Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 16 Março 2017 18:52 Última modificação em Domingo, 19 Março 2017 20:16

Greve de fome de refugiados contra os maus tratos na Hungria

Avalie este item
(0 votos)
País: Hungria / Migraçons, Antifascismo e anti-racismo / Fonte: Esquerda Diário

O governo húngaro de direita de Orbán vem tomando numerosas medidas anti-imigração, como a detenção de refugiados, a cobrança de “fianças” e a repressão policial em uma fronteira amuralhada.

Um número indeterminado de refugiados internados em um centro de acolhimento na Hungria, iniciou ontem uma greve de fome para denunciar que estão presos e que não lhes dão tratos adequados.

“Faz seis meses que estamos aqui e não sabemos o que acontecerá conosco”, afirmam os refugiados em um comunicado publicado no portal informativo Hvg.
Nessa nota, os solicitantes de asilo, asseguram que vem fugindo “da guerra e da morte” e que ao chegar na Hungria foram presos no centro de acolhimento fechado de Békéscsaba, no sul do país. Os refugiados asseguram que muitos deles sofrem doenças psíquicas e físicas que necessitariam tratamento e que os médicos só lhes dão sedativos.

O centro de Békéscsaba tem capacidade para 200 pessoas, contudo, atualmente acolhe somente entre 40 e 50 refugiados, dos quais não se sabe quantos aderiram à greve de fome. Os solicitantes de asilo também asseguram que chegaram na Hungria “em busca de segurança e estabilidade” e que o Governo os prendeu.

Além disso, nos últimos dias foi divulgado que o governo húngaro cobra 1.200 euros de cada refugiado, sob o insólito conceito de “fiança”, para ser repassado para campos mais “abertos” que são igualmente miseráveis que o resto.

A Hungria foi muito criticada por diferentes ONGs e pela ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), por ter questionado a legislação aprovada no dia 7 de março que, ainda que não tenha entrado em vigor, permite prender os refugiados que entram no país, enquanto se processa a petição de asilo. A Organização das Nações Unidas advertiu o governo de Orbán que a iniciativa viola as obrigações do país com as leis internacionais e europeias.

A dura política anti-imigração do primeiro ministro Viktor Orbán também impulsionou um referendo no dia 2 de outubro de 2016, para que os húngaros mostrassem sua opinião sobre o sistema de cotas de localização obrigatória dos refugiados, decidido pela União Europeia, a qual é membro desde 2004. Nesse plebiscito, ainda que metade da população não tenha votado, dos que votaram, 98% votou pela política xenófoba de repudiar o acolhimento de refugiados.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar