Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Quarta, 09 Outubro 2019 01:09

Rebeliom popular no Equador força o governo a fugir da capital

Avalie este item
(1 Voto)
País: Equador / Reportagens / Fonte: Diário Liberdade

O povo trabalhadore equatoriano lançou-se às ruas no início deste mês, coincidindo com a aprovaçom de um pacote neoliberal polo governo de Lenin Moreno. Trabalhadores e povos indígenas tomárom as ruas de diferentes cidades do país, ocupando instalaçons oficiais e forçando o governo a fugir de Quito para Guayaquil, tradicionalmente mais conservadora, embora viva também mobilizaçons.

Lenin Moreno atrasou o seu discurso televisivo e radiofónico até se sentir em segurança em Guayaquil, mantendo umha posiçom arrogante e determinaçom de impor os aumentos dos preços de combustíveis, a "flexibilizaçom laboral" e outras medidas antipopulares pactuadas com o FMI. O ex-vice de Rafael Correa acusa o ex-presidente de organizar um golpe de estado para tombar o seu governo, mas o certo é que as políticas abertamente reacionárias de Moreno fôrom fermento para a rebeliom em curso, de grande dimensom e radicalidade.

As forças repressivas matárom vários trabalhadores durante as mobilizaçons, mas as marchas de milhares de indígenas continuam o avanço para a capital, onde foi convocada para dia 9 umha greve nacional. Bloqueios de estradas, cantos contra o governo e confrontos com as forças policiais sucedem-se, sem que os veículos blindados consigam deter a maré popular. Vários desses blindados fôrom incendiados polos manifestantes.

As instalaçons petroleiras do país estám também a ser alvo das manifestaçons, com três campos petroleiros, localizados nas províncias de Orellana e Sucumbíos, operados pela empresa pública Petroamazonas com atividade suspensa após serem tomados por grupos de manifestantes, que bloqueárom os acessos e interrompêrom a produçom.

Lenin Moreno decretou o estado de exceçom, detendo quase meio milhar de pessoas nos últimos dias. Porém, o levantamento popular continua. Vale a pena lembrar que três presidentes caírom por idêntico procedimento democrático-popular desde a década de 90: Abdalá Bucaram (1996-1997), Jamil Mahuad (1998-2000) e Lucio Gutiérrez (2003-2005).

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar