Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Segunda, 29 Julho 2019 05:43

Informe canalha contra a Venezuela

Avalie este item
(0 votos)
País: Venezuela / Repressom e direitos humanos / Fonte: Diário Liberdade

Por María Alejandra Díaz*, Tradução de Anisio Pires

Desde a ONU, em conluio com ONGs tarifadas, com cartel midiático incluído, tentam uma intervenção moral e jurídica na Venezuela. Querem justificar ações militares e não militares contra o país e algo mais. Aplicar uma reengenharia à Constituição em função dos interesses corporativos transnacionais.

Através da guerra híbrida buscam lesar a legitimidade da Constituição de 1999, fazendo com que ela seja vista como fonte de problemas e causa material da crise. Pretendem usar informes canalhas que produzam pressões infernais para nos render e empurrar no sentido da regressão do contrato social. Para eles, a democracia é pura ficção, uma atuação apenas representativa que evapora o povo e sua participação real.

Cogitam uma intervenção cirúrgica desde uma pseudojuridicidade neutra, feita por uma minoria escolhida pelo imperialismo (como maioria qualitativa em acordo com seus valores), sem a participação das grandes maiorias.

Apagando o povo chavista, esse informe infame acompanha o comportamento hostil do cartel midiático nacional e internacional. Aplicam-nos outro blecaute midiático e jurídico quando invisibilizam as violações dos direitos humanos dos milhões de venezuelanos que sofrem o bloqueio criminal e, sobretudo, que os 86% das vítimas dos acontecimentos terroristas de 2017 que foram chavistas.

Assim, a ONU e as ONGs tarifadas se mostram como são, uma expressão branda da intervenção jurídica e moral contra uma nação e um povo (Negri). É o mesmo expediente de 2002. Acusar, criminalizar, satanizar, apagar o outro e preparar o terreno para qualquer cenário que desejem: intervenção humanitária, militar, moral e até jurídica. E, evidentemente, criando uma Constituição atrelada aos interesses de potências e corporações que permita a pilhagem programada de nossa nação.

Trata-se de um informe enviesado que confunde debilidades de um governo com violações aos direitos humanos. Parte de falsos pressupostos e considera como um erro de adequação a conduta do suposto Estado violador de direitos humanos. A mulher venezuelana é estigmatizada e seu gentilício ofendido quando nos chama de mendigas e prostitutas. O desequilíbrio do informe é absoluto quando admite que as entrevistas, pesquisas e notícias foram tomadas 89% fora do país ou elaboradas por ONGs (tarifadas pela NED e USAID), cujas metodologias de investigação carecem de validez e rigorosidade.

Justificam o terrorismo das corporações transnacionais e, como se fossem um verdadeiro porta-aviões de destruição, arremetem contra nossa Nação. Ocultam que é o bloqueio criminal o responsável pelas afetações econômicas que impactam negativamente nos serviços e nos sistemas de saúde e de alimentação de nosso país. Mascaram-no com o argumento falacioso da crise humanitária que, segundo a sua própria legalidade, só ocorre quando acontece uma catástrofe natural.

Ocultam também que a conduta pessoal de um funcionário do Estado que decide a motu próprio violentar ou cometer excessos em matéria de direitos humanos, nunca pode equiparar-se com o comportamento generalizado e sistemático de um governo. Muito menos quando o governo ordena investigar e castigar os transgressores como garantia para que não se repita.

Por essas razões, temos reiterado nosso alerta permanente em referência ao sistema de justiça e às adequadas garantias do devido processo. Estar vigilantes com as ordens de soltura que não são acatadas por certos personagens em certos corpos de segurança e prestar muita atenção às imputações de associação para delinquir, as quais recomendamos devem ser adequadas para evitar, assim, desvios jurídicos que afetem direitos humanos fundamentais.

Não é somente um deslize o ocorrido com esse informe. É uma canalhice contra um povo que resiste em meio das mais férreas medidas coercitivas, unilaterais e criminais. Todo nosso país tem sido afetado pelas persecuções financeiras, energéticas, militares e comerciais aplicadas contra nós. Por isso, levantamos nossa voz para defender nosso direito a ser um Estado-Nação soberano e não tutelado.

(*) Advogada constitucionalista venezuelana, integrante da Assembleia Nacional Constituinte (ANC).

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar