Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 26 Março 2018 17:20 Última modificação em Sexta, 30 Março 2018 01:45

Pequim acusa Washington de violar sua soberania

Avalie este item
(0 votos)
País: China / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Sputnik

A China condena a entrada do destróier norte-americano USS Mustin nas águas das ilhas disputadas do mar do Sul da China e apela insistentemente a Washington para pôr fim às ações provocatórias, declarou a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying.

"A China apela insistentemente aos EUA para cessarem imediatamente as ações provocatórias, que violam a soberania da China e ameaçam a nossa segurança”, declarou hoje (24) a porta-voz na conta oficial do Ministério na rede social WeChat.

Segundo Hua Chunying, a China também apela aos EUA para respeitarem os esforços dos Estados da região no sentido de manter a paz e a estabilidade no mar do Sul da China.
"A China continuará tomando as medidas necessárias para defender a sua soberania e segurança, bem como para defender a paz e a estabilidade no mar do Sul da China", acrescentou a porta-voz.

"Hoje em dia, a situação no mar do Sul da China continua melhorando graças aos esforços da China e dos países membros da ASEAN [Associação de Nações do Sudeste Asiático]. Nesse âmbito os EUA, que intencionalmente causam problemas e tensão no mar do Sul da China, estão minando a paz e estabilidade na região e isso é contrário aos desejos dos países da região, que esperam estabilidade, cooperação e desenvolvimento", sublinhou a diplomata.

Anteriormente, a agência Reuters, com referência a altos funcionários estadunidenses, informou que o USS Mustin passou a 12 milhas náuticas do recife Mischief das Ilhas Spratly para demonstrar “a liberdade de navegação”. O Ministério da Defesa chinês confirmou que em 23 de março o destróier norte-americano entrou nas águas das ilhas chinesas do mar do Sul da China. Os navios de guerra da Marinha da China avisaram o destróier sobre a necessidade de abandonar a zona.

O Ministério da Defesa chinês declarou que essas ações dos EUA representam "uma provocação política e militar grave" que viola os princípios das relações internacionais e ameaça a paz e estabilidade global.

Não foi a primeira vez que o navio de guerra da Marinha americana se aproximou das ilhas disputadas no mar do Sul da China. De acordo com Washington, suas ações visam assegurar a liberdade de navegação, enquanto Pequim as qualifica como atos de violação da sua soberania.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar