamos a ela depois de um amplo processo de consulta popular, onde os cidadãos, residentes dentro ou fora do país, tiveram a oportunidade de expressar livremente suas considerações sobre o conteúdo do projeto, o qual compreendia, entre outros aspectos relevantes, os fundamentos políticos e econômicos, os direitos e os deveres e a estrutura do Estado.

Todas e cada uma das intervenções foram devidamente avaliadas e originaram mudanças em cerca de 60% dos artigos do Projeto, o que permitiu enriquecer seu conteúdo.

A análise popular pôs em manifesto a vontade de aperfeiçoar a Constituição, porém, foi muito além porque forneceu importantes elementos a ter em conta no amplo exercício legislativo que devemos empreender para respaldar com as leis necessárias o cumprimento dos preceitos constitucionais.

A ocasião é propícia para, em nome da Assembleia Nacional, felicitar aqueles que participaram no cumprimento e na organização do processo de consulta popular, incluindo a condução das mais de 133.000 assembleias efetuadas em todo o país, os funcionários responsáveis pela coleta e análise das propostas; ao Centro de Estudos Sociopolíticos do Comitê Central do Partido e, em particular, à Comissão encarregada da redação do projeto de Constituição e, como sentida e justamente se expressou aqui, a seu presidente, o General do Exército Raúl Castro Ruz (Aplausos).

A Lei Fundamental que acabamos de aprovar reafirma o rumo socialista da Revolução e nos permite direcionar o trabalho do Estado, o Governo, as organizações e todo o povo no aperfeiçoamento contínuo da sociedade; reforça a institucionalidade; estabelece a prevalência da Constituição em nossa ação, uma maior inclusão, justiça e igualdade social e um reforço do empoderamento do povo no governo da nação.

Este processo, que continua com a celebração do Referendo em 24 de fevereiro do próximo ano, é uma genuína e excepcional demonstração do exercício do poder pelo povo e, por conseguinte, do marcado caráter participativo e democrático de nosso sistema político.

Contrário ao que expõem os inimigos da Revolução, Cuba deu mais uma vez mostra de que as decisões fundamentais e o consenso em torno dos temas que definem a vida da nação se constroem no apoio decisivo de todos. Devemos dizer a nossos detratores que se arrisquem a fazer em seus países um processo de características similares ao que estamos desenvolvendo.

Em data tão agradável como 24 de fevereiro, a 124 anos da retomada da luta independentista dirigida pelo Herói Nacional José Martí, os cubanos destes tempos, fieis às tradições de lutas, vamos às urnas para aprovar a Constituição, como expressão de firmeza, lealdade ao legado do Comandante em Chefe da Revolução Cubana, o companheiro Fidel Castro, e diremos com nosso voto: Sim à Revolução, à soberania e independência da Pátria, à unidade. Sim pelo socialismo e pelo compromisso com os heróis e mártires nos mais de 150 anos de lutas pela liberdade.

Queridas companheiras e companheiros:

Tem sido intenso e frutífero o debate nas 10 comissões de trabalho dessa Assembleia. Além do texto constitucional, discutimos em plenário dois temas prioritários: o cumprimento do plano e o orçamento no presente ano e suas propostas para 2019.

Com um discreto crescimento do Produto Interno Bruto de 1,2% – que mesmo limitado não deixa de ser alentador, em meio a tantos fatores adversos –, o comportamento da economia fecha em sinal positivo.

Para que não se subestime, me permito resenhar algumas decisões favorecidas por esse discreto, porém real crescimento:

Em novembro do presente ano se colocou em vigor o aumento das pensões mínimas aos aposentados, passando de 200 a 242 pesos para quase 300.000 pessoas.

Aumentou-se, também, em 70 pesos todas as prestações monetárias a receber através da assistência social, em benefício de 99.000 núcleos familiares.

Estes aumentos, que têm um custo anual para o Orçamento do Estado de 224 milhões de pesos, estão dirigidos a melhorar modestamente a renda de pessoas e núcleos familiares de menor poder aquisitivo e são uma antecipação parcial das medidas que se adotarão para ordenar a situação dos salários, pensões, prestações da assistência social, subsídios e gratuidades.

Um dos setores que mais contribui é o das comunicações, graças ao crescimento da conectividade e do acesso à internet em entidades estatais, assim como nos serviços demandados pela população com o aumento de 700.000 linhas de celulares, para um total de 5.300.000 em serviço.

Os pontos de acesso público mediante WiFi também crescem em mais de 300 e os lares conectados à internet já somam 60.000.

Os maiores efeitos do Produto Interno Bruto se concentraram na indústria açucareira e, mais ligeiramente, no setor da agricultura e da pecuária. Não obstante, é justo ressaltar o aumento da produção de arroz e feijão que nos permitem substituir importações.

Apesar do impacto do furacão Irma, que afetou severamente a comercialização destinada a Cuba na alta temporada 2017-2018, e as medidas adotadas pelo Governo norte-americano para dificultar as viagens a nosso país, o turismo terminará o presente ano crescendo e com um novo recorde de visitantes internacionais.

Não menos relevante é o fato de que em meio a tanto fatores adversos se garantiram os serviços sociais à população em Educação, Saúde, Cultura e Esportes. Prevê-se que o ano de 2018 encerra com uma taxa de mortalidade infantil de 4, similar a do ano anterior, que é a mais baixa da história.

Um programa que teve um significativo impulso foi o da habitação, o que permitiu terminar a execução de mais de 29.000 casas pelo plano estatal, ao tempo que por esforço próprio da população se alcançarão cerca de 11.000. A este empenho contribuirá a política da habitação que recentemente foi aprovada pelo Conselho de Ministros e informada aos deputados a esta sessão do Parlamento.

Para o próximo ano estão previstos níveis similares de crescimento da economia, 1,5% do Produto Interno Bruto, com uma recuperação da indústria açucareira e aumentos da atividade em outros setores, como a construção, o transporte e as comunicações.

Porém, estes crescimentos, embora reflitam o avanço do país em determinados setores, não permitem alcançar os níveis de desenvolvimento que se requerem para satisfazer as sempre crescentes necessidades da população. Por isso se definiu, dentro do Plano Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social para 2030, um grupo de objetivos aos quais deve se encaminhar o desempenho da economia para o período 2019-2021. Dentro destes, resultará vital o aumento das rendas por exportações e das capacidades para ampliar a produção nacional, através de um processo de investimento que requer mais eficiência.

As formas não estatais de gestão contribuíram com o Orçamento do Estado em 12% das rendas totais em 2018, os quais também devem crescer ligeiramente no próximo ano. Os quase 600.000 trabalhadores por conta própria contribuem com 5% das rendas do Orçamento.

Companheiras e companheiros:

O país continua sofrendo uma tensa situação nas finanças externas devido ao não cumprimento das receitas planejadas para exportações, turismo e produção açucareira, ao que se somam os danos ocasionados por uma prolongada seca, seguida pelos destroços do furacão Irma e, posteriormente, a ocorrência de intensas chuvas, tudo o que condicionou afetações na chegada de matérias primas, equipamentos e insumos.

Somente graças a medidas adicionais de controle nos principais compromissos financeiros do plano 2018, encaminhadas a trabalhar com maior precisão as decisões em matéria de importações e outros gastos em divisas no segundo semestre, se obteve o crescimento com um saldo positivo na balança comercial e na conta corrente.

Expressamos que a batalha econômica continua sendo a tarefa fundamental e também a mais complexa. É essa a tarefa que mais se exige hoje de todos nós, porque é dela que mais espera nosso povo.

O contexto que descrevemos demanda um planejamento mobilizador, dirigido a impedir que a burocracia imobilize o desempenho dos principais atores econômicos.

Impõe-se reforçar nossas estruturas e equipes de direção e gestão econômica com contribuições de especialistas e peritos das Ciências Econômicas em particular e de outras em geral. Não podemos nos cansar de ouvir os que sabem, valorizar suas propostas e articulá-las com o que nos propomos alcançar.

Necessitamos uma atitude mais proativa, inteligente e concreta dos dirigentes, impulsionando – não travando nem demorando – soluções seguras e particulares aos problemas, com a busca contínua e intensa de respostas ágeis e eficientes.

É preciso ser mais coerente com a conceitualização do Modelo Econômico e Social e mais sistemáticos e precisos na implementação dos Alinhamentos da Política Econômica e Social da Revolução, aprovados por nosso Partido.

É hora de atuar sem dogmas e com realismo, atendendo as prioridades, facilitando o real fortalecimento da empresa estatal e seu encadeamento produtivo com o investimento estrangeiro, as empresas mistas e o setor não estatal da economia.

Devemos, igualmente, ordenar a atividade do setor privado da economia, porém sem travar ou frear seu desempenho, estimulando as melhores práticas até conseguir que aqueles que a exercem se afastem da ilegalidade. O caminho é integrar todos os atores, formas de propriedade e de gestão presentes em nosso entorno econômico-social, à batalha pela economia que, reitero, é hoje a batalha fundamental.

Como nos dizem os resultados do ano, é imperativo impulsionar o investimento estrangeiro, fomentar um ambiente de confiança e segurança para os investidores, exportar mais, defender as receitas, encerrar o ciclo das exportações com a cobrança oportuna; cumprir com o assinalado pelo General do Exército Raúl Castro, em repetidas ocasiões, de não gastar mais do que entrar e não assumir compromissos que não podemos honrar. Assim, deter e solucionar a cadeia de dívidas.

Investir com eficiência e fazer cumprir o previsto nos estudos de facilidade após a colocação em marcha dos investimentos é tão importante como dar toda a atenção possível a sua execução, garantindo os suprimentos e a força de trabalho oportunamente, evitando as surpresas e a improvisação.

A mesmo tempo, devemos conhecer e manejar todas as possibilidades de financiamento, usar mais eficientemente os créditos e ser responsáveis com seus pagamentos.

Aproveitar eficientemente os valiosos recursos humanos e a força de trabalho qualificada e científica que temos dado com a grande obra educacional da Revolução; defender a produção nacional, mobilizar todas nossas potencialidades para produzir mais e com eficiência, é o único meio que nos permitirá crescer, por cima das afetações climáticas e da tensão financeira.

Devemos, igualmente, impedir os gastos supérfluos na atividade do Governo, obter um real controle dos recursos e aproveitar as experiências de outras nações socialistas como a China, Vietnã e Laos.

A gestão governamental deve se orientar com maior ímpeto à exigência da qualidade nos serviços e a evitar que suas insuficiências provoquem desconforto e irritação à população. Jamais esquecer que como servidores públicos nosso maior objetivo é o bem-estar do povo.

Abordar a atual conjuntura de maneira realista e objetiva é o que nos permite definir um plano da economia para um ano de 2019 sustentável, alicerçado sobre bases sólidas que propiciem, apesar das dificuldades, o desenvolvimento nas atividades prioritárias para o crescimento e contribuam com o restabelecimento paulatino da credibilidade financeira da nação.

Compatriotas:

2019 será um ano de ordenamento. O plano estará em função das receitas em divisas do país e sua cobrança, pagando mais dívidas que créditos a obter e cumprindo com a maior pontualidade possível o pagamento dos compromissos.

Não existe outra maneira de fazer o plano; do contrário, seria propor algo que não se cumprirá e que se tornaria impossível.

Devo enfatizar que o previsto neste plano é o mínimo a ser alcançado. É preciso gerar riqueza para ter mais. Sua execução deve ser apoiada por uma adequada administração do orçamento, no qual devemos potencializar todas as possibilidades de receitas, a diminuição dos gastos orçamentários no setor empresarial e a maior diminuição possível do déficit do orçamento.

Alcançar os objetivos propostos demanda um profundo processo de discussão do plano, um elevado nível de controle a envolver todos para defendê-lo entre todos.

A safra, atividade econômica importante não só pela produção de açúcar, mas por sua capacidade de gerar receitas líquidas, sua contribuição à geração elétrica a partir da biomassa, a produção de alimento animal e de derivados, se iniciou ultrapassando os indicadores principais. Agora, o importante é não deixar acumular problemas que atentem contra o bom desempenho do que resta de contenda.

Como parte do processo de informatização da sociedade, avança a digitalização da televisão e se abriu o serviço de internet nos celulares, uma nova possibilidade para os cidadãos e uma clara expressão da vontade política do Governo de levar adiante esse programa com nossos próprios esforços e talento, sem espaço para a ingerência que alguns disfarçam em perversas ofertas e planos colonizadores.

Continuam os investimentos em parques eólicos e fotovoltaicos, enquanto se iniciam as relacionadas com a geração a partir de biomassa em bioelétricas, apoiando a projeção de mudança da matriz energética e o aumento no uso das fontes renováveis de energia.

Com o propósito de debater com amplitude as projeções de desenvolvimento do país, consideramos conveniente convocar no primeiro trimestre do próximo ano uma sessão extraordinária da Assembleia Nacional que dedicaremos à análise do Plano Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social até 2030, em suas três etapas, e o informe sobre o estado da implementação dos Alinhamentos da Política Econômica e Social do Partido e da Revolução.

Por outro lado, recentemente entraram em vigor medidas relacionadas com a atividade do trabalho por conta própria. A maior parte da população as aceita e considera que são necessárias para a organização e controle deste processo.

A respeito, quero precisar nosso ponto de vista sobre esta atividade.

Os trabalhadores autônomos não são inimigos da Revolução, são resultado do processo de atualização do modelo econômico, solucionaram problemas que sobrecarregavam o Estado e para os quais, em determinadas ocasiões, resultava ineficiente. Eles iam resgatando ofícios que a vida provou que são necessários.

Temos reconhecido o setor não estatal como um complemento da economia e não existe intenção alguma de evitar que possam prosperar, porém, seu funcionamento tem que ser dentro da legalidade.

Assumimos que contamos com a maior parte deles para impulsionar e dinamizar a economia. É preciso apagar de algumas mentes os preconceitos para com seu trabalho, o que nos prejudica tanto quando aqueles inspetores que chegam a corromper-se, e geram desconfiança e insegurança.

Para seu adequado exercício, nos corresponde criar condições que propiciem o cumprimento das novas normas e contribuam para o real ordenamento da atividade. Os funcionários encarregados de velar pela aplicação das mesmas devem atuar com ética, rigor e justeza e apagar a péssima imagem que provocam as condutas corruptas de alguns.

Não desconhecemos, tampouco, que trabalhadores privados de algumas modalidades expressaram inconformidade com estas regulações, porém, não desde uma perspectiva de cooperação com a população, mas porque estão contra uma ordem que ponha fim ao enriquecimento ilícito, o qual não será permitido.

Sabemos que persistem tentativas para converter o setor não estatal em um inimigo do processo revolucionário, porém não conseguirão nos desunir. Para isso, contamos com o compromisso de nossos trabalhadores autônomos e das instituições estatais.

Deputadas e deputados:

É preciso esclarecer também que existe aqueles que tentam tergiversar o alcance e os objetivos do Decreto 349, associando-o a um instrumento para exercer censura artística. Falo de órgãos alheios à Cultura, que nunca se preocuparam e têm permanecido em silêncio ante a proliferação da banalidade, da vulgaridade, da violência, da grosseria, da discriminação da mulher, do sexismo e do racismo presentes nas mais variadas expressões que, atentando contra a política cultural da Revolução, se exibem em espaços públicos estatais e privados, alguns destes nem sequer legalmente reconhecidos.

Sabemos muito bem de onde provêm as instruções com o objetivo de confundir, dividir, desanimar e desmobilizar.

É evidente que o citado Decreto, por sua importância, deve ser mais discutido e melhor explicado. Isso se manifesta nas opiniões dos grandes nomes de nossa Cultura, que sim têm uma obra provada e comprometida.

A eles convoco a nos acompanhar na tarefa de fazer agora o que devíamos ter feito antes.

Nessas aprendizagens imprescindíveis, podemos encontrar juntos, desde o diálogo sincero, o modo de implementar esta norma, porque obedeceu a uma necessidade e a uma demanda dos próprios artistas, de impedir que siga proliferando o desrespeito à política cultural com produções pseudoartísticas que dão uma imagem do país que não somos, nem nunca fomos, nem devemos ser jamais.

Posso assegurar que o dito Decreto tem um só objetivo: proteger a cultura nacional dos falsos artistas, da intrusão professional e da pseudocultura geradora de antivalores, temas denunciados em múltiplos espaços por nossos criadores, escritores e artistas.

A criação artística em Cuba é livre e o seguirá sendo, tal como se postula na Constituição, e as instituições culturais têm a responsabilidade de aplicar a dita norma com total apego a estes propósitos.

Companheiras e companheiros:

Os temas debatidos nesta Assembleia requerem uma atenção priorizada do Conselho de Ministros. Em tal sentido, estamos desenvolvendo um sistema de trabalho baseado no intercâmbio com o povo, na visita aos territórios e comunidades, no vínculo com os coletivos que protagonizam os programas de desenvolvimento econômico e social.

Até eles chegamos para escutar, argumentar, esclarecer, desbloquear e solucionar problemas; atender queixas, incompreensões e desacertos.

Interessa-nos promover a prestação de contas dos que dirigem, favorecendo a comunicação direta com o público, através dos meios de imprensa e nas redes sociais, sistematicamente.

Queremos abrir caminhos para que a investigação científica tenha espaço em cada processo e forneça inovação e necessitamos impulsionar a informatização da sociedade.

Sistematizamos a continuidade e comprometimento com os programas de desenvolvimento, fomentando um estilo de direção e condução coletiva e defendendo com disciplina e compromisso as orientações de nosso Partido.

Convocamos e prosseguimos uma batalha ética contra a corrupção, as ilegalidades, as adições e a indisciplina social, manifestações que são antagônicas e incompatíveis com nosso presente e futuro.

O realizado é ainda insuficiente e o alcançado é nada em relação a nossos propósitos como Governo da Revolução, porém, queremos agradecer o apoio e a compreensão das cubanas e cubanos que habitam nossa geografia. A eles devemos.

Existem muitas perguntas a serem atendidas e respondidas. Daremos respostas a todas quantas forem possíveis e, para aquelas que no momento não tenhamos, não cessaremos no empenho de encontrá-las.

Cubanas e cubanos:

O ano de 2018 foi intenso em meio a um contexto internacional complexo pelo crescimento do hegemonismo imperial que mutila o multilateralismo nas relações internacionais.

A América Latina e o Caribe, nossa Pátria Grande, não é alheia a estes influxos.

Cuba é acusada pelo império de ser a causadora do que consideram “os grandes males da região”. O bloqueio se recrudesce e se intensifica a perseguição financeira para dificultar o desenvolvimento do país.

O resultado alcançado em 1° de novembro passado, em dez votações sucessivas da Assembleia Geral das Nações Unidas, demonstrou o esmagador apoio com que conta Cuba em sua luta contra o bloqueio, uma política agressiva, anacrônica, fracassada, que causa enormes danos ao povo cubano, constitui o principal obstáculo a nosso desenvolvimento e é uma violação dos direitos humanos. Muito agradecemos a todos os governos que contribuíram à reivindicação de colocar-lhe fim.

Nesse mesmo dia, o Assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, com linguagem extremadamente agressiva e desrespeitosa, anunciou em Miami novas medidas que reforçam o bloqueio, as quais, junto a outros fatos e ameaças, preveem que seu Governo avança para um curso de confrontação com Cuba.

O imperialismo estadunidense reiterou a vigência da Doutrina Monroe e arremete contra os governos e processos progressistas, tenta reverter os avanços conseguidos em matéria de integração e de justiça social na região; realiza uma sistemática e enorme operação de manipulação comunicacional e cultural; persegue e criminaliza forças políticas e líderes de esquerda, movimentos populares e organizações sociais com o objetivo de impor o neoliberalismo. Tenta destruir, assim, os mecanismos de cooperação e concertação genuinamente latino-americanos e caribenhos, como a CELAC e a UNASUL.

Porém, os povos não se dobram nem abandonam a luta como se demonstrou no amplo e unitário XXIV Encontro do Fórum de São Paulo, celebrado nesta cidade no mês de julho passado.

Expresso nossa profunda gratidão à Comunidade do Caribe por sua alentadora Declaração de Solidariedade de 8 de dezembro de 2018, em homenagem à celebração do Dia Caricom-Cuba.

A Declaração da XVI Cúpula da Aliança Bolivariana dos Povos de Nossa América, ALBA-TCP, celebrada em Havana, em 14 de dezembro passado, abordou estes temas, se pronunciou por atuar com determinação na mobilização e indispensável unidade das forças revolucionárias, progressistas e populares e expressou pleno respaldo e solidariedade à República Bolivariana da Venezuela e à República da Nicarágua frente à hostilidade imperialista e oligárquica.

No México, o presidente Andrés Manuel López Obrador obteve uma histórica vitória que desperta grande simpatia. A ele e ao fraterno povo mexicano, agradeço a afetuosa hospitalidade com que fomos acolhidos em sua posse.

No Brasil, as inaceitáveis condições e calúnias reiteradas pelo Presidente eleito desse país para liquidar o Programa Mais Médicos, violando os acordos respectivos com a Organização Panamericana da Saúde, nos obrigou, em defesa da dignidade, altruísmo e reconhecido profissionalismo de nossos trabalhadores da saúde, a colocar fim à participação cubana, como se informou detalhadamente a nosso povo e à opinião pública brasileira e internacional.

Todos os dias chegam, desde os mais remotos lugares do gigante sul-americano, mensagens de agradecimento a nossos médicos e de repúdio à política do novo Presidente, que os arrancou daquelas paragens onde só eles chegaram para salvar vidas.

Como Lula expressou em uma mensagem a nosso povo: “Lamento que o preconceito do novo Governo contra os cubanos tenha sido mais importante que a saúde dos brasileiros que vivem nas comunidades mais distantes e necessitadas”.

A história deixará registrado o antes e o depois de nossa cooperação. Na quadragésima edição do Festival Internacional do Novo Cinema Latino-americano de Havana, uma documentarista brasileira colocou de pé todo o auditório por apenas mencionar nossos médicos. Meios de comunicação de todo o mundo viraram seus olhos para nossa colaboração médica pela primeira vez, em virtude do despropósito do ultradireitista Governo brasileiro.

Nossos profissionais da saúde são o paradigma que se opõe aos egoísmos e à mercantilização dos serviços médicos. Eles são Cuba e são o mais formoso monumento à obra internacionalista, humanista, em defesa dos direitos humanos em escala universal, de Fidel.

Nos últimos meses, tivemos intensos e proveitosos intercâmbios bilaterais, em particular durante nossas visitas oficiais à Federação da Rússia, à República Popular Democrática da Coreia, à República Popular da China, à República Socialista do Vietnã e à República Popular Democrática de Laos, cuja calorosa hospitalidade agradecemos e das quais se derivaram importantes acordos em cujo cumprimento colocamos todos nossos esforços.

Resultaram também significativos os intercâmbios defendidos durante nossa presença na República Francesa e no Reino Unido. Foi, assim, proveitosa a visita a Havana do Presidente do Governo espanhol Pedro Sánchez.

Foi particularmente emotiva a comemoração junto às irmãs nações africanas do centenário do natalício de Nelson Mandela e do trigésimo aniversário da batalha de Cuito Cuanavale contra o regime do apartheid.

Queridos Compatriotas:

De que tremendo ano estamos nos despedindo!

Se só nos atentássemos aos símbolos, bastariam os 150 anos de luta feroz por nossa independência que marca 2018 e os 60 anos de combate, resistência e criatividade que se cumprem do triunfo definitivo, ao primeiro minuto de 2019.

Transitamos de um ao outro empurrados pela imponente façanha dos que se lançaram à selva, às vezes sem mais armas que a vergonha e enfrentaram fome e escassez sem limites para nos tornarmos livres.

Homens e mulheres de propriedades e riquezas herdadas, que renunciaram a elas para criar uma nação nova.

Este ano, um museu local da antiga metrópole nos emprestou uma cadeira que pertenceu a Maceo. De um tronco de palma se fez o trono do mais bravo de nossos Generais. Não tomou nenhuma elegante e fofa daqueles que, então, submetiam a sua Pátria. Por isso, a guardaram como troféu de guerra os que, ainda matando, jamais puderam vencer nossa vocação libertária.

Exatamente 60 anos depois da morte de Maceo, em dezembro de 1956, Fidel, Raúl e seus companheiros do Granma, retomaram o espírito daquele Guerreiro e levantaram acampamento nas montanhas. Tão criolla e soberana como a cadeira do Titã de Bronze seria o Comando rebelde.

Também de tabuas de palma e teto de palha é a casa de Fidel em La Plata, o sitio jamais conquistado pelo exército da ditadura, custodiado como esteve e estará sempre, pelos humildes habitantes daquelas terras, por onde corre sonoro e livre o arroio da Serra.

Somos uma nação marcada por afãs de independência tão grandes, que também nos salvaram das dependências egoístas às possessões materiais, quando o preço de as conseguir foi a liberdade.

Os símbolos aos quais fiz referência, esses sinais e essências que a História nos deixa, nos falam de um país com caráter, que supõe sempre que “a pobreza passa, o que não passa é a desonra”, como disse o Apóstolo da casaca gasta, que juntou dinheiro e vontade para a Guerra Necessária, sem apropriar-se jamais de um centavo.

Esse caráter, que nos vem dos avós e dos pais, que pela Pátria nos arranca até lágrimas, porém sobretudo nos lança ao galope sobre quantos querem prejudicá-la, não é, como alguns acreditam, o livro de História que a jovem geração não sabe ler.

Sentir paixão e orgulho pelo que somos ao mesmo tempo que impaciência e angústia pelo que não alcançamos, mais que em um sofrimento, converte o trânsito entre estes dois anos em um arco de triunfo, coroado por tudo o que entregamos e a certeza de que lutar é a vitória (Aplausos).

Vamos sempre por mais. E com todas as gerações vivas juntas, em homenagem aos que sacrificaram tudo para que o caminho das conquistas desse mais, sempre pendente, esteve custodiado pela paz e pela unidade de todos os cubanos.

Em nome de uma geração orgulhosa de ser, não alívio, mas continuidade, quero expressar o profundo compromisso que nos move a lutar sem descanso para estar à altura da história, de nossos próceres e do povo, inseparáveis no sentimento e na fidelidade.

Hoje viemos prestar contas de nosso trabalho e a nos comprometer a mais: a impulsionar tudo o que nos permita seguir adiante e vencer, junto com as limitações próprias e frente à guerra econômica, à perseguição financeira e ao bloqueio recrudescido.

A maior motivação nos fornece o 60° aniversário da Revolução, com suas indeléveis lições de que é possível vencer todos os obstáculos se o povo nos acompanha.

Será, sem dúvidas, outro ano de desafios. Porém, como dizia Martí falando da alma da revolução e do dever de Cuba (...): “Nada espera o povo cubano da revolução que a revolução não possa dar-lhe”.

Vamos seguir adiante. E vamos seguir vencendo. Isso nos ensinaram os pais da nação. A isso nos convoca todos os dias o povo digno e heroico de Céspedes, Mariana, Maceo, Gómez, Martí, Mella, Villena, Haydeé, Abel, Celia, Frank, Vilma, Camilo, Che, Almeida, Fidel, Raúl e seus companheiros de luta que nos honram nos acompanhando.

Em 24 de fevereiro, no Referendo para ratificar a Constituição, Cuba estará tocando no ponto culminante dos 150 anos que celebramos e nos 60 da Revolução Cubana, a Revolução de Fidel e Raúl, que festejamos no próximo 1° de janeiro.

Diremos sim e venceremos outra vez. Porque Somos Cuba.

Felicidades a todo nosso povo pelo novo ano.

Até a vitória sempre!

Pátria ou Morte!

Venceremos!

(Ovação)

Fonte: http://www.resumenlatinoamericano.org/2018/12/23/cuba-diaz-canel-vamos-a-salir-adelante-y-vamos-a-seguir-venciendo/
Tradução: Partido Comunista Brasileiro (PCB)

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar