Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 16 Junho 2016 10:59 Última modificação em Domingo, 19 Junho 2016 16:28

Apesar de ameaças, sindicato francês diz que manterá protestos contra reforma trabalhista

Avalie este item
(2 votos)
País: França / Laboral/Economia / Fonte: Opera Mundi

O líder da CGT (Confederação Geral dos Trabalhadores) da França, Philippe Martinez, afirmou nesta quinta-feira (16/06) que o sindicato continuará fazendo protestos contra a proposta de reforma trabalhista de François Hollande, apesar das ameaças do governo de proibir novas manifestações.

Nesta quarta (15/06), o primeiro-ministro Manuel Valls exigiu que a CGT, o maior sindicato do país, não organize mais protestos em Paris contra a reforma, um dia após uma manifestação que deixou dezenas de pessoas feridas e ao menos 58 detidos. O presidente François Hollande disse a ministros que poderia proibir as manifestações se medidas de segurança não fossem adotadas pelo sindicato.

Em entrevista à rádio RTL, Martinez disse que o governo tenta deslegitimar as manifestações de trabalhadores.

“É como se a CGT fosse culpada por tudo que acontece no país”, afirmou Martinez, que considera que as recentes declarações do governo francês aumentam a tensão nas manifestações.

“O governo deve parar de jogar lenha na fogueira”, afirmou.

O sindicalista também rechaçou a acusação do governo de ignorar a presença de manifestantes considerados “violentos” e acusou a polícia de agir de forma indiscriminada. Segundo ele, as pessoas estavam apenas tentando se defender da repressão policial.

“Quando aquele tipo de coisa acontece [repressão], todo mundo faz o que pode para se defender”, disse.

Mais protestos estão previstos pela CGT em conjunto com outras organizações sindicais francesas para os dias 23 e 28 no país.

Os sindicatos protestam desde março contra a reforma trabalhista de François Hollande, que flexibiliza leis trabalhistas e é defendida pelo governo como forma de combater o desemprego, atualmente em cerca de 10-%.

Um dos principais aspectos da reforma é alterar a jornada de 35 horas de trabalho semanais. O limite seria oficialmente mantido, mas será permitido às companhias organizar horas de trabalho alternativas — como trabalhar de casa — o que, no final, poderia resultar em até 48 horas de trabalho por semana. Em “circunstâncias excepcionais”, o limite poderá ser de até 60 horas por semana.

A proposta permite também que as empresas deixem de pagar as horas extras aos funcionários que trabalharem mais de 35, recompensando-os com dias de folga.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar