Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Sábado, 01 Junho 2019 14:02

Chavismo: política com P de povo

Avalie este item
(1 Voto)
País: Venezuela / Resenhas / Fonte: Diário Liberdade

[María Alejandra Díaz*, Tradução de Anisio Pires] Antecedendo a ascensão do Comandante Hugo Chávez ao poder na Venezuela, os objetivos da política foram, fundamental e prioritariamente, lograr a preservação do regime democrático (democracia representativa). A liderança política dessa época, habilmente aliada com uma elite econômica sagaz, conseguiu ganhar a confiança das massas e gozar de uma ampla liberdade de manobra para fazer frente às situações difíceis.

Essa situação mudou radicalmente em 1989 quando o Povo venezuelano, protagonista da primeira revolta popular contra o neoliberalismo no século XX, mostrou ao mundo que a forma clientelista de fazer política, ausente e de costas ao povo, era impossível de se sustentar no tempo.

Os cérebros do neoliberalismo já tinham decretado o Fim da História e a morte da política, após cair em desgraça o modelo político prevalecente na Venezuela. Chávez emerge quando a escola neoliberal impunha seu dogma tecnocrático (antípolítica) em todo o mundo, baseado no discurso economicista da eficiência na administração de recursos. Seu objetivo era nos fazer acreditar que os problemas sociais, econômicos e políticos podiam ser resolvidos desde o paradigma da racionalidade instrumental, baseada em princípios de eficiência, eficácia e otimização de recursos.

Chávez resgata o conceito e a práxis política com P Maiúsculo, com P de Povo, com P de Pátria.

Ao preencher de conteúdo real e popular a democracia e a política, Chávez desenvolve e impulsiona um novo modelo democrático, participativo e protagônico. Era sua resposta ao chamado do momento, à necessidade e ao requerimento histórico da aparição e visibilidade do povo, o único protagonista diário do poder de gestão. Ele fez isso confiando nos poderes criadores do poder constituinte, capaz de fundar o novo desde si mesmo, nunca desde o outro.

Assim, Chávez transformou a política em exercício diário de criação coletiva livre, soberana e independente de qualquer domínio externo ou interno.

(*) Advogada constitucionalista venezuelana, integrante da Assembleia Nacional Constituinte (ANC).

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar