Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 21 Abril 2019 11:43 Última modificação em Quinta, 16 Mai 2019 01:15

Crimes econômicos do imperialismo

Avalie este item
(2 votos)
País: Venezuela / Resenhas / Fonte: Diário Liberdade

[María Alejandra Díaz*, Tradução de Anisio Pires] As armas econômicas geram efeitos devastadores na população. Não só as bombas e os mísseis impactam centros urbanos, também os bloqueios comerciais e financeiros impedem aos cidadãos de uma nação o acesso a alimentos, medicamentos e bens fundamentais para a vida.

Para atingir esse objetivo, a cleptocracia financeira, a partir da reinterpretação de Reagan da Lei Glass Steagal de 1933, desencadeou no mundo uma desregulação financeira com severos recortes sociais: operação de captura e concentração da riqueza baseada numa série de dispositivos financeiros assumidos pelo resto do planeta.

Uma vez quebrada a norma, essa cleptocracia assaltou as finanças mundiais e transgrediu seus próprios valores e princípios. Utilizou a Reserva Federal para seus roubos massivos por meio da imposição do dólar ilegal como moeda de curso legal internacional.

Hoje, essa dinâmica perversa é a base de atuação dos EUA para cometer crimes de lesa-humanidade, agressões econômicas e financeiras contra a Venezuela. Crimes econômicos cometidos pelas corporações e governos ocidentais contra o direito em todas suas variantes comerciais e internacionais. Governos e corporações atacam a Estados e governos soberanos, que eles consideram hostis, por jogar

com as regras básicas da livre concorrência e cuidar de sua segurança nacional.

Urge assentar jurisprudência com o sucedido à Venezuela. Tipificar esses atos de pirataria e roubo contra o país por parte de particulares, financeiras e multinacionais, os quais, avalizados pelo “Hegemon”, transgridem os contratos com terceiros. Castigar a pirataria unilateral de certos Estados com cumplicidade dos bancos. Não só o Estado agressor incorre em crimes de lesa-humanidade, também as corporações delinquentes: é a Quadrilha Mundial.

São governos de gangues de terroristas que, atuando em conluio com bancos, roubam, saqueiam e bloqueiam unilateralmente fundos, contas, dinheiro, ativos e bens, causando um grave dano econômico à população do país.

Tomemos a contraofensiva contra essa quadrilha: os países afetados e respeitosos da legalidade internacional devem opor-se e legislar contra as corporações criminais, suas marcas e os Estados que, atuando como corsários pós-modernos, roubam nossos recursos.

(*) Advogada constitucionalista venezuelana, integrante da Assembleia Nacional Constituinte (ANC).

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar