Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Quarta, 15 Agosto 2018 17:29 Última modificação em Segunda, 20 Agosto 2018 23:06

A cara da burguesia

Avalie este item
(1 Voto)
País: Brasil / Laboral/Economia / Fonte: PCB

[Afonso Costa*] No mesmo dia que os integrantes do Supremo Tribunal Federal (STF) aprovaram aumentar os seus próprios salários para R$ 39 mil mensais, são divulgados dados sobre as mortes violentas no país: 63.880 assassinatos em 2017, uma verdadeira guerra contra a população pobre, particularmente os jovens negros.

Ano passado também foram registrados mais de 60 mil casos de estupros e 82 mil desaparecimentos. A vida dos seres humanos não tem mais valor neste país.

É um escárnio um aumento desses do STF comparado com um salário mínimo de R$ 954, com previsão de reajuste em 2019 para R$ 998. Segundo o Diesse, em junho deste ano o salário mínimo deveria ser de R$ 3.804,06, isto é 3,9 vezes maior que o atual.

Enquanto isso, os quatro maiores bancos – Itaú, Banco do Brasil, Bradesco e Santander – lucraram R$ 16,8 bilhões no segundo trimestre deste ano, um aumento de 17% em relação ao mesmo período do ano passado.

O Brasil vive uma brutal concentração de renda, na qual apenas seis famílias têm o mesmo que 100 milhões de pessoas. Para isso serve o chamado ajuste fiscal, termo pomposo que em verdade significa apenas lucro para o capital em detrimento dos trabalhadores e do restante da população.

O aumento da concentração de capital também se dá no campo. Pesquisa recente do IBGE mostra que os estabelecimentos com mais de mil hectares controlam 47,5% das terras, enquanto os estabelecimentos com até 10 hectares – a maioria – ocupam somente 2,3% da terra. E são justamente os pequenos produtores que põem comida nas nossas mesas.

A concentração fundiária responde pelo maior consumo de agrotóxicos do mundo, ameaçando incrementar sua utilização através do Pacote do Veneno (PL 6299/2002), já aprovado em Comissão Especial da Câmara dos Deputados. A preocupação do agronegócio é apenas exportar mais, dane-se a população. O envenenamento é tão gritante, que descobriram no Piauí, um dos estados mais pobres ou o mais pobre da Federação, agrotóxicos no leite materno.

O mal que a burguesia vem fazendo no e ao Brasil, agravado no governo golpista, também ocorre em vários países. Argentina, Chile, Peru, Colômbia, México, Espanha, Itália, Grécia etc. adotaram e vem adotando medidas semelhantes, como a reforma trabalhista, as privatizações, isenções fiscais para o capital, aumento da repressão etc. O resultado é o mesmo: desemprego, perda de direitos, arrocho salarial, aumento da dívida pública, concentração de renda, maiores benesses para o capital.

O agravante, nesse quadro, é não existir saída de curto prazo. As eleições para presidente e governos estaduais, assim como os parlamentos, nos colocam mais do mesmo. Em debate em rede de televisão com oito candidatos à Presidência, sete são notoriamente conservadores, de direita, sendo um banqueiro, outro representante do partido que tradicionalmente representa o imperialismo e o mal maior, um fascista assumido.

Cabe ressaltar que o ex-presidente Lula não participou do debate devido a sua injusta e arbitrária prisão.

Infelizmente muitos ainda subestimam o fascismo. Esquecem de Hitler e Mussolini, ambos desprezados enquanto ameaça, mas que chegaram ao poder e fizeram o que fizeram, a maior mortandade da humanidade. O fascismo sempre é o principal inimigo, a arma mais cruel do imperialismo.

O imperialismo tem várias máscaras, não pode ser subestimado em hipótese nenhuma. Que o digam Hiroshima e Nagasaki, que na semana passada rememorou os 73 anos de centenas de milhares de assassinatos com as bombas atômicas.

A ofensiva do capital em nível internacional é fruto de uma crise sem precedentes, responsável por absurda concentração de renda e perdas consideráveis para os povos. Para manter esse status quo a burguesia fará de tudo, não importando os seres humanos, suas vidas, suas histórias, que o digam os palestinos, os mapuches, os etíopes e tantos povos massacrados.

Só há uma maneira de derrotar a burguesia: lutar e organizar, organizar e lutar.

*Afonso Costa é jornalista e militante do PCB

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar